Revista Sustinere

A Revista SUSTINERE (SUST) tem por objetivo a publicação de contribuições nacionais e internacionais acadêmicas, técnicas e científicas que articulem temas interdisciplinares e transdisciplinares relativos à Saúde e Educação em suas interfaces com a sociedade, a ciência, o meio ambiente e a tecnologia. São aceitos artigos em português, inglês e espanhol.

e-ISSN: 2359-0424 | Ano de criação: 2013 | Área do conhecimento: Multidisciplinar | Qualis: B1 (Ensino), B4 (Enfermagem; Interdisciplinar), B5 (Arquitetura, Urbanismo e Design; Ciências Ambientais; Engenharias I; Engenharias III), C (Biodiversidade)


SUSTINERE: Revista de Saúde e Educação

Endereços para contato: SUSTINERE – Revista de Saúde e Educação

EMAIL: sustinere.ouerj@gmail.com

Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - EdUERJ
Rua São Francisco Xavier, 524 , Setor -E,
Maracanã. CEP: 20550-900
Tel.: 2334-0720 – Rio de Janeiro/RJ

 
(Clique na logo para ver nossa classificação)



SUSTINERE
nas redes sociais:
  Resultado de imagem para blogger icon  Resultado de imagem para facebook icone

 

Para acessar a edição atual clique aqui.

 

Notícias

 

'Fiquei em coma, meus rins pararam e quase morri por infecção urinária'

CRÉDITO,GETTY IMAGES Legenda da foto, Um dos principais sintomas é a dificuldade para controlar o xixi, mas muitos pacientes são assintomáticos "Tem que ser muito filha de uma p* para vir 1 da manhã no pronto socorro por conta de uma infecção urinária viu (sic). Não tem outra expressão para descrever". O comentário acima, postado no Twitter durante o fim de semana por um perfil de uma médica que se identifica como sendo de Rondônia, viralizou, chocando e enfurecendo usuários. Mas para a carioca Luciane Almeida, de 35 anos, trouxe à tona...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-25Mais...
 

Varíola dos macacos: como prevenir e tratar

CRÉDITO,SCIENCE PHOTO LIBRARY Legenda da foto, Mais países notificaram casos de varíola dos macacos, que é semelhante à varíola, mas menos severa e menos infecciosa A varíola dos macacos acendeu uma luz de alerta entre a comunidade médica, com mais casos sendo notificados ao redor do mundo. Segundo o serviço de saúde pública do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês), geralmente leva entre cinco e 21 dias para que os primeiros sintomas apareçam. São eles: febre alta, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, linfonodos inchados,...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-25Mais...
 

Por que cientistas estão congelando animais de espécies ameaçadas

Legenda da foto, Veterinários do zoológico de Chester coletam amostra de tecido de um lóris-amor-amor, ave tropical ameaçada “Ele se foi”, murmura a veterinária Gabby Drake, do zoológico de Chester (Inglaterra), enquanto segura o estetoscópio junto ao peito de um papagaio vermelho de 28 anos. O pássaro é um lóris-amor-amor (Lorius garrulus), um idoso residente no zoológico de Chester e uma espécie listada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como vulnerável à extinção. É triste ver uma ave cheia de...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-25Mais...
 

Varíola

Diagnóstico diferencia Varíola Vaccinia generalizada Zoster disseminado Catapora Eczema herpético Herpes simples disseminado Sífilis Bouba Sarna Rickettsiapox Sarampo Infecções bacterianas da pele Erupção associada a drogas Prognóstico Existem dois clados distintos do vírus da varíola dos macacos. O clado da África Ocidental tem um prognóstico mais favorável com uma taxa de letalidade abaixo de 1%. Por outro lado, o clado da Bacia Central (clado da África Central) é mais letal, com taxa de letalidade de até 11% em crianças não vacinadas....

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-24Mais...
 

Como se transmite a varíola dos macacos, que tem 90 casos confirmados em 12 países

CRÉDITO,SCIENCE PHOTO LIBRARY Legenda da foto, Partícula do vírus da varíola do macaco; OMS detectou cerca de 80 casos em 12 países A varíola dos macacos foi confirmada, até o momento, em 92 pacientes em ao menos 12 países, segundo boletim de sábado (21/5) da Organização Mundial da Saúde (OMS). Outros 50 casos estão sob investigação, e a OMS acredita que novas notificações devem surgir nos próximos dias. A doença rara e pouco conhecida, até recentemente restrita a regiões remotas da África Ocidental e Central, foi identificada em nove...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-23Mais...
 

Varíola dos macacos: qual a diferença da doença para a varíola humana, erradicada há 40 anos

CRÉDITO,GETTY IMAGES O surgimento de vários surtos de varíola dos macacos nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e vários países da Europa trouxe à memória da humanidade a terrível doença que durante séculos arrasou vidas. A varíola é uma das doenças mais mortais que já existiu, e estudos sobre múmias egípcias sugerem que ela pode estar circulando entre nós há pelo menos 3 mil anos. Felizmente, a varíola se tornou a primeira doença erradicada da história há mais de 40 anos, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) certificou seu fim em...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-23Mais...
 

Catarata: 'Achei que ficaria cega, mas cirurgia no SUS devolveu minha visão'

CRÉDITO,CLAUDIO CRUZ/GETTY IMAGES Legenda da foto, Mais comum na população idosa, doença é uma das principais causas de cegueira no mundo Aos 80 anos, a mineira Ana de Oliveira já tinha "aceitado" que as alterações que vinha percebendo na visão eram sinal de que o tempo estava passando. Até que um dia chegou à conclusão de que tudo tinha ficado embaçado demais. "Eu fechava e abria os olhos para conferir, e era como se visse as figuras 'amolecendo', não reconhecia nada. Fiquei assustada", lembra. Eram os efeitos da catarata, doença...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-23Mais...
 

Resultados da denervação seletiva para rizartrose

A rizartrose é extremamente comum, com prevalência estimada em 15% dos pacientes acima de 30 anos e 85% em pacientes entre 71 e 80 anos. Isso se deve às cargas repetitivas que a articulação é submetida com atividades da vida diária e o diagnóstico é feito baseado em sintomas, exame físico e radiografias. O tratamento inicial dessa patologia é conservador, com analgésicos, anti-inflamatórios, ortetização e até infiltração com corticoesteroides. Entretanto, muitas das vezes o tratamento cirúrgico é necessário e pode ser realizado de uma série de...

(Para continuar a ler a notícia, clique em "Mais...")
Publicado: 2022-05-20Mais...