Revista Maracanan

Revista Maracanan é a publicação científica editada pelo corpo docente do Programa de Pós-graduação em História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Seu primeiro número foi impresso em 1999; a partir de 2014, passou para o formato eletrônico; e, a partir de 2019, ganhou publicação quadrimestral, com edições em janeiro, maio e setembro. São bem-vindos trabalhos originais desenvolvidos por pesquisadores-doutores vinculados a instituições do Brasil e do exterior. Artigos, traduções, resenhas, entrevistas e notas de pesquisas, recebidos em fluxo contínuo, compõem cada número em conjunto com um dossiê.

e-ISSN: 2359-0092 | ISSN: 1807-989X | Ano de criação: 1999 - impresso, 2014 - eletrônico | Área do conhecimento: História | Qualis: B2 (História)


Submissões e Diretrizes para Autores

 

Próximos Temas:

23 (2020) - "História da propriedade e do direito de acesso"

Chamada: 1 fev. - 15 Set. 2019 | Publicação: jan. 2020.

24 (2020) - "A cidade e suas imagens"

Chamada: 1 set. - 30 dez. 2019 | Publicação: maio. 2020.

25 (2020) - Tema Livre / Sem Tema

Chamada: 1 jan. - 30 abr. 2020 | Publicação: set. 2020

Notícias

 

Edital de Seleção de Dossiês

 
Edital de Seleção de dossiês temáticos para as edições n. 26 (jan. 2021), n. 27 (maio 2021) e n. 28 (set. 2021).  
Publicado: 2019-08-15 Mais...
 

Edital de Seleção de Dossiê

 
Edital de Seleção de dossiê temático para a edição n. 25 (set. 2020)  
Publicado: 2019-08-15 Mais...
 

Chamada Aberta: Dossiê "A cidade e suas imagens"

 

A definição de “cidade” e “imagem” não é tarefa epistemológica simples e o cruzamento das apreensões já propostas pode levar a um labirinto tão desafiador quanto atraente. São duas coordenadas complexas, cujas relações desenham planos intrincados, exigindo uma abordagem multidisciplinar. Observadas a partir da modernidade, cidade e imagem também ensejaram reflexões sobre a subjetividade moderna e as novas formas de estar no mundo, interpretá-lo e representá-lo. Nesse sentido, as cidades em ampliação e transformação foram largamente fixadas em imagens cada vez mais várias e complexas, um processo que não ficou de fora do conjunto de interesses dos historiadores.

Na Europa, essas abordagens foram iniciadas nos anos 1960, pela Nova História Urbana, tendo Richard Sennett como figura mais proeminente, e pela História da Arte, com destaque para Giulio Carlo Argan. No Brasil, pesquisas dessa natureza ganharam força a partir dos anos 1980, convivendo com uma produção – naquele momento, mais vasta – a respeito das relações entre cidade e literatura. Eram, na sua maioria, reflexões sobre registros fotográficos realizados no início do século XX, no eixo Rio-São Paulo, como os trabalhos de Ana Maria Mauad, Vânia Carneiro de Carvalho e Charles Monteiro. Desde então, multiplicaram-se os enfoques, com uma seleção variegada de urbes, tipos de imagens e recortes cronológicos.  

O dossiê proposto se interessa por pesquisas que tenham esses encontros como foco. Em seu escopo, cabe qualquer cidade – real, imaginária e tudo que há entre os extremos –, pensada a partir de qualquer imagem (cartográfica, artística, fotográfica, cinematográfica, televisiva, midiática, digital).

Prazo para submissões: 31 dez. 2019.

Lançamento da edição: Maio 2020.


 
Publicado: 2019-08-15 Mais...
 

Chamada Prorrogada: Dossiê "História da Propriedade e do Direito de Acesso"

 

O dossiê temático número 23 da Revista Maracanan trará como tema central uma reflexão sobre a “História da Propriedade e do Direito de Acesso” nos séculos XVI-XIX. Assim, serão bem-vindas contribuições com foco em discussões teóricas, debates conceituais e estudos de casos relevantes. A propriedade pode ser pensada em suas diversas dimensões e sobre múltiplos aspectos, dentre os quais: a propriedade da terra ou de escravos, evidenciando nuances na forma de possuir; a propriedade intelectual; a cultura e o patrimônio; as tensões agrárias; etc. O período escolhido caracteriza-se por ser um momento de transição bastante complexo, fazendo conviver muitas formas de propriedade, não somente do ponto de vista jurídico, mas sobretudo das relações sociais estabelecidas por meio destas. Tal realidade pode ser observada em suas especificidades nas diferentes conjunturas temporais e geográficas, portanto, o dossiê intenta alargar o escopo, recebendo artigos que versem sobre o Brasil colonial e do século XIX, como também de outros contextos, como América hispânica e inglesa, África, Europa e Ásia,

Prazo para submissões: 15 set. 2019.

Lançamento da edição: Jan. 2020.

 
Publicado: 2019-08-15 Mais...
 
Outras notícias...

n. 21 (2019): Trabalhadores livres e escravizados no Mundo Atlântico


Capa da revista