EDUCAÇÃO MUSEAL ONLINE: A EDUCAÇÃO MUSEAL NA/COM A CIBERCULTURA

Frieda Maria Marti, Edméa Oliveira dos Santos

Resumo


O presente artigo tem como objetivo narrar as principais transformações comunicacionais e educacionais geradas pelo rápido e intenso desenvolvimento das tecnologias digitais em rede (TDR) na contemporaneidade e discutir sua relação com a educação museal. O termo e noção ‘Educação Museal Online’ (EMO) é apresentado e sugerido como um novo modo de fazerpensar[1] ações educativas museais na/com a cibercultura, a partir dos referenciais teórico-epistemológicos da multirreferencialidade (Ardoino, 1998) e das pesquisas dos/nos/com os cotidianos (Alves, 2008, 2010; Certeau, 2014), assim como das experiências de práticas educativas museais online levadas a cabo pela primeira autora com/na Seção de Assistência ao Ensino do Museu Nacional/UFRJ, como parte de sua participação como professora colaboradora do setor e de sua pesquisa de doutorado em desenvolvimento no Programa de Pós-Graduação (PROPED) da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).


[1] Segundo OLIVEIRA e ALVES (2008, p. 11) a junção de termos e a sua inversão, em alguns casos, foi a forma das autoras mostrarem “os limites para as pesquisas nos/dos/com os cotidianos, do modo dicotomizado criado pela ciência moderna para analisar a sociedade”.


Palavras-chave


educação museal; cibercultura; educação museal online; SAE

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Tecer conhecimento em rede. Em: ALVES, Nilda e GARCIA, Regina Leite (Orgs.). O sentido da escola. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p.26-38.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. Em: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

ALVES, Nilda. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. Educação & Sociedade, Campinas: CEDES, v. 31, n. 113, p. 195-212, out./dez., 2010.

ARDOINO, Jacques. Abordagem multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. Em: BARBOSA, Joaquim. (org.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EdUFSCar, 1998.

BARBOSA, Andrea Lombardi. Museu 2.0: Como a tecnologia pode influenciar o público nos museus de arte da cidade de São Paulo. Congresso Iberoamericano de Ciencia, Tecnologia, Innovacion y Educación, Articulo 815, p. 1-17. Disponível em: < https://www.oei.es/historico/congreso2014/memoriactei/815.pdf>. Acesso em: 12 ago 2019.

BAUTISTA, Susana Smith. Museums in the Digital Age. Changing Meanings of Place, Community, and Culture. Plymouth: AltaMira Press, 2014.

BRASIL. Lei nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. Diário Oicial da União, Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 ago 2019.

CASTELLS, Manuel. Museums in the Information Era. Cultural connectors of time and space. ICOM News, Special Issue, p. 4-7, 2001.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano – artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2014.

COSTA, Andrea; CASTRO, Fernanda; CHIOVATTO, Mila e SOARES, Ozias. Educação Museal. Em: Instituto Brasileiro de Museus. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018.

DROTNER, Kirsten; SCHRØDER, Kim Christian (eds). Museum Communication and Social Media. The Connected Museum. New York: Routledge, 2013.

ELLIN, Everett. An international survey of museum computer activity. Computers and the Humanities, v. 3, n. 2, p. 65–86, 1968.

IBRAM. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018. Disponível em: . Acessado em: 04 de dezembro de 2018.

LEMOS, André. Cultura da Mobilidade. Revista FAMECOS n. 40, Porto Alegre, 2009.

LEMOS, André. Celulares, funções pós-midiáticas, cidade e mobilidade. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana (Brazilian Journal of Urban Management), v. 2, n. 2, p. 155-166, 2010.

LEMOS, André. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. Disponível em: , 2003. Acesso em: 28 julho de 2019.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARANDINO, Martha; MARTINS, Luciana. Museus e Educação: políticas públicas e formação de professores. Pensar a Educação em Pauta, 2017. Disponível em: . Acesso em: 9 ago 2019.

