CURRÍCULO E MOVIMENTOS SOCIAIS: UMA PRÁTICA NA ESCOLA INSPIRADA NA PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE

Ana Maria Saul, Valter Martins Giovedi

Resumo


O ano de 2013 foi marcado por manifestações que ficaram conhecidas, no Brasil, como Jornadas de Junho. A seguinte provocação norteou a escrita deste texto: como pode o professor desenvolver uma prática curricular na qual os movimentos sociais ocupem a sala de aula e se constituam em objetos de conhecimento, permitindo o desvelamento da realidade e a construção da autonomia dos sujeitos? Os fundamentos de análise foram buscados no referencial de Paulo Freire. O texto apresenta a compreensão do conceito de “contexto”, destaca a “leitura de realidade” como categoria-chave que fundamenta a articulação currículo-movimentos sociais e analisa o relato da experiência curricular desenvolvida em uma escola estadual de São Paulo, envolvendo estudantes do Ensino Médio.

Palavras-chave


Currículo. Paulo Freire. Movimentos Sociais. Contexto. Leitura de Realidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional