Viagem espacial pelo MAST: narrativas para e com o público infantil

2024-05-15

Autoria: Isabel Aparecida Mendes Henze; Patrícia Figueiró Spinelli; Laura Milene Santos e Silva 

Apresentamos, nesta contribuição, um recorte do processo de criação, desenvolvimento e realização de uma ação educativa no Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), visando às audiências cada vez mais exigentes e, especificamente, o público infantil, pouco contemplado nos museus. Esta ação, carinhosamente batizada de “Viagem Espacial pelo MAST”, foi desenvolvida para e com as crianças que visitam o Museu aos fins de semana com suas famílias. Ela integra as ações práticas e de pesquisa do Projeto Público Infantil em Museus de Ciência, realizado pela Coordenação de Educação em Ciência do MAST e coordenado pela Dra. Patrícia Figueiró Spinelli. O nome faz alusão ao espaço museal e também ao espaço sideral, que se apresenta como tema de grande interesse das crianças.

A concepção desta da ação passou por um longo período de elaboração, conduzido por uma equipe de pedagogas e da astrônoma. Seu roteiro também foi discutido com a equipe de educadores e pesquisadores do setor educativo, para então, estrear em novembro de 2022 em formato piloto, exclusivamente para as crianças do corpo de colaboradores e colaboradoras do MAST. Nesse mesmo mês, após os devidos ajustes, a ‘Viagem Espacial pelo MAST’ foi realizada com as famílias que visitam o Museu de forma espontânea1. No ano seguinte, a ação foi ofertada por duas vezes.

Trabalhamos com um grupo de 15 a 20 crianças em cada ação realizada, que é desenhada levando em conta temáticas que estão no centro das discussões e reflexões sobre museus e infância. A equipe “buscou referências que problematizem, discutam e percebam a criança como construtora de sua própria cultura” (Mendes-Henze e Valente, 2017, p.77), integrando às questões que envolvem a Educação Museal, o Público Infantil e a Alfabetização Científica para as crianças a partir da temática da Astronomia.

Nesta confluência, procuramos promover a Alfabetização Científica para a primeira infância, aqui considerada de 3 a 6 anos, respeitando suas especificidades, levando em conta a diversidade, e contribuindo e desenvolvendo atividades estruturadas para e com as crianças.

Aqui, entendemos a alfabetização científica “como processo e a criança como sujeito inserido em um contexto social” (Marques e Marandino, 2018, p.3).

Para dar conta do desafio de acolher crianças desta faixa etária em espaços adultocêntricos, como são os museus, buscamos, por meio de diferentes linguagens artísticas (teatral, musical, corporal, literária), motivar a expressão das crianças,; estimular a curiosidade pelo Universo; afetar, ser afetado e se conectar com a cultura infantil.

Julgamos pertinente destacar que, para além da Astronomia, outras áreas de conhecimento também são valorizadas, como por exemplo, a Antropologia e a História da Ciência. Assim, propomos um repertório científico e cultural contextualizado, com momentos únicos de descoberta e partilha, que reúnam a ciência e a tecnologia que está contida em nosso cotidiano, atuando em consonância com as ideias de Lopes (2019, p.71) sobre a importância de, nos espaços museológicos, se ir além da contemplação e proporcionar “uma experiência estética significativa, onde a criança possa relacionar aquilo que vê com o que já acontece no seu cotidiano”.

O percurso da ‘Viagem Espacial pelo MAST’ é temático e atualizado para evidenciar assuntos ou pontos do Museu que possam despertar interesse dos pequenos visitantes. Até o momento, realizamos a temática ‘O Meu Céu Preferido’ e ‘O Céu Ticuna’. Novos temas continuam a ser estudados e pesquisados, bem como os recursos e linguagens artísticas que possibilitem que crianças que retornem ao MAST participem de uma nova ‘Viagem Espacial’.

A partir da ideia central de percorrer os espaços do MAST, a ‘Viagem Espacial’ conta com três momentos distintos, intitulados de ‘Estações Brincantes’ - referência e licença poética acerca da ocupação das crianças e seus corpos brincantes, como proposto por Antônio Nóbrega, porém no espaço museal2. O roteiro foi cuidadosamente construído, com atenção ao tempo de duração de cada uma das três Estações Brincantes, e faz parte dessa viagem aproveitar cada Estação, a compreensão do tempo de cada criança, o respeito à primeira infância, ao seu protagonismo e as suas necessidades. A ação traz todo o campo simbólico de uma viagem espacial para este Museu de Ciências - um percurso que reforça o imaginário. Com este intuito, escolhemos iniciar com movimentos corporais, seguir por um momento livre de fruição, para então finalizar uma oficina que utiliza as artes plásticas como linguagem, perfazendo uma hora e meia, assim distribuídas:

Primeira Estação Brincante – Conversa e registro do grupo de crianças e adultos participantes em frente ao vitral da musa Urânia, ponto de apelo estético para aqueles que visitam o MAST. Neste momento, utilizamos a fotografia como linguagem visual – “escrever com a luz”. Seguimos com a familiarização de temas relacionados à observação do céu e ao Sistema Solar, que são facilitadas pela contemplação do vitral. Após, já no hall do prédio do MAST, por meio da linguagem corporal, realiza-se uma sensibilização sensorial com a dança, ciranda, roda e com a música. O foco está nas possibilidades do corpo e na prática coletiva - o corpo à disposição da brincadeira.

Segunda Estação Brincante - Momento livre para se apropriar do espaço museal, provocar a curiosidade infantil (momento de exploração e de descobertas) por meio da arquitetura do MAST (expressão estética), lanchar, ir ao banheiro ou, simplesmente, fazer uma pausa.

Terceira Estação Brincante – Momento para realização de oficina de artes plásticas temática ‘O Meu Céu Preferido’ ou ‘O Céu Ticuna’. Nesse momento são utilizadas as linguagens visuais, com a projeção do céu da cidade do Rio de Janeiro a partir do software Stellarium, ou o vídeo que aborda o movimento da constelação “A Briga da Onça e do Tamanduá” da etnia Ticuna. O objetivo é articular os saberes trazidos pelas crianças com os conceitos de Astronomia, abordados na Primeira Estação Brincante, e realizar uma produção artística. São distribuídos materiais para cada criança desenhar em acetato o seu céu predileto ou a constelação da Onça e do Tamanduá que, posteriormente, com auxílio dos responsáveis, será projetado nas paredes e no teto.

Figura 1 - Primeira Estação Brincante: Roda com crianças e responsáveis inspirada em brincadeira do povo Ticuna

                                                                      NnYpDqj.jpeg

                                                                      Fonte: acervo do projeto, 2023

Ao mesmo tempo, que ocorre a mediação, uma educadora e pesquisadora em formação, observa a atividade buscando compreender: quais são os elementos fundamentais para recepção e acolhimento desse público?; quais os pontos do MAST são mais atraentes?; quais materiais, artefatos e objetos são mais interessantes para o público infantil, levando em consideração a temática deste museu?. As observações realizadas são articuladas com as novas ações ofertadas. Ainda em busca dessas respostas, nós, educadoras e pesquisadoras do Projeto Público Infantil em Museus de Ciência, estamos em processo de realização de entrevistas com as crianças participantes e seus responsáveis. Esta pesquisa, embora complexa devido a faixa etária das crianças, irá nos apontar como as ações podem contribuir ou não para o processo deAlfabetização Científica das crianças participantes.

Acima de tudo, esperamos que esta atividade permita o encontro das crianças com a imaginação e com o prazer das descobertas. E nós, enquanto educadoras museais e pesquisadoras, possamos tecer coletivamente uma prática cuidadosa, uma conexão com os diferentes referenciais teóricos sobre a infância, com a cultura infantil e incorporar essa aprendizagem na mediação da 'Viagem Espacial pelo MAST'.

Notas: 

1 - Para participar da ação, o Serviço de Comunicação realizou a sua divulgação na página do MAST e mídias digitais, sendo solicitado às famílias interessadas que preenchessem um formulário de pré-inscrição com informações pertinentes à criança participante. Já na primeira oferta da ‘Viagem Espacial pelo MAST’, a procura ultrapassou às vagas ofertadas em mais de 5 vezes. Além disso, foram cerca de 1000 “likes” na postagem promocional da ação no Instagram, em menos de 24h. Esta expressão de interesse ilustra o interesse por ações com este público.

2- Ao dançar, declamar, cantar, encenar, o corpo brincante de Antônio Nóbrega expressa uma arte, ligada ao movimento armorialista, que produz e é, ao mesmo tempo, produzida pela cultura”. Dessa forma, buscamos na constelação de linguagens artísticas do Brincante Nóbrega, a inspiração e uma licença poética para as “Estações Brincantes” da Viagem Espacial pelo MAST. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/. Acesso em: 24 nov. 2022

Referências:

LOPES, Thamiris B. Outras formas de conhecer o mundo: educação infantil em museus de arte, ciência e história. Rio de Janeiro, 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio).

MARQUES, Amanda Cristina T. L., MARANDINO, Martha. Alfabetização científica, criança e espaços de educação não formal: diálogos possíveis. In: Educ. Pesqui., São Paulo, 44, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/C3jHPnH8nQ47vp6fQ7mrdDb/abstract/?lang=pt. Acesso em: ago. de 2022.

MENDES-HENZE, Isabel e VALENTE, Esther. Mediação para o público infantil no MAST. Anais do XI SIMPOED, UFOP - Mariana MG, p.70-84, out. 2017. Disponível em: http://www.simpoed.ufop.br/images/documentos/anais_XISIMPOED_2017.pdf

Sobre a autoria:

lVtXnOZ.jpeg Isabel Mendes é Professora, Pedagoga e Educadora Museal. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestra em Educação Profissional em Saúde pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) e Doutora em Educação (PUC-Rio). Integra o Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação, Museu, Cultura e Infância (GEPEMCI) e atua como docente nos Cursos de Extensão: Mediação e Público Infantil em Museus; Infância, Cultura, Educação e Estética, também da PUC-Rio. Atualmente é pesquisadora colaboradora do Projeto Público Infantil em Museus de Ciência da Coordenação de Educação em Ciência (COEDU) do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST).  Faz parte da Rede de Educadores em Museus (REM-RJ e REM-BR) e da Rede de Primeira Infância em Museus (Rede PIMu).  

gP8jrfB.jpg Patrícia Figueiró Spinelli é graduada em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2004), mestre em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2007) e doutora em Astrofísica pela Ludwig-Maximilians-Universität e International Max Planck Research School on Astrophysics (LMU, IMPRS, 2011). Realizou estágio de pós-doutorado no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP, 2013). Tem experiência na área de Astrofísica, com ênfase em Lentes Gravitacionais Fracas, Cosmologia e Astrofísica Extragaláctica. Atua na área de divulgação em ciências, em especial Astronomia, sendo membro fundador do Programa GalileoMobile. Atualmente é pesquisadora titular do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST, desde 2013), coordenadora adjunta externa do curso de Pós-graduação Lato Sensu em Divulgação e Popularização da Ciência (ESPDPC, desde 2014) e professora do Mestrado em Divulgação da Ciência, da Tecnologia e da Saúde (PPGDCST, desde 2016), ambos da Fiocruz/MAST/Jardim Botânico/Casa da Ciência/CECIERJ. É também a coordenadora brasileira do Portuguese Language Expertise Centre of Astronomy for Development da União Internacional de Astronomia (PLOAD-IAU desde 2015). Integra a Rede Primeira Infância em Museus, coletivo que reúne instituições museais e de ensino (PIMu, desde 2022) e a Rede Mulheres em STEM-Rio de Janeiro (MSTEM-RJ, desde 2020).

Us585eR.jpeg Laura Milene é graduanda de Pedagogia na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), pelo CEDERJ; atuou como professora de ballet infantil, iniciante e intermediário. Atualmente é integrante do Projeto Público Infantil em Museus de Ciência, tendo recebido menção honrosa na XXVIII Jornada de Iniciação Científica / PIBIC com o trabalho “Astronomia Mirim: Interação entre crianças, museus, céu e estrelas”. 

Como citar este artigo: 

HENZE, Isabel Aparecida Mendes; SPINELLI, Patrícia Figueiró; SANTOS e SILVA, Laura Milene. Viagem espacial pelo MAST: narrativas para e com o público infantil. Notícias, Revista Docência e Cibercultura, maio de 2024, online. ISSN: 2594-9004. Disponível em: < >. Acesso em: DD mês. AAAA.

Editores/as Seção Notícias:

Frieda Maria Marti, Felipe CarvalhoEdméa SantosMarcos Vinícius Dias de Menezes e Mariano Pimentel