EDUCAÇÃO MUSEAL ONLINE: A EDUCAÇÃO MUSEAL NA/COM A CIBERCULTURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2019.44589

Palavras-chave:

educação museal, cibercultura, educação museal online, SAE

Resumo

O presente artigo tem como objetivo narrar as principais transformações comunicacionais e educacionais geradas pelo rápido e intenso desenvolvimento das tecnologias digitais em rede (TDR) na contemporaneidade e discutir sua relação com a educação museal. O termo e noção ‘Educação Museal Online’ (EMO) é apresentado e sugerido como um novo modo de fazerpensar[1] ações educativas museais na/com a cibercultura, a partir dos referenciais teórico-epistemológicos da multirreferencialidade (Ardoino, 1998) e das pesquisas dos/nos/com os cotidianos (Alves, 2008, 2010; Certeau, 2014), assim como das experiências de práticas educativas museais online levadas a cabo pela primeira autora com/na Seção de Assistência ao Ensino do Museu Nacional/UFRJ, como parte de sua participação como professora colaboradora do setor e de sua pesquisa de doutorado em desenvolvimento no Programa de Pós-Graduação (PROPED) da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).


[1] Segundo OLIVEIRA e ALVES (2008, p. 11) a junção de termos e a sua inversão, em alguns casos, foi a forma das autoras mostrarem “os limites para as pesquisas nos/dos/com os cotidianos, do modo dicotomizado criado pela ciência moderna para analisar a sociedade”.

Biografia do Autor

Frieda Maria Marti, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Biologicas (Licenciatura) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Mestrado em Zoologia (Ornitologia) pelo Museu Nacional/UFRJ. Possui pós-graduação e experiência na área de Educação no Reino Unido e Brasil, com ênfase no uso de Novas Tecnologias na Educação e Educação de Adultos. Docente online da disciplina "Informatica na Eduação" do curso de Pedagogia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro vinculado ao CEDERJ. Desenvolve pesquisas nas áreas de Cibercultura e Educação em Museus de História Natural e de Ciências. Doutoranda do Programa de Pós Graduação da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PROPED/UERJ). Integrante do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GpDOc) da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, coordenado pela Profa Dra Edmea Santos.

Edméa Oliveira dos Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Professora Titular-Livre da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Atua no Instituto de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDUC), na linha de pesquisa " Linha 1: Estudos Contemporâneos e Práticas Educativas". Durante o período de 2007 a 2018, foi professora Adjunto da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), atuando na Graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PROPED/UERJ) (onde colabora, junto à linha de pesquisa "Cotidianos, redes educativas e processos culturais". Professora da disciplina Informática na Educação no curso de Pedagogia a Distância UERJ/CEDERJ. Editora-chefe da Revista Docência e Cibercultura. Pedagoga pela UCSAL, mestre e doutora em Educação pela UFBA. Pós-doutora em e-learning e EAD pela UAB-PT, onde colabora esporadicamente no MPEL - Mestrado em Pedagogia do e-Learning . Líder do GPDOC - Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura. Membro do Laboratório de Imagem da UERJ. Coordenadora do GT 16 - "Educação e Comunicação" da ANPED - Associação Brasileira de Pesquisa em Educação , vice-presidente da ABCIBER - Associação de Pesquisadores em Cibercultura. Atua na formação inicial e continuada de professores e pesquisadores. Áreas de atuação: "Educação e Cibercultura, Pesquisa e Práticas Pedagógicas, Formação de Professores, Currículos: teorias, práticas e políticas, Informática na Educação, Educação Online , EAD

Referências

ALVES, Nilda. Tecer conhecimento em rede. Em: ALVES, Nilda e GARCIA, Regina Leite (Orgs.). O sentido da escola. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p.26-38.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. Em: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

ALVES, Nilda. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. Educação & Sociedade, Campinas: CEDES, v. 31, n. 113, p. 195-212, out./dez., 2010.

ARDOINO, Jacques. Abordagem multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. Em: BARBOSA, Joaquim. (org.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EdUFSCar, 1998.

BARBOSA, Andrea Lombardi. Museu 2.0: Como a tecnologia pode influenciar o público nos museus de arte da cidade de São Paulo. Congresso Iberoamericano de Ciencia, Tecnologia, Innovacion y Educación, Articulo 815, p. 1-17. Disponível em: < https://www.oei.es/historico/congreso2014/memoriactei/815.pdf>. Acesso em: 12 ago 2019.

BAUTISTA, Susana Smith. Museums in the Digital Age. Changing Meanings of Place, Community, and Culture. Plymouth: AltaMira Press, 2014.

BRASIL. Lei nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. Diário Oicial da União, Brasília, 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm>. Acesso em: 12 ago 2019.

CASTELLS, Manuel. Museums in the Information Era. Cultural connectors of time and space. ICOM News, Special Issue, p. 4-7, 2001.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano – artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2014.

COSTA, Andrea; CASTRO, Fernanda; CHIOVATTO, Mila e SOARES, Ozias. Educação Museal. Em: Instituto Brasileiro de Museus. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018.

DROTNER, Kirsten; SCHRØDER, Kim Christian (eds). Museum Communication and Social Media. The Connected Museum. New York: Routledge, 2013.

ELLIN, Everett. An international survey of museum computer activity. Computers and the Humanities, v. 3, n. 2, p. 65–86, 1968.

