DA CONCEPÇÃO À PRÁTICA DE FORMAÇÃO INICIAL: A EJA NO CURRÍCULO DE PEDAGOGIA

Jane Paiva, Fátima Lobato Fernandes

Resumo


O artigo problematiza concepção de currículo de formação como produção cotidiana, e decorre de práticas de formação inicial de professores para os anos iniciais do EF e múltiplos espaços sociais e educativos, enfatizando jovens e adultos, público para quem também se destinava. Implantada desde 2003, a concepção adotada pela Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) guardava coerência com diretrizes de movimentos de formação, disputadas na arena das políticas públicas, avançando epistemologicamente no fazer da formação. A resultante fundamentava-se na experiência formadora de 12 anos da unidade acadêmica, em que a EJA representava um campo definido da formação, ao lado da educação infantil e da educação especial, associado, cada um deles, à formação do professor para o curso de magistério em nível médio.

DOI:  https://doi.org/10.12957/teias.2016.25007


Palavras-chave


Formação de professores; Formação para a EJA; Currículo de pedagogia; Currículo como produção cotidiana

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2016.25007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional