Condições para ações de cuidado da obesidade na atenção primária à saúde no estado do Espírito Santo

Erika Cardoso dos Reis, Carla Moronari de Oliveira Aprelini, Tatielle Rocha de Jesus, Carolina Perim de Faria, Oscar Geovanny Enríquez-Martinez, Maria del Carmen Bisi Molina

Resumo


Introdução: A obesidade é uma doença multifatorial com proporções epidêmicas que tem sido frequentemente descrita como fator de risco para outras comorbidades. Portanto, é importante identificar que condições e ações estão sendo realizadas no âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS) para o cuidado dos indivíduos com a doença. Objetivo: Descrever e discutir as condições e ações de prevenção e cuidado da obesidade disponíveis na APS do estado do Espírito Santo (ES). Métodos: Estudo observacional descritivo baseado no PMAQ-AB - 3º ciclo. Foram avaliados os módulos I, II e IV, considerando as variáveis relacionadas ao número de profissionais e equipamentos, desenvolvimento de ações de cuidado da obesidade e de atenção nutricional. Foram realizados testes de qui-quadrado para verificar diferenças entre as regiões. Resultados: 93,6% dos municípios participaram do estudo. Observou-se carência de nutricionistas e educadores físicos em toda a rede. Na Região Norte, o nutricionista está presente em 21% das unidades e não há educadores físicos. Foi baixo o quantitativo de equipamentos e materiais disponíveis. Quase metade das unidades de saúde do estado não tinha balança (200 kg) e caderneta do adolescente. Na Região Sul, 54% das unidades não apresentavam aparelho de pressão com braçadeira para pessoas adultas obesas. Apenas 10% dos profissionais referiram ofertar práticas integrativas e complementares (10%) e a metade não tinha conhecimento do Programa Academia da Saúde. Conclusão: As ações desenvolvidas pelas equipes da APS relacionadas a promoção da saúde, atenção nutricional, prevenção e cuidado da obesidade, além dos equipamentos e estruturas disponíveis, não são suficientes para o enfrentamento da obesidade no ES.


Palavras-chave


Obesidade. Sistema Único de Saúde. Atenção Primária à Saúde. Assistência à Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Dias PC, Henriques P, Anjos LA, Burlandy L. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cad Saúde Pública 2017; 33(7): 1-12. Doi: 10.1590/0102-311X00006016

Hruby A, Hu FB. 2015. The Epidemiology of Obesity: A Big Picture. Pharmaco Economics 2015; 33: 673–8. doi:10.1007/s40273-014-0243-x

Spelta F, Fratta Pasini AM, Cazzoletti L, Ferrari M. Body weight and mortality in COPD: focus on the obesity paradox. Eat Weight Disord. 2018; 23(1):15-22. doi: 10.1007/s40519-017-0456-z. Epub 2017 Nov 6. PMID: 29110280.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2019; 297.

Almeida LM, Campos KFC, Randow R, Guerra VA. Estratégias e desafios da gestão da atenção primária à saúde no controle e prevenção da obesidade. Revista Eletrônica Gestão e Saúde 2017; 8(1): 114-139.

Poças KC, Freitas LRS, Duarte EC. Censo de estrutura da Atenção Primária à Saúde no Brasil (2012): estimativas de coberturas potenciais. Epidemiol Serv Saúde 2017; 26 (2): 275-284. Doi: 10.5123/S1679-49742017000200005

Neves RG, Duro SMS, Muñiz J, Castro TRP, Facchini LA, Tomasi E. Estrutura das unidades básicas de saúde para atenção às pessoas com diabetes: Ciclos I e II do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade. Cad de Saúde Pública 2018. 34 (4); e00072317. Doi: 10.1590/0102-311X00072317

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Políticas de Saúde. Programa Saúde da Família. Rev Saúde Pública [Internet]. 2000; 34(3): 316-9. doi: 10.1590/S0034-89102000000300018

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 424, de 19 de março de 2013. Redefine as diretrizes para a organização e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas. Diário Oficial da União 101 2013; Seção 1.

Riquieri MRL, Soares GB, Duarte RCL, Lima EFA. Entre dados, passos e relatos: a experiência da coleta de dados do PMAQ no Espírito Santo. Rev. Eletr. Gestão & Saúde 2019; 10(2):246-260. Doi: 10.26512/gs.v10i2.22488

Abreu DMX, Pinheiro PC, Queiroz BL, Lopes ÉAS, Machado ATGM, Lima ÂMLD, et al. Análise espacial da qualidade da Atenção Básica em Saúde no Brasil. Saúde debate. 2018; 42(1): 67-80. Doi: 10.1590/0103-11042018S105

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica (PMAQ) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011; 44 p. Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/arquivo/3183

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica Obesidade. Cadernos de Atenção Básica, nº38. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Lordani CRF, Costa MD, Silva LL, Costa JB, Araújo ACF. Experiência de um serviço ambulatorial multiprofissional e interdisciplinar de obesidade e cirurgia bariátrica. Rev. Bras. Obes. Nutri. Emag. 2019; 13(82): 934-42.

Mais LA, Domene SMA, Barbosa MB, Taddei JAAC. Formação de hábitos alimentares e promoção da saúde e nutrição: o papel do nutricionista nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Rev. APS. 2015; 18(2): 248-55.

Silva JCA, Silva KS, Neto CM, Silva TCA, Campos AS. Inclusão do educador físico na Atenção Primária à Saúde: Revisão integrativa. SANARE 2018; 17(1): 74-83.

Tavares HC, Pereira PA, Parente JS, Ramos JLS, Marques AA, et al. A importância da inserção do nutricionista na unidade básica de saúde: percepção dos profissionais de saúde. Rev. E-ciênc. 2016; 4(1):89-98. Doi: 10.19095/rec.v4i1.154

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Raimundo JS, Cadete MMM. Escuta qualificada e gestão social entre os profissionais de saúde. Acta paul. enferm. 2012; 25(spe2): 61-7. Doi: 10.1590/S0103-21002012000900010

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2a Ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Nagai SC, Queiroz MS. Medicina complementar e alternativa na rede básica de serviços de saúde: uma aproximação qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16(3):1793-1800. Doi: 10.1590/S1413-81232011000300015

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: Atitude de ampliação de acesso. 2a Ed. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica; 2015.

Aguiar J, Kanan LA, Masiero AV. Práticas Integrativas e Complementares na atenção básica em saúde: um estudo bibliométrico da produção brasileira. Saúde debate 2019; 43(123): 1205-18. Doi: 10.1590/0103-1104201912318

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde na Escola. Cadernos de Atenção Básica, nº24. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Perspectivas e desafios no cuidado às pessoas com obesidade no SUS: Resultados do laboratório de inovação no manejo da obesidade nas redes de atenção à saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Série Técnica Redes Integradas de Atenção à Saúde, v. 10. Brasília: 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família – Volume 1: Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Cadernos de Atenção Básica, nº39. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2022.63954

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.