IBRAM. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018. Disponível em: <https://www.museus.gov.br/wp content/uploads/2018/06/Caderno-da-PNEM.pdf>. Acessado em: 04 de dezembro de 2018.

LEMOS, André. Cultura da Mobilidade. Revista FAMECOS n. 40, Porto Alegre, 2009.

LEMOS, André. Celulares, funções pós-midiáticas, cidade e mobilidade. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), v. 2, n. 2, p. 155-166, 2010.

LEMOS, André. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. Disponível em: <http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/cibercultura.pdf>, 2003. Acesso em: 28 julho de 2019.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARANDINO, Martha; MARTINS, Luciana. Museus e Educação: políticas públicas e formação de professores. Pensar a Educação em Pauta, 2017. Disponível em: <http://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/museus-e-educacao-politicas-publicas-e-formacao-de-professores-exclusivo/>. Acesso em: 9 ago 2019.

MARTI, Frieda; COSTA, Andrea; MIRANDA, Aline. Educação Museal na Cibercultura: o Uso de Memes no Projeto “Clube de Jovens Cientistas” da Seção de Assistência ao Ensindo (SAE) do Museu Nacional/UFRJ. Periferia, v. 11, n. 2, p. 90-110, maio/ago, 2019.

MELLO, J. C. Museus e Ciberespaço; novas linguagens da comunicação na era digital. Cultura Histórica & Patrimônio v.1, n.2, p. 6-29, 2013.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. Contar o passado, analisar o presente e sonhar o futuro. Em: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

OLIVEIRA, José Cláudio Alves. Informações museológicas no ciberespaço: Reflexões sobre o cyber e o mobile museum. XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba, 13p, 2009. Disponível em: . Acesso em 5 ago de 2019.

PARRY, Ross. Recording the Museum. Digital Heritage and the Technologies of Change. New York: Routledge, 2007.

PEREIRA, M. R. N. Entre Dimensões e funções educativas: A trajetória da 5ª Seção de Assistência ao Ensino de História Natural do Museu Nacional. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/Museu de Astronomia e Ciências Afins/Programa de Pós-graduação em Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, 2010.

SANTAELLA, Lúcia. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTAELLA, Lúcia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SANTAELLA, Lucia. A ecologia pluralista da comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus, 2010

SANTOS, Edméa. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. Salvador. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – FACED-UFBA.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In. SILVA, Marco; PESCE, Lucila; ZUIN, Antônio (orgs). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: wak Ed., 2010.

SANTOS, Edméa. A Cibercultura e a Educação em Tempos de Mobilidade e Redes Sociais: conversando com os cotidianos. Em: FONTOURA, Helena Amaral; SILVA, Marco (eds). Práticas Pedagógicas, Linguagem e Mídias: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4580963/mod_resource/content/1/ebook1.pdf>. Acesso em 05 ago 2019.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Portugal: Whitebooks, 2014.

SANTOS, Edméa; MARTI, Frieda; SANTOS, Rosemary. O Museu como Espaço Multirreferencial de Aprendizagem: Rastros de Aprendizagens Ubíquas na Cibercultura. Revista Observatório, Palmas, v. 5, n. 1, p. 182-201, jan-mar, 2019.

SANTOS, Rosemary e SANTOS, Edmea. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. Revista Eletrônica Pesquiseduca v. 04, n. 07. p.159-183, jan.-jul. 2012.

SANTOS, Rosemary; RIBEIRO, Mayra R.F., CARVALHO, Felipe S.P. Educação Online: aprenderensinar em rede. Em: SANTOS, Edméa O.; PIMENTEL, Mariano; SAMPAIO, Fábio F. (Org.). Informática na Educação: cultura, sociedade, histórias e políticas. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019. (Série Informática na Educação, v.1) Disponível em: https://ieducacao.ceie-br.org///educacaoonline/. Acesso em: 05 ago 2019.

SCHWEIBENZ, Werner. Virtual Museums. ICOM News n. 3, p. 3, 2004.

SCHWEIBENZ, Werner. Museums and Web 2.0: Some Thoughts about Authority, Communication, Participation and Trust. Em: STYLIARAS, Georgios; KOUKOPOLOUS, Dimitrios; LAZARINIS, Fotis (eds). Handbook of Research on Technologies and Cultural Heritage: Applications and Environment. New York: Information Science Reference, p. 1-15, 2011.

SILVA, Ariane Abrunhosa da. Educação & Museus Brasileiros: Práticas Educativas Online e a Potencialidade de uma Cultura Participativa. Tese (Doutorado), Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2018.

SILVA, Marco; SANTOS, Edmea. Conteúdos de aprendizagem na educação on-line: inspirar-se no hipertexto. Educação & Linguagem, v.12, n.19, 2009, p. 124-142.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

THOMPSON, Seth. Web 2.0 Technologies and the Museum. Em: KALANTZIS-COPE, Phillip; GHERAB-MARTÍN, Karim (eds). Emerging Digital Spaces in Contemporary Society. Properties of Technology. New York: Palgrave Macmillan, p. 56-60, 2010.

Downloads

Publicado

2019-09-01

Como Citar

MARTI, Frieda Maria; SANTOS, Edméa Oliveira dos. EDUCAÇÃO MUSEAL ONLINE: A EDUCAÇÃO MUSEAL NA/COM A CIBERCULTURA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 41–66, 2019. DOI: 10.12957/redoc.2019.44589. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/44589. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática