Notícias

Notícias: Visibilidade trans 2022: estigmas e mitos ainda persistem no feminismo

 
Janeiro é referenciado como mês da visibilidade trans, momento em que buscamos evidenciar os movimentos de luta por cidadania da população travesti, transexual e transgênera. Infelizmente, estigmas e mitos a respeito da nossa população persistem e são reiterados muitas vezes em nome do movimento feminista, sobretudo pelo assim chamado feminismo radical trans-excludente (referenciado usualmente como “radfem” ou TERF). Pretendo neste breve texto abordar alguns dos principais mitos ou erros que esta corrente ainda perpetua sobre mulheres trans e travestis.  
Publicado: 2022-01-22 Mais...
 

Notícias: Transamadurecer

 
Amadurecer é sempre uma palavra ambígua e capciosa quando aplicada a vidas humanas, especialmente quando pretende significar crescimento, experiência e consciência adquiridos pelas pessoas com o avançar dos anos. Nada mais enganoso do que supor que mais idade corresponde a maior maturidade.  
Publicado: 2022-01-22 Mais...
 

Notícias: Dororidade: Dor que só as Mulheres Transexuais e Travestis Negras Sentem

 

“Ser negra, na integridade...

Ser negra, de carapinhas. de dorso brilhante, de pés soltos nos caminhos.

Ser negra, de negras mãos, de negras mamas, de negra alma”.

 
Publicado: 2022-01-21 Mais...
 

Notícias: Quem busca ensinar? A prática da docência marginal

 

Es docentes bons no Brasil, a cada ano que passa, sofrem um estremecimento de suas certezas. A primeira certeza a ruir é a de que a comunicação é perfeita, e acontece sempre, de que a acústica da sala faz as vozes que ali circulam atingirem os ouvidos presentes, de que as palavras serão lembradas. Muita coisa está no meio entre o que se fala e o que se escuta.

 
Publicado: 2022-01-19 Mais...
 

Notícias: PARA CINECLUBES E CLUBES DE LEITURA DE, COM E PARA MULHERES: VEM CONVERSAR ONLINE COM ALGUNS VISUAIS STORYTELLING!

 
Quem conhece nossa obra sabe bem que cibercultura é para nós sempre um conjunto de práticas, experiências e invenções na relação cidade-ciberespaço. Sou daquelas que habitam as cidades e com elas aprendo, educo e me reinvento. Sou diarista, sempre deixo rastros desse caminhar ubíquo com narrativas imagéticas, textuais e sonoras e por que não dizer hipermidiáticas? Sou de ir ao cinema, sou rata de livraria. Leio com e no meu dispositivo online, mas não abro mão de um bom impresso. Amo livros, me apaixono pelas edições, amo seus cheiros. Capas, textos de orelhas e quartas-capas me capturam. Assim como me relaciono com os livros sejam eles eletrônicos ou impressos, me relaciono super bem com o clássico cinema e os filmes nas plataformas. Amo a sala de cinema e seu combo básico: ir ao cinema, frequentar livraria antes ou depois dos filmes, bares e ou restaurantes com amigos, alunos e família para conversar sobre os filmes. Muitas vezes converso comigo mesma, amo viajar e sair sozinha.  
Publicado: 2021-09-30 Mais...
 

Chamada Número Temático: Processos formativos e criação de artefatos digitais durante o ensino remoto: desafios da docência em tempos de crise

 
Os professores foram os agentes que deram respostas mais rápidas à crise instalada com a suspensão das aulas presenciais. No Brasil, com mínimo apoio de políticas públicas de formação, equipamentos e infra-estrutura para o ensino remoto, os professores foram protagonistas de processos formativos mediados por tecnologias e na criação e re-invenção de diversos artefatos digitais para atender à demanda do ensino remoto. Este dossiê pretende reunir relatos de experiências e artigos teóricos sobre o desafio do exercício da docência em tempos de crise. Artigos sobre a educação no cenário pós-pandemico e as repercussões do ensino remoto na aprendizagem dos estudantes também serão aceitos neste Dossiê.  
Publicado: 2021-08-03 Mais...
 

Notícias: Letramento racial para todas as pessoas! Inclusive para cientistas ...

 

O BBB 2021 acabou e entramos noutro, a CPI da Covid. Seria entretenimento se não fosse trágico. Mais de 500 mil brasileiros mortos pelo vírus e pela ausência de políticas públicas e lideranças responsáveis. Todos nós conhecemos ou temos notícias de pessoas que lamentavelmente fazem para dessa estatística. A demora pela compra das vacinas, ausência de campanhas nacionais sintonizadas com a Ciência global e a Fake News em torno de um tal “tratamento precoce”, são apenas alguns temas da atual CPI liderada pelo Senado Brasileiro. CPI esta que se constitui em dispositivo de esperança e expressão de democracia. CPI esta liderada também por personagens golpistas, que direta ou indiretamente são responsáveis por este estado de “democracia em vertigem”.

 
Publicado: 2021-08-03 Mais...
 

Chamada Número Temático: EDUCAÇÃO MUSEAL E A PANDEMIA DE COVID-19

 

A Educação Museal vem consolidando-se como campo científico, profissional e político  desde a segunda década do século XXI, no Brasil, a partir de esforços de educadores, agentes do poder público, instituições e pesquisadores. A Pandemia de Covid-19 desvelou o necessário estreitamento da relação entre as características sociotécnicas da contemporaneidade (cibercultura) e os campos dos Museus e da Educação Museal, evidenciando discussões e tornando explícitos desafios e práticas que já eram realidade no fazer educativo e nos debates deste campo, como, por exemplo, a Educação Museal Online. Esse Dossiê receberá artigos, resenhas, propostas de exposições online, vídeos, relatos de experiência e entrevistas, que versem sobre ações realizadas, desdobramentos práticos, teóricos e políticos e perspectivas abertas pelo advento da Pandemia de Covid-19, considerando seus efeitos sobre a Educação Museal. Serão aceitos trabalhos que apresentem experiências e debates acerca da formação de educadores museais, da função social e educativa do museu diante da crise sanitária e humanitária internacional, efeitos sobre a profissionalização dos educadores e suas condições de trabalho, bem como experiências e desafios vivenciados on e offline no período pandêmico e as perspectivas de seus reflexos para o futuro teórico-político-prático da Educação  Museal.

 

Submissões: 12/07/2021 a 31/12/2021

Organizadores: Frieda Marti (UFRRJ e SAE, Museu Nacional/UFRJ), Andréa Costa (SAE, Museu Nacional/UFRJ e Escola de Museologia/UNIRIO) e Fernanda Castro (Museu Histórico Nacional)

Previsão de publicação: 2022.01

Diretrizes para os/as autores/as: regras de submissão

 
 
Publicado: 2021-07-12 Mais...
 

Notícias: O Amor na "Quarentena": entre cartas e despedidas no ciberespaço

 

Inicio o presente texto solidarizando-me com tantas pessoas que perderam seus amores nesse período pandêmico, que se alonga desde o começo de 2020. A exemplo da amiga Betânia Gomes, que chora o luto de sua mãe, a Sra. Maria Aparecida, em decorrência da Covid-19; do amigo Sérgio Presley, que se foi deixando áudios agonizantes; do amigo Antônio Dóri, que não teve tempo para se despedir da sua esposa Neuverina; do amigo Thomaz, do Canto Mineiro, que não vai poder ver os filhos crescerem; dos amigos Carlão e Aldízio, que muito contribuíram com a educação cearense, sem falar nos incontáveis colegas professores e professoras de todo o Brasil e do mundo. As partidas são inúmeras!  Já somam-se quase 500 mil mortes só em nosso país.

 
Publicado: 2021-06-17 Mais...
 

Notícias: O ensino híbrido como “a bola da vez”: Vamos redesenhar nossas salas de aula no pós-pandemia?

 
“Ensino remoto” foi a noção de “ordem” do ano de 2020, quando o assunto educar durante a pandemia da covid-19 estava em pauta. A pandemia nos confinou no espaço da casa, para quem pôde e ainda pode viver o distanciamento físico, apartando-nos literalmente dos contextos físicos e dos espaços urbanos em geral....  
Publicado: 2021-06-02 Mais...
 

Notícias: Carta a Paulo Freire

 

Querido Paulo,

Ao escrever esta carta para compartilhar, contigo, os sentimentos que invadem meu coração, neste momento, penso:

 
Publicado: 2021-05-11 Mais...
 

Notícias: O QUE SIGNIFICA O GOOGLE FOR EDUCATION NA EDUCAÇÃO PÚBLICA?

 
Este texto emergiu de um sentimento de indignação produzido diante dos discursos de outros educadores que assim como eu enfrentam os desafios da educação, em especial da educação pública tanto na esfera municipal, quanto na esfera estadual do Rio de Janeiro. Discursos esses que defendem os sutis processos de privatização do ensino público em nível fundamental, médio e técnico. Mais especificamente quanto às posturas docentes que reverenciaram as soluções informáticas de iniciativa privada como a adoção da proposta Google For Education no âmbito das escolas públicas na cidade do Rio de Janeiro. Por que há objeções de parte da comunidade escolar quanto à adoção por parte do governo do Google For Education para escolas públicas no estado do Rio de Janeiro?  
Publicado: 2021-04-13 Mais...
 

Notícias: Educadores/as do Museu Nacional em resgate: sobre a coleção didático-científica da seção de assistência ao ensino

 

O Museu Nacional (MN) conta com coleções científicas, didáticas e expositivas, que cumprem funções específicas, igualmente importantes, e voltadas a públicos diversos. Uma das coleções do MN é a Coleção Didático-Científica da Seção de Assistência ao Ensino (SAE), o primeiro setor educativo de um museu brasileiro. Neste texto abordaremos essa Coleção singular, seus usos e seu potencial para a Educação, assim como os impactos do incêndio, ocorrido em 2 de setembro de 2018, sobre a mesma e o trabalho da equipe do setor educativo em seu resgate.

 
Publicado: 2021-04-09 Mais...
 

Chamada Número Temático: Docência na Cibercultura: contribuições da obra de Paulo Freire

 

Organizadores: Edméa Santos (UFRRJ) e Lucila Pesce (UNIFESP)

Prazo para o envio dos artigos:  09/02/2021 a 31/07/2021

Diretrizes para os/as autores/asregras de submissão

Edição de publicação: v. 5, n. 4, 2021

 
Publicado: 2021-02-09 Mais...
 

Chamada Número Temático: Chamadas abertas 2021

 

Docência na Cibercultura: contribuições da obra de Paulo Freire

Submissões: 09/02/2021 a 31/07/2021

Organizadores:  Edméa Santos (UFRRJ) e Lucila Pesce (UNIFESP)


Corpos, gêneros e sexualidades em meio ao caos: (sobre)vivências em tempos de pandemia

Submissões: 01/09/2020 a 15/09/2021

Organizadores:  Dr. Dilton Ribeiro Couto Junior (UERJ/FEBF), Dr. Leandro Teofilo de Brito (Colégio Pedro II), Dr. Ivan Amaro (UERJ/FEBF) e Dr. Jonas Alves da Silva Junior (UFRRJ)

 

Educação matemática e cibercultura em tempos de mobilidade ubíqua

Submissões: 01/09/2020 a 30/09/2021

Organizadores: Prof. Dr. Carloney Alves de Oliveira (UFAL)

 
Publicado: 2021-07-14 Mais...
 

Notícias: Escrita acadêmica em coautoria

 
Inúmeros textos que tratam de questões relacionadas à escrita acadêmica e à metodologia concentram-se em uma perspectiva individualista e eurocêntrica, que parte do pressuposto de que apenas uma pessoa será a autora do conteúdo. Apesar disso, a escrita em colaboração é uma das possibilidades mais usuais para a divulgação dos resultados de pesquisas científicas. O estranhamento diante da ausência de sua abordagem de maneira mais aprofundada alimentou nosso interesse em elaborar estes parágrafos, cujos pilares defendidos aliam-se à forma com a qual vão sendo desenhados: não apenas por uma autora, mas por duas.  
Publicado: 2021-02-01 Mais...
 

Notícias: Racismo, mulheres e nossas perdas diárias

 

“Raiva é cheia de informação e energia.” Audre Lord

Venho me debruçando na reflexão sobre o sofrimento que o racismo traz a todo povo negro. Sabemos que muitos intelectuais brancos por anos e mais anos descreveram sobre o sofrimento da escravidão – tendo a acreditar que para nós pessoas negras, esses trabalhos ressoam como uma espécie de revisitação sádica do nosso sofrimento.

 
Publicado: 2021-01-11 Mais...
 

Notícias: E de repente, a aula foi para o ciberespaço

 

No presente relato, sou provocada a expressar minhas memórias enquanto docente no contexto da pandemia.  Ao discorrer sobre o vivido: sensações, emoções, frustrações, expectativas, desafios, etc. Enfim, um leque de experiências que marcam esses poucos mais de nove meses de aulas em que as aulas foram para um ciberespaço.

 
Publicado: 2021-01-08 Mais...
 

Notícias: Por que tudo é branco? A importância do protagonismo negro na literatura infanto-juvenil

 
Eu nasci na Baixada Fluminense em outubro de 1980. Das minhas irmãs, sou a mais nova e a que tem a pele mais clara. Nasci numa família em que pessoas brancas eram minoria. A medida em que eu crescia, mudanças aconteciam no meu corpo, e na maneira como as pessoas me viam. Meu cabelo mudou. Foi encrespando. Eu passei a ouvir comentários como “mas o cabelo dessa menina era tão bom, como foi ficar ruim desse jeito”.  Lembro que eu corria quando inventavam de pentear meu cabelo seco. Logo eu aprendi a não deixar que ninguém encostasse no meu cabelo. Porque sempre que isso acontecia, eu sofria, ou algo ruim acontecia, como fazer o corte de Chitãozinho e Xororó.  
Publicado: 2020-12-29 Mais...
 

Notícias: Protegem-me, logo não existo

 
Dos criadores de: mulher deve ser privada da atuação na vida pública do século XX, em detrimento de um bom desempenho doméstico e da preservação de sua honra e a de seu marido, vem aí: Isadora Basile (2002-) demitida pela empresa Microsoft no dia 16 de outubro de 2020, apenas por ser mulher. A transnacional alegou essa decisão  para proteger a integridade da agora “indefesa” ex-funcionária, em razão de uma série de ameaças e assédios vinculados a comentários machistas.  
Publicado: 2020-12-09 Mais...
 

Notícias: DEU MATCH: CIÊNCIA NA PODOSFERA

 

A ampliação do acesso às tecnologias digitais vem provocando uma revolução no modo de consumo midiático na sociedade atual. Nesse cenário, os meios de comunicação de massa cedem cada vez mais terreno para as mídias digitais, inseridas e adaptadas ao contexto da Cibercultura. Assim, várias alterações culturais e sociais são capitaneadas por elas, através de formatos capazes de engajar um número crescente de usuários ávidos por informação, entretenimento e educação.

 
Publicado: 2020-10-06 Mais...
 

Notícias: “Pole dance”: entre preconceitos, invenções ciberfeministas e educação online

 

Entre outras práticas, o ciberfeminismo se caracteriza pelo protagonismo de mulheres na cibercultura. Neste texto especificamente, tratamos do tema da pole dance como dispositivo de práticas feministas que lançam mão da arte e das expressões corporais combinadas com narrativas digitais para o exercício de suas práticas ativistas. Em tempos de pandemia da covid-19, os ativismos feministas são muitas vezes criticados e ignorados pela grande parte da sociedade, inclusive por órgãos e instituições do Estado que deveriam apoiar o cidadão e a cidadã no exercício dos seus direitos, inclusive no âmbito dos direitos civis.

 
Publicado: 2020-09-29 Mais...
 

Notícias: O AMOR na "QUARENTENA": das cartas ao ciberespaço

 

No presente texto de gênero autobiográfico, sou movida a refletir sobre como as relações afetivas em meio a um caleidoscópio de sentimentos e incertezas provocados pela a pandemia do novo coronavírus, sobretudo para os amantes “apartados pela pandemia”. Portanto, parto das minhas vivências, imagens, sons e leituras na quarentena iniciada há exatos seis meses. Nessa direção, recorro ao uso dos sistemas dos hipertextos para compartilhar as multirreferências emergentes no atual cotidiano. Posto que "a interatividade e o compartilhamento de informações sob a forma de textos, sons e imagens, proporcionados pelos hipertextos, promovem o desenvolvimento de novas relações com as fontes" (DIAS, 1999, p. 275).

 
Publicado: 2020-09-22 Mais...
 

Notícias: Para uma nova experiência humana: a Ubiquidade

 

Convido a cada um de vocês a traçar o seu caminho ubíquo, inspirada na poesia do italiano Masala ( 2020)  que nos inquieta na busca do significado. Para compreender esse conceito em pleno século XXI,  em tempos de pandemia – a saída para romper o isolamento é a conectividade, que nos auxilia no estar junto. Por isso, nos atrevemos a dizer que  - ser ubíquo nesses tempos – está além da questão computacional, pervasiva e móvel,  não é pelo simples fato de estar no ciberespaço, ter uma comunicação massiva conectado pelo computador ou no smartphone a internet – que nos coloca neste cenários. A ubiquidade está no engajamento e na implicância, em que cada um de nós ao conectar-se, cria, co-cria, leva sua identidade envolvendo-se sentimentalmente, possibilitando, assim, o ocupar dois lugares ao mesmo tempo.

 
Publicado: 2020-09-15 Mais...
 

Notícias: Storytelling na pandemia: experiências, memórias e ficções

 

A criança está doente. A mãe a leva para cama e se senta ao lado. E então começa a lhe contar histórias. Como se deve entender isso? Eu suspeitava da coisa até que N. me falou do poder de cura singular que deveria existir nas mãos de sua mulher. Porém, dessas mãos ele disse o seguinte: – Seus movimentos eram altamente expressivos. Contudo, não se poderia descrever sua expressão... Era como se contassem uma história.

– A cura através da narrativa, já a conhecemos das fórmulas mágicas de Merseburg. Não é só que repitam a fórmula de Odin, mas também relatam o contexto no qual ele as utilizou pela primeira vez. Também já se sabe como o relato que o paciente faz ao médico no início do tratamento pode se tornar o começo de um processo curativo. Daí vem a pergunta se a narração não formaria o clima propício e a condição mais favorável de muitas curas, e mesmo se não seriam todas as doenças curáveis se apenas se deixassem flutuar para bem longe – até a foz – na correnteza da narração. Se imaginamos que a dor é uma barragem que se opõe à corrente da narrativa, então vemos claramente que é rompida onde sua inclinação se torna acentuada o bastante para largar tudo o que encontra em seu caminho ao mar do ditoso esquecimento... É o carinho que delineia um leito para essa corrente. (BENJAMIN, 1995, p. 269)

 
Publicado: 2020-09-04 Mais...
 

Notícias: As escolas nos/dos movimentos em rede

 

Como professora da secretaria municipal de educação do Rio de Janeiro tive o prazer de apreciar as aventuras cotidianas, nas práticaspensantes das crianças, dentro da sala de aula, um misto de gostos, confrontos e desejos emergiam no desconhecido das ações. Iniciei o ano de 2020 com uma turma do quinto ano, estávamos ansiosos para as novas rupturas microbianas. Compreendo, empaticamente, a produção do currículo praticado para a formação socioafetiva, política, estética e ética. Em outras palavras, desenvolvemos no nosso dia a dia as negociações necessárias e pertinentes para o desenvolvimento do processo educativo. Pois, dentro do campo de estudo nos\dos\com cotidianos estamos dispostos a virar de ponta cabeça (ALVES, 2008) o já sabido e recolher as pistas que vão de encontro a rotina. 

 
Publicado: 2020-08-28 Mais...
 

Chamada Número Temático: Educação Matemática e Cibercultura em tempos de Mobilidade Ubíqua

 

Justifica-se a escolha do tema para este dossiê, o desafio de refletir sobre a importância da Educação Matemática e Cibercultura em tempos de Mobilidade Ubíqua, que nos remete a compreender sobre as possibilidades e potencialidades que esse binário possui para produzir significados nestes espaços, dentro e fora da escola, para a reorganização do pensamento matemático relativo às mudanças curriculares, buscando encarar desafios, numa construção coletiva de conhecimento científico.

Buscaremos com os artigos que irão compor este dossiê, proporcionar espaços para a construção do saber ao processo de ensino e de aprendizagem, a fim de que os sujeitos envolvidos possam construir conceitos matemáticos, e produzir significados nas suas aulas, buscando ressaltar os valores e atitudes de um profissional crítico-reflexivo, de modo que seja possível motivar, formar, auxiliar no desenvolvimento cognitivo do sujeito, atingir perfis diferentes, fornecer feedback e incorporar interfaces que promovam a troca de informações, reflexões e pesquisas mediante uma comunicação síncrona e assíncrona.

 
Publicado: 2020-08-26 Mais...
 

Notícias: Atividade editorial na Editora da UFBA em tempos de pandemia: contextos, intervenções e permanência

 
O ano de 2019 no Brasil inicia marcado pela posse do presidente Jair Bolsonaro, fruto de uma eleição em 2018 de extrema violência, intolerância e difusão em massa de fake news. Esse contexto trazia em sua essência aspectos de incertezas não só, mas principalmente, ao ambiente da universidade pública. O que se apresentava como possibilidade, no mês de abril, passou a estar entranhado em nosso meio: o Ministério da Educação (MEC) anunciou o bloqueio de 30% do orçamento da Universidade Federal da Bahia (UFBA), justificando que a universidade não havia demonstrado desempenho acadêmico satisfatório, além de promover “balbúrdias” em seus campi, dado que contraria totalmente diversas pesquisas que apontam a UFBA entre as mais bem posicionadas universidades da América Latina, como é o caso do ranking britânico Times Higher Education (THE) Latin America, que na sua edição de 2020, situa a UFBA na 28ª posição. Esse orçamento só foi liberado em sua totalidade no final do ano de 2019 e, nesse ínterim, a universidade atravessou um período de muita dificuldade – demissão de funcionários terceirizados, horário especial de funcionamento nas férias, ações diversas de contenção de gastos administrativos –, mas também de muita resistência  
Publicado: 2020-08-21 Mais...
 

Notícias: Formação de professores na perspectiva étnico-racial no Edmodo

 
Diante da emergência dos atuais fenômenos da cibercultura, da visibilidade das desigualdades raciais e dos casos de violência enfrentados pela população negra, em tempos de pandemia do novo coronavírus, torna-se  cada vez mais urgente o debate sobre as relações étnico-raciais.  Analisando o cenário que nos apresenta e refletindo sobre a nossa formação e atuação docente e sobre os sujeitos que queremos formar, percebemos a necessidade da formação de professores para as questões raciais. A formação docente em nosso país carece de um currículo cada vez mais voltado às temáticas sociais e ao enfrentamento das estruturas que atuam de forma histórica a inibir ou silenciar o debate sobre questões tão importantes quanto a educação antirracista. Portanto, consideramos importante contribuirmos para a construção de uma educação antirracista compartilhando a nossa experiência de criação de um desenho didático com uma perspectiva decolonial e antirracista na interface do aplicativo Edmodo.  
Publicado: 2020-08-12 Mais...
 

Notícias: Por que trancar todos em casa é, sim, ciência: resposta ao vídeo do Sinepe-Rio

 
Durante essa semana, circulou nas redes um vídeo com a estampa do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Rio de Janeiro (Sinepe-Rio) com o propósito de defender o retorno das aulas presencias proposto pela Secretaria Municipal de Educação (SME-RJ) nas escolas particulares (em turmas de 4º, 5º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental) a partir de 3 de agosto.  
Publicado: 2020-08-04 Mais...
 

Notícias: A natureza (selvagem) somos nós

 
Neste ensaio, apresento algumas elucubrações produzidas para a live realizada junto ao projeto de extensão Cineatro, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), a respeito do filme “Na Natureza Selvagem” (2008), de Sean Penn. A live ocorreu no dia seis de julho de 2020, a convite da professora Beatriz Pazini Ferreira, coordenadora do projeto, em que articulei a crise sanitária do Covid-19 ao enredo do filme, ao vivo, durante 55 minutos pela rede social Instagram. A conversa está integralmente disponível no canal do Youtube do Cineatro.  
Publicado: 2020-07-28 Mais...
 

Notícias: Paulo Freire on-line: Um ensaio estético

 
As aulas no Instituto Multidisciplinar da UFRRJ mal haviam começado no primeiro semestre de 2020 quando a pandemia da Covid-19 nos mandou para casa. O retorno às aulas presenciais ainda não sabemos quando poderá ocorrer. Segue agora na universidade a discussão sobre a adoção dos chamados Estudos Continuados Emergenciais. Foi nesse cenário de emergência epidemiológica e dúvidas sobre o que fazer para a continuidade dos estudos que a Escola de Extensão da UFRRJ abriu uma chamada para propostas de cursos e eventos remotos que pudessem atender ao interesse da comunidade acadêmica por alguma continuidade das suas atividades educacionais. Como resultado, no dia 30 de abril teve início o curso Paulo Freire em Tempos de Distanciamento Social, lecionado pelo professor Aristóteles Berino. Talita Cabral, orientanda do docente no mestrado, foi uma das alunas do curso.  
Publicado: 2020-07-24 Mais...
 

Notícias: Privilégio branco nas ciências em tempos de pandemia e em todos os tempos por eles narrados. Senta que eu te explico!

 
Antes de falar acerca da especificidade das ciências, você já ouviu falar de privilégio branco? Privilégio branco é essa coisa de pessoas brancas se verem representadas positivamente em todos os espaços da nossa sociedade, sim, elas se vêem na TV desde cedo, são as apresentadoras dos programas, são as atrizes e atores em ampla maioria nos filmes, novelas e minisséries, são as âncoras em maior número nos telejornais. São as pessoas brancas que dominam os postos na política (afinal de contas elas não só têm os meios de financiamento de campanha, como a estética delas inspira confiança – vide Fernando Collor de Melo), elas são detentoras dos meios de produção de mercadorias, são donas das empresas, das indústrias, são as pessoas que dominam os cursos universitários socialmente mais valorizados dentro dessa cultura bacharelesca, como: medicina, direito e engenharia.  
Publicado: 2020-07-17 Mais...
 

Notícias: Ciberfeminismo em tempos de pandemia Covid-19: lives (trans)feministas

 

O texto em forma de ensaio livre tem como objetivo abordar o fenômeno das lives praticadas por (trans)feministas principalmente nos meses de maio e junho de 2020, no período da quarentena da Covid-19 no Brasil. Compartilha e comenta algumas lives de feministas plurais que debateram temas variados de interesse público, criando ambiências formativas e de aprendizagens em rede no ciberespaço.  Partilhamos nossa experiência com algumas lives, também para inspirar atos de currículos, eventos e práticas críticas na cibercultura. Constatamos que o formato das lives extrapola o da comunicação entre pares, pois pode atingir diferentes públicos em razão da comunicação didática de conteúdos científicos em formato de vídeo para audiência síncrona e assíncrona.

 
Publicado: 2020-07-06 Mais...
 

Chamada Número Temático: Corpos, gêneros e sexualidades em meio ao caos: (sobre)vivências em tempos de pandemia

 

O dossiê temático “Corpos, gêneros e sexualidades em meio ao caos: (sobre)vivências em tempos de pandemia” busca organizar trabalhos voltados para uma reflexão sobre os efeitos sociais da pandemia da COVID-19 no Brasil e no mundo.

 A intenção é apresentar um panorama de textos de diferentes áreas do conhecimento e abarcando perspectivas teórico-metodológicas distintas, que fomentem discussões focalizadas principalmente na constituição de nossos corpos, gêneros e sexualidades em tempos de reconfigurações sociais desencadeadas pela pandemia da COVID-19.

