ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS FONTES DE SÓDIO UTILIZADOS NO PREPARO DE REFEIÇÕES EM RESTAURANTES COMERCIAIS DE CHAPECÓ-SC

Lúcia Chaise Borjes, Fernan Junior Tasca, Patrícia Eliza Zamprogna

Resumo


Tendo em vista o elevado consumo de refeições realizadas fora do domicílio e a utilização de alimentos industrializados fontes de sódio no preparo dessas refeições, aliados à preocupação global do aumento da hipertensão arterial e dos riscos ligados a ela, o presente estudo teve por objetivo estimar a quantidade de sódio e a contribuição dos alimentos industrializados na quantificação per capita deste nutriente nas refeições em Unidades Produtoras de Refeições (UPR) comerciais por peso no centro de Chapecó-SC. Os dados foram coletados em quatro restaurantes comerciais. A coleta de dados ocorreu no mês de março de 2011. Durante um dia, em cada restaurante, verificou-se a informação nutricional de sódio de todos os alimentos industrializados fontes deste nutriente utilizados na refeição almoço das UPRs. As quantidades médias dos produtos utilizadas por semana, assim como o número médio de refeições diárias produzidas, foram informadas pelos responsáveis pela produção. Os resultados mostraram que a quantidade média de sódio per capita encontrada para a refeição almoço foi de 1,742g para os quatro restaurantes. Destes, 52,25% (0,910g de sódio) foram provenientes de alimentos industrializados fontes de sódio e 47,7% (0,805g de sódio) do sal de adição total (do usado no preparo e do adicionado pelo comensal à mesa). Salienta-se que o sódio intrínseco nos alimentos não foi considerado. Pode-se observar que a quantidade estimada de sódio oferecida nos quatro restaurantes estudados excede em mais de duas vezes o valor de ingestão considerado como recomendação para a refeição, que é 0,700g de sódio apenas para o almoço. Diante do exposto, fica evidente que é dever da UPR reduzir o uso desses alimentos na elaboração do cardápio, a fim de possibilitar a oferta de refeições nutricionalmente adequadas com relação ao teor de sal e sódio. A obrigatoriedade de um profissional nutricionista nesses estabelecimentos seria uma evolução na qualidade da saúde dos consumidores.

DOI 10.12957/demetra.2014.7249

 


Palavras-chave


sódio na dieta. Alimentação coletiva. Alimentos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


REFERÊNCIAS

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares (POF): 2008-2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Leal D. Crescimento da alimentação fora do domicílio. Segurança Alimentar e Nutricional 2010; 17(1):123-132.

Magnée HM. Manual do self-service. São Paulo: Varela; 1996.

Jomori MM, Proença RPC, Calvo MC. Proposta de um método para a avaliação da escolha alimentar do comensal de um restaurante por peso. Rev. Nutrição em Pauta. 2005; 13(74):45-48.

Veiros MB, Proença RPC. Avaliação qualitativa das preparações do cardápio de uma unidade de alimentação e nutrição: método AQPC. Rev. Nutrição Pauta. 2003; 11(62):36-42.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Cuppari L. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. 2. ed. Barueri: Manole; 2005.

Proença RPC, Sousa AA, Veiros MB, Hering B. Qualidade nutricional e sensorial na produção de refeições. Florianópolis: Ed. UFSC; 2005.

Lu B, Yan J, Yang X. Effects of sodium depletion on detection thresholds for salty taste in rats. Physiol. Behav. 2009; 97(3-4):463-9.

Sociedade Brasileira de Cardiologia; Sociedade Brasileira de Hipertensão; Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes brasileiras de hipertensão. Arq. Bras. Cardiol. 2010; 95(1 Supl. 1):1-51.

Afonso MS, Sant’ana L S, Mancini-Filho J. Interação entre antioxidantes naturais e espécies reativas do oxigênio nas doenças cardiovasculares: perspectivas para a contribuição do alecrim (Rosmarinus offi cinalis L.). Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. 2010; 35(1):129-148.

Krauss RM et al. AHA Dietary Guidelines: revision 2000: a statement for healthcare professionals from the Nutrition Committee of the American Heart Association. Circulation. 2000; 102(18):2284-2299.

World Health Organization. The world health report 2002: reducing risks, promoting healthy life. Geneva: WHO; 2002.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes PR. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Lancet: Saúde no Brasil. 2011; (4):61-74.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Campanha de redução do consumo de sal. 2011. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+-+noticias+anos/2011+noticias/campanha+quer+reduzir+o+consumo+de+sal.

Dallepiane LB, Bós JAG. O uso de condimentos na dieta de um grupo de hipertensos: estudo de intervenção randomizado. Rev. