CONVERSAÇÕES EM AULA: UMA ANÁLISE DAS DINÂMICAS CONVERSACIONAIS DE AULAS REMOTAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.70782

Palavras-chave:

conversação em aula, formação continuada de professores, Análise da Conversação, aula remota, videoconferência

Resumo

Neste artigo, por meio de uma abordagem teórico-metodológica baseada na Análise da Conversação, analisamos quantitativamente as conversas realizadas por videoconferência em um curso remoto de formação continuada ofertado em 2022 em uma universidade federal. O corpus de análise desta pesquisa consistiu nos vídeos-registros dos 15 encontros remotos realizados em três turmas, totalizando 45 vídeos, cada um contendo aproximadamente o registro de duas horas de conversa. Analisamos alguns desses registros para compreender as dinâmicas de conversação empregadas em aulas remotas. Medimos o tempo de fala de cada participante, comparamos o tempo de fala do professor em relação ao tempo de fala das/os estudantes, e caracterizamos como os turnos ocorreram ao longo de sessões de aula remota. Analisamos a conversação em função de dois aspectos: se o professor falou muito mais que as/os cursistas, e se todas/os as/os cursistas participaram da conversa. Identificamos empiricamente, através de uma abordagem indutiva, a realização de quatro dinâmicas de conversação: conversação focada no/a professor/a, conversação livre, conversação em fila e conversação em grupo. Argumentamos, a partir das análises apresentadas, que a promoção ou inibição da conversação nas aulas é um projeto, pois depende principalmente da dinâmica conversacional empregada na situação didática proposta pelo/a professor/a.

Biografia do Autor

Mariano Pimentel, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Doutor em Informática, professor no Departamento de Informática Aplicada da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro)

Felipe Carvalho, Universidade Estácio de Sá (UNESA)

Doutor em Educação, professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESA (Universidade Estácio de Sá). É bolsista de pós-doutorado CNPq/Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Tocantins (FAPT-TO) pela Universidade Federal de Tocantins (processo nº 151075/2023-9.). 

Referências

BAKHTIN, M. M. O problema dos gêneros discursivos. In: Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra . São Paulo: Martins Fontes. 2003.

BARBOSA, Christiane Jaroski; BORBA, Mari Teresinha Panni. Silêncio dentro da sala de aula. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, n. 20, p. 83-98, 2011. Disponível em: <https://doi.org/10.9771/2317-1219rf.v0i20.3611>. Acesso em: 14 out. 2022.

CARVALHO, Felipe; PIMENTEL, Mariano. DESCULPA A INTERRUPÇÃO, PROFESSOR, EU NEM SEI SE EU PODERIA TE INTERROMPER: QUAIS OS SENTIDOS DA CONVERSAÇÃO EM AULA?. Periferia, v. 14, n. 3, p. 127–148, 2022. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/periferia/article/view/70850. Acesso em: 11 dez. 2023.

CORONA, M. del. Fala-em-interação cotidiana e fala-em-interação institucional: uma análise de audiências criminais. In: LODER, Letícia Ludwig; JUNG, Neiva Maria. Análises de fala-em-interação institucional: a perspectiva da Análise da Conversa Etnometodológica. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009. p. 13-44.

DICTATION. Dictation – Frequently Asked Questions. Disponível em: <https://dictation.io/help>. Acesso em: 14 out. 2022.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FRAZÃO, Elisiane Araújo dos Santos; LIMA, Veraluce da Silva. Análise da conversação no Brasil: os desdobramentos de um campo de formação multidisciplinar. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 622-637, ago./dez. 2017. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321.7.7.2.622-637>

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

GARCEZ, P. M. A organização da fala-em-interação na sala de aula: controle social, reprodução de conhecimento, construção conjunta de conhecimento. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 4, n. 1, p. 66-80, jan./abr. 2006.

GUMPERZ, John J. (Org.). Language and Social Identity. Cambridge University of Press, 1982.

HARPER, Babette; CECCON, Claudius; OLIVEIRA, Miguel Darcy; OLIVEIRA, Rosiska Darcy. Cuidado, Escola!: Desigualdade, domesticação e algumas saídas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1980.

MARCUSCHI, Luís Antônio. Análise da Conversação. São Paulo: Editora Ática, 1986.

MELO, Marcia Cristina Henares; CRUZ, Gilmar Carvalho. Roda de conversa: uma proposta metodológica para a construção de um espaço de diálogo no ensino médio. Imagens da Educação, v. 4, n. 2, p. 31-39, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.4025/imagenseduc.v4i2.22222>. Acesso em: 11 out. 2022.

OUTLIER. In: Wikipedia, The Free Encyclopedia. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Outlier>. Acesso em: 14 out. 2022.

PIMENTEL, Mariano; CARVALHO, Felipe. Princípios da Educação Online: para sua aula não ficar massiva nem maçante! SBC Horizontes, maio 2020. Disponível em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/05/23/principios-educacao-online>. Acesso em: 14 out. 2022.

PIMENTEL, Mariano; CARVALHO, Felipe. Cibertecnicismo. Revista de Educação Pública, v. 31, jan/dez, p. 1-22, 2022. Disponível em: <https://doi.org/10.29286/rep.v31ijan/dez.13919>. Acesso em: 14 out. 2022.

PIMENTEL, Mariano; CARVALHO, Felipe; MADDALENA, Tania Lucía. Ocho principios de la Educación en Línea para la formación del professorado. Revista de Estudios y Experiencias en Educación (REXE), v. 22, n. 49, p.269-283, 2023.

REZENDE, Juliana L. Aplicando técnicas de comunicação para a facilitação de debates no ambiente AulaNet. Dissertação (Mestrado em Informática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), março 2003.

SACKS, H.; SCHEGLOFF, E.; JEFFERSON, G. A Simplest Systematics for the Organization of Turn Taking for Conversation. Tradução de Maria Clara Castellões de Oliveira e Paulo Cortes Gago. Langue, v. 50, n. 4, p. 696-735, 1974. Disponível em: <https://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2009/12/artigo14.pdf>. Acesso em: 14 out. 2022.

SANTOS, Edméa Oliveira dos. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal da Bahia (UFBA), 2005.

SILVA, Marco. Interatividade na educação híbrida. In: PIMENTEL, Mariano; SANTOS, Edméa; SAMPAIO, Fábio Ferrentini (orgs.). Informática na educação: interatividade, metodologias e redes. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. Disponível em: <https://ieducacao.ceie-br.org/interatividade>. Acesso em: 14 out. 2022.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Autêntica, 1999.

SILVA, Valleska; PIMENTEL, Mariano; DIAS, Vânia Maria. Bate-papo colaborativo ou centrado no professor? Anais do XXVI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2015), p. 1303-1312, out. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2015.1303>. Acesso em: 14 out. 2022.

SOUZA, Rainhany Karolina Fialho. Interação em sala de aula: análise do reparo e correção no processo de ensino aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Viçosa, 2018.

VALOR atípico. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2022. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Valor_atípico>. Acesso em: 14 out. 2022.

Downloads

Publicado

2023-12-13

Como Citar

PIMENTEL, Mariano; CARVALHO, Felipe. CONVERSAÇÕES EM AULA: UMA ANÁLISE DAS DINÂMICAS CONVERSACIONAIS DE AULAS REMOTAS. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 4, p. 94–116, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.70782. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/70782. Acesso em: 12 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>