 
Publicado: 2020-06-22 Mais...
 

Notícias: EAD, palavra proibida. Educação online, pouca gente sabe o que é. Ensino remoto, o que temos para hoje. Mas qual é mesmo a diferença? #livesdejunho...

 

Optamos neste texto pela narrativa autobiográfica e pelo lugar de fala de alguém que não separa a docência das práticas de pesquisa e investigação acadêmicas. Quando falamos (nós) incluímos aqui o GPDOC – grupo de pesquisa formação na cibercultura e nossas redes sociotécnicas mais intensas. Quando falo (eu), quero marcar minha itinerância pessoal na qual assumo total implicação de autoria e autorização, que passo bem longe de um “ego inflado”, ou mesmo “auto-promoção” como alguns leem narrativas autorias de quem assume “lugares de fala”.   Convido todos, todas e todes a uma viagem pelo tempo...Tempos de pesquisa e formação na cibercultura por nós vivenciados e praticados. (Santos, 2005, 2014, 2019).

 
Publicado: 2020-06-21 Mais...
 

Notícias: “Flash Mobs”: ativismo juvenil no caso George Floyd #BlackLivesMatter

 
Estamos vivenciando diversas experiências sociais, econômicas, ambientais e políticas que, por sua relevância, resolvemos apresentar, problematizando ações capazes de nos ajudar a compreender de modo mais efetivo as complexidades com que a realidade nos desafia.  
Publicado: 2020-06-11 Mais...
 

Notícias: O “novo normal” em tempos de pandemia: A sociedade capitalista em questão

 
A pandemia do novo coronavírus modificou, de maneira e inevitávelmente perdurável, inúmeras estruturas e convenções sociais, econômicas, culturais e, até mesmo, linguísticas. Assim, a realidade que conhecíamos antes do início da pandemia, em janeiro de 2020, faz parte de uma roupagem de passado que não nos serve mais agora. Nossos olhares e atenção precisam se voltar para o que vivemos hoje, em um presente permeado de angústias, medo, insegurança, ansiedade e perspectivas e expectativas de futuro; de um futuro que se mostra absolutamente imprevisível.  
Publicado: 2020-06-09 Mais...
 

Notícias: #livesdemaio... Educações em tempos de pandemia

 
O texto em forma de ensaio livre tem como objetivo abordar o fenômeno das lives praticadas principalmente no mês de maio de 2020, no período da quarentena da covid-19 no Brasil. Compartilha e comenta as lives sobre educação e cibercultura, mais especialmente sobre educação online de autoria da professora doutora Edméa Santos (PPGEDUC/GPDOC/UFRRJ), que fizeram parte de diferentes eventos científicos online. Partilhamos este acervo porque entendemos que seu conteúdo é um case de divulgação científica autorizado sobre o tema da educação online e da educação a distância (EAD), uma vez que seu conteúdo é fruto de pesquisas científicas sobre o tema, pesquisas essas publicadas em diferentes canais de difusão cientifica. O formato das lives extrapola o da comunicação entre pares, pois pode atingir diferentes públicos em razão da comunicação didática de conteúdos científicos em formato de vídeo para audiência síncrona e assíncrona.  
Publicado: 2020-06-02 Mais...
 

Notícias: Revisitando os Museus na Pandemia: sobre Educação Museal Online e Cibercultura

 
A pandemia de COVID-19, causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), tem provocado importantes mudanças em nossas vidas, afetando de maneira significativa nossas experiências familiares, laborais e também de educação, cultura e lazer.  
Publicado: 2020-05-30 Mais...
 

Notícias: Fake News e os Desafios da Educação na Contemporaneidade

 

O advento das redes sociais, no início deste século 21, possibilitou a transposição de inúmeras formas de interações interpessoais decorrentes da vida offline para vida online. Indivíduos reelaboraram constantemente suas formas de se relacionar com o tempo e o espaço, criando novas maneiras de socialização em rede. A interação permitida pelo uso de dispositivos e as potencialidades das tecnologias de informação de comunicação contribuem para repensar as dinâmicas sociais, de modo que...

 
Publicado: 2020-04-28 Mais...