A SIMULTANEIDADE DE LUGARES DA PESQUISADORA NA ESCOLA:

Laura Noemi Chaluh

Resumo


Neste artigo, discuto o sentido de os pesquisadores construírem um movimento caleidoscópico quando desenvolvem pesquisas nas escolas. Esse movimento aponta para uma dimensão, a de assumir o não-lugar (CERTEAU, 2002) já que, a partir dele, podemos ter um olhar compreensivo da escola na sua complexidade e movimento. Trago para a discussão a importância do movimento caleidoscópico como uma instância que é possível ser construída quando assumimos os nossos próprios e singulares modos de fazer pesquisa, criando as nossas próprias táticas de pesquisadores no espaço escolar. Assumir o não-lugar implica considerar os vários lugares que podemos ocupar na escola e que mostram a simultaneidade de lugares possíveis de transitar quando nos permitimos ser parceiros dos educadores e alunos da escola.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional