ATOS DE CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DE APP-LEARNING

Wallace Carriço de Almeida

Resumo


Esta dissertação se propõe a compreender o conceito de App-Learning, que SANTAELLA define como o processo de aprendizagem que ocorre apoiado pelo uso de aplicativos de dispositivos móveis, tendo como característica fundamental a multiplicidade de funções, as necessidades dos sujeitos, a portabilidade dos dispositivos e a mobilidade dos sujeitos, que mesmo que estejam fisicamente distantes do contexto educacional conectam-se mutuamente, com o ciberespaço e a cidade. Nossa opção metodológica foi a pesquisa-formação na cibercultura (SANTOS), a multirreferencialidade (ARDOINO) e as pesquisas nos/dos/com os cotidianos (CERTEAU, ALVES). Buscamos compreender como mobilizar Atos de Currículo (MACEDO) no âmbito da disciplina Informática na Educação, do curso de Pedagogia a distância da UERJ, oferecida em parceria com a Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) / Consórcio CEDERJ. No exercício de aprender por e com aplicativos, buscou-se compreender como criar atos de currículo em educação online com práticas de App-Learning, descobrir quais os usos que os praticantes culturais fazem de seus dispositivos móveis e como são instituídas as práticas de App-Learning em seu cotidiano para formar docentes na Cibercultura. Como achados da pesquisa apresentam-se as narrativas e imagens, as noções de autoria, fundamentação e acessibilidade além da própria experiência, transformação e aprendizado do pesquisador com os praticantes na reinvenção de aplicativos e práticas.


Palavras-chave


Pesquisa-formação na cibercultura. Docência Online. Cotidianos. Formação de Professores. App-Learning. Atos de Currículo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho – o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Ines Barbosa de; ALVES, Nilda. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

ALVES, Nilda. Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre rede de saberes. Petrópolis, RJ: DP et Alii, 2008

AMARAL, Sérgio.; BARROS, Daniela. Estilos de aprendizagem no contexto educativo de uso das tecnologias digitais interativas, 2007. Disponível em: Acesso em Junho de 2017.

BACKES, Luciana. As manifestações da autoria na formação do educador em espaços digitais virtuais. Revista de Educação, Ciência e Cultura, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012. Disponível em: Acesso em Novembro de 2017.

CAROLEI, Paula; e TORI, Romero. Aurasma: aumentando e gamificando a realidade. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edmea (Org.). App-learning: experiências de pesquisa e formação. Salvador: EDUFBA, 2016.

CARVALHO, Felipe. Atos de Currículo na Educação Online. ProPEd - UERJ: 2015. Disponível em: Acesso em Outubro de 2016.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet: Reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

D`ÁVILA, Carina. SANTOS, Edméa. Imagens voláteis e formação de professorxs: dispositivos tecnológicos e lúdicos para as práticas pedagógicas, Revista Entreideias, Salvador, v. 3, n. 2, p. 113-127, jul./dez. 2014. Disponível em: Acesso em Agosto de 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

LARROSSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação, vol.9, n.2, 2011. Disponível em: . Acesso em Agosto de 2018

LEMOS, André. Mídia locativa e território informacional. SANTAELLA, Lucia; ARANTES, Priscila (Org.). Estéticas tecnológicas: novos modos de sentir. São Paulo: EDUC, 2008.

LEMOS, André. Ciberespaço e tecnologias móveis: processos de territorialização e desterritorialização na cibercultura. In: MÉDOLA, Ana Silvia; ARAÚJO, Denise; BRUNO, Fernanda (Org.). Imagem, visibilidade e cultura midiática. Porto Alegre: Sulina, 2007.

LEMOS, André. Cibercultura como território recombinante. In: Territórios Recombinantes. Instituto Goethe (ICBA), Salvador, 2006. Disponível em Acesso em Setembro de 2017.

LÉVY Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999

LÉVY Pierre. A Inteligência Coletiva: Por uma Antropologia do Ciberespaço. São Paulo: Loyola, 2007

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de currículo e Autonomia Pedagógica: o socioconstrucionismo curricular em perspectiva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MACEDO, Roberto Sidnei. Currículo: campo, conceito e pesquisa. Petrópolis, RJ: vozes, 2007.

MACEDO, Roberto Sidnei. Trajetória, itinerário, itinerância e errância: perspectivando o currículo enquanto crisálida. ANPED 2000. Disponível em: Acessado em Julho de 2018.

MIRANDA, Antonio; SIMEAO, Elmira and MUELLER, Suzana. Autoria Coletiva, Autoria Ontológica e Intertextualidade na Ciência: Aspectos Interdisciplinares e Tecnológicos. 2007, vol.36, n.2, pp.35-45. Disponível em: Acesso em Maio de 2018.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo, Para navegar no século XXI: tecnologias do imaginário e cibercultura. 3. ed. Porto Alegre: Sulinas/Edipucrs, 2003

PRETTO, Nelson De Luca. Redes colaborativas, ética hacker e educação 2010. Disponível em: Acesso em Julho de 2018

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação – São Paulo: Paulus, 2013.

SANTAELLA, Lucia. A estética política das mídias locativas. Instituto de Estudios Sociales, Bogotá, 2008.

SANTAELLA, Lucia. Cultura das Mídias. São Paulo: Experimento. 1996.

SANTAELLA, Lucia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus. 2007.

SANTAELLA, Lucia. App-learning e a imaginação criativa a serviço da educação [Prefácio]. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edmea (Org.). App-learning: experiências de pesquisa e formação. Salvador: EDUFBA, 2016.

SANTOS, Edméa Oliveira dos. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. Tese de doutorado. Faculdade de Educação, UFBA, Salvador. 2005. Disponível em: Acesso em Junho de 2016

SANTOS, Edméa Oliveira dos. Pesquisa-formação na cibercultura. Santo Tirso: Whitebooks, 2014.

SANTOS, Edméa Oliveira dos; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte; e PIMENTEL, Mariano. Mediação docente para colaboração: notas de uma pesquisa-formação na cibercultura. Campinas, SP, Revista Educação Temática Digital (ETD), v.18, n.2, p. 23-42, jan.abr.2016. Disponível em: Acesso em Janeiro de 2018.

SANTOS, Edméa. COLACIQUE, Rachel. CARVALHO, Felipe. A autoria visual na internet: o que dizem os memes? Quaestio, Sorocaba, SP, v. 18, n. 1, p. 135-157, maio 2016. Disponível em: Acesso em Janeiro de 2018.

SANTOS, Edméa. PONTE, Felipe. ROSSINI, Tatiana. Autoria em rede: uma prática pedagógica emergente. Rev. Diálogo Educ., Curitba, v. 15, n. 45, p. 515-536, maio/ago. 2015. Disponível em: Acesso em Julho de 2018.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet, 2000

SILVA, Marco. Formação de professores para a Docência Online. Braga: Universidade do Minho, 2009. Disponível em: Acesso em Outubro de 2017




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.52475

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadoxação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.