MARTI, Frieda; COSTA, Andrea; MIRANDA, Aline. Educação Museal na Cibercultura: o Uso de Memes no Projeto “Clube de Jovens Cientistas” da Seção de Assistência ao Ensindo (SAE) do Museu Nacional/UFRJ. Periferia, v. 11, n. 2, p. 90-110, maio/ago, 2019.

MELLO, J. C. Museus e Ciberespaço; novas linguagens da comunicação na era digital. Cultura Histórica & Patrimônio v.1, n.2, p. 6-29, 2013.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. Contar o passado, analisar o presente e sonhar o futuro. Em: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

OLIVEIRA, José Cláudio Alves. Informações museológicas no ciberespaço: Reflexões sobre o cyber e o mobile museum. XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba, 13p, 2009. Disponível em: . Acesso em 5 ago de 2019.

PARRY, Ross. Recording the Museum. Digital Heritage and the Technologies of Change. New York: Routledge, 2007.

PEREIRA, M. R. N. Entre Dimensões e funções educativas: A trajetória da 5ª Seção de Assistência ao Ensino de História Natural do Museu Nacional. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/Museu de Astronomia e Ciências Afins/Programa de Pós-graduação em Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, 2010.

SANTAELLA, Lúcia. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTAELLA, Lúcia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SANTAELLA, Lucia. A ecologia pluralista da comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus, 2010

SANTOS, Edméa. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. Salvador. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – FACED-UFBA.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In. SILVA, Marco; PESCE, Lucila; ZUIN, Antônio (orgs). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: wak Ed., 2010.

SANTOS, Edméa. A Cibercultura e a Educação em Tempos de Mobilidade e Redes Sociais: conversando com os cotidianos. Em: FONTOURA, Helena Amaral; SILVA, Marco (eds). Práticas Pedagógicas, Linguagem e Mídias: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011. Disponível em: . Acesso em 05 ago 2019.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Portugal: Whitebooks, 2014.

SANTOS, Edméa; MARTI, Frieda; SANTOS, Rosemary. O Museu como Espaço Multirreferencial de Aprendizagem: Rastros de Aprendizagens Ubíquas na Cibercultura. Revista Observatório, Palmas, v. 5, n. 1, p. 182-201, jan-mar, 2019.

SANTOS, Rosemary e SANTOS, Edmea. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. Revista Eletrônica Pesquiseduca v. 04, n. 07. p.159-183, jan.-jul. 2012.

SANTOS, Rosemary; RIBEIRO, Mayra R.F., CARVALHO, Felipe S.P. Educação Online: aprenderensinar em rede. Em: SANTOS, Edméa O.; PIMENTEL, Mariano; SAMPAIO, Fábio F. (Org.). Informática na Educação: cultura, sociedade, histórias e políticas. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019. (Série Informática na Educação, v.1) Disponível em: https://ieducacao.ceie-br.org///educacaoonline/. Acesso em: 05 ago 2019.

SCHWEIBENZ, Werner. Virtual Museums. ICOM News n. 3, p. 3, 2004.

SCHWEIBENZ, Werner. Museums and Web 2.0: Some Thoughts about Authority, Communication, Participation and Trust. Em: STYLIARAS, Georgios; KOUKOPOLOUS, Dimitrios; LAZARINIS, Fotis (eds). Handbook of Research on Technologies and Cultural Heritage: Applications and Environment. New York: Information Science Reference, p. 1-15, 2011.

SILVA, Ariane Abrunhosa da. Educação & Museus Brasileiros: Práticas Educativas Online e a Potencialidade de uma Cultura Participativa. Tese (Doutorado), Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2018.

SILVA, Marco; SANTOS, Edmea. Conteúdos de aprendizagem na educação on-line: inspirar-se no hipertexto. Educação & Linguagem, v.12, n.19, 2009, p. 124-142.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

THOMPSON, Seth. Web 2.0 Technologies and the Museum. Em: KALANTZIS-COPE, Phillip; GHERAB-MARTÍN, Karim (eds). Emerging Digital Spaces in Contemporary Society. Properties of Technology. New York: Palgrave Macmillan, p. 56-60, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.44589

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadoxação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.