PRINCÍPIOS DO DESENHO DIDÁTICO DA EDUCAÇÃO ONLINE

Mariano Pimentel

Resumo


No presente artigo, narro as ações e pesquisas que realizei para modificar o desenho didático de uma disciplina ofertada na modalidade a distância, inicialmente baseado no modelo de educação massiva e instrucionista induzido pela atual política de EAD. Ao longo de uma década, fui transformando o desenho didático da disciplina buscando promover uma educação online, baseada nas práticas da cibercultura. Apresento seis princípios que guiaram as ações efetivadas na disciplina, e discuto o que alunos e tutores disseram sobre as experiências vivenciadas na disciplina. Como resultado das ações, ficamos fora da lei (por abolirmos as provas presenciais) e modificamos as funções atribuídas aos professores-tutores presenciais (que não receberam a mais para exercer as novas funções). As transgressões, realizadas com o empenho de todos, denunciam a necessidade de mudanças no sistema de educação a distância de nosso país para viabilizar desenhos didáticos alternativos. Além de suscitar mudanças políticas, espero que o caso aqui relatado também possa inspirar outros docentes a repensar o desenho didático e suas práticas na modalidade a distância.


Palavras-chave


Desenho Didático; Educação a distância; Educação online; Cibercultura

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês B.; ALVES, Nilda (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis, RJ: DP et Alii, 2001, p. 13-38.

AMARAL, Mirian M. Autorias textuais e imagética em redes de aprendizagem online - produções docentes e discentes. Novas Edições Acadêmicas, 2016.

AMARAL, Mirian Maia; VELOSO, Maristela Midlej Silva de Araujo; ROSSINI, Tatiana Stofella Sodré. A autoria coletiva no contexto da educação em tempos de cibercultura. Sociedade Brasileira de Computação, 2018. (Série Informática na Educação). Disponível em:

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

BASSANI, Patrícia Scherer; MAGNUS, Emanuele Biolo; WILBERT, Berta. A curadoria digital on-line e o processo de formação do professor-autor: experiências de autoria em/na rede. Interfaces Científicas-Educação, v. 6, n. 1, p. 93-106, 2017.

BELLONI, Maria L. Educação a distância. 6. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto Federal nº. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 30 abr 2018.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CORTELLA, Mário Sergio; DIMENSTEIN, Gilberto. A Era da Curadoria: o que importa é saber o que importa! (Educação e formação de pessoas em tempos velozes). Campinas, SP: Papirus 7 Mares, 2015.

DAUDT, Sônia I. D.; BEHAR, Patricia A. A gestão de cursos de graduação a distância e o fenômeno da evasão. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 36, n. 3, p. 412-421, set./dez. 2013.

FAGUNDES, Léa C.; SATO, Luciane S.; LAURINO, Débora P. Aprendizes do futuro: as inovações começaram! Coleção Informática para a mudança na Educação. Brasília, MEC, 1999. Disponível em: Acesso em: 02 abr. 2018.

FAVERO, Rute V. M. Dialogar ou evadir: Eis a questão!: um estudo sobre a permanência e a evasão na educação a distância. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

FUKS, Hugo et al. Teorias e modelos de colaboração. In: PIMENTEL, Mariano; FUKS, Hugo (Org.) Sistemas Colaborativos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011, p.16-33.

FUNDAÇÃO CECIERJ. Funções e atribuições vinculadas ao Consórcio CEDERJ. Rio de Janeiro, 2008 [Documento interno].

LAPA, Andrea; PRETTO, Nelson De Luca. Educação a distância e precarização do trabalho docente. Em Aberto, Brasília, v. 23, n. 84, p.79-97, nov. 2010.

LEMOS, A. Cibercultura como território recombinante. In: MARTINS, C. D. et al. (Org.) Territórios recombinantes: arte e tecnologia – debates e laboratórios. São Paulo: Instituto Sérgio Motta, 2007. p.35-48.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Ed.34, 1993.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed.34, 1999.

LUCENA, Carlos J. P.; FUKS, Hugo. Tecnologias de Informação Aplicadas à Educação (TIAE): Manual do Aprendiz. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2002.

MACEDO, Roberto S. Atos de currículo e autonomia pedagógica: o socioconstrucionismo curricular em perspectiva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MARQUES, Aline M.; PIMENTEL, Mariano; SIQUEIRA, Sean W. M. Aprendizagem colaborativa baseada em projeto com o uso de blog: relato de uma experiência na Licenciatura em Pedagogia a distância. In: MORAES, Marco A.; OLIVEIRA, Olívia C. (Org.). Tecnologia, linguagens e educação: buscando diálogos, partilhando experiências. Seropédica - RJ: Ed. UFRRJ, 2011, p. 30-40.

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria; PIMENTEL, Mariano. Sistemas colaborativos para uma nova sociedade e um novo ser humano. In: PIMENTEL, M.; FUKS, H. (Org.). Sistemas colaborativos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. p. 3-15.

RIBEIRO, Mayra R. F.; CARVALHO, Felipe S. P.; SANTOS, Rosemary. Ambiências híbridas-formativas na educação online: desafios e potencialidades em tempos de cibercultura. Revista Docência e Cibercultura, v. 2, n. 1, p. 1-13, 2018.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. Pia Sociedade de São Paulo-Editora Paulus, 2014.

SANTOS, Edméa Oliveira; CARVALHO, Felipe Silva Ponte; PIMENTEL, Mariano. Mediação docente online para colaboração: notas de uma pesquisa-formação na cibercultura. ETD-Educação Temática Digital, v. 18, n. 1, p. 23-42, 2016.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In: SILVA, Marco; PESCE, Lucila; ZUIN, Antonio (Org.). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak Ed, p. 29-48, 2010.

SANTOS, Edméa; SILVA, Marco. O desenho didático interativo na educação online. Revista Iberoamericana de Educación, v. 49, p. 267-287, 2009.

SANTOS, Rosemary; RIBEIRO, Mayra R.F., CARVALHO, Felipe S.P. Educação Online: aprenderensinar em rede. Sociedade Brasileira de Computação, 2018. (Série Informática na Educação). Disponível online:

SIEMENS, George. Uma breve história da aprendizagem em rede. 2008. Disponível em . Acesso em: 02 abr. 2018.

SILVA, Marco. Paulo Freire, Vygotsky, Freinet, Dewey e Anísio Teixeira usariam o WhatsApp! In: PORTO, Cristiane; OLIVEIRA, Kaio E.; CHAGAS, Alexandre. Whatsapp e educação: entre mensagens, imagens e sons. Salvador: EDUFBA, 2017, p.15-26.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. 2. ed. Quartet: Rio de Janeiro, 2000. [6 ed., São Paulo: Edições Loyola, 2012].

TORRES, Patrícia L.; IRALA, Esrom A. F. Aprendizagem colaborativa: teoria e prática. In: TORRES, Patrícia L. (Org.) Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento [Coleção Agrinho]. Curitiba: SENAR - PR, 2014. p.61-94.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2018.36409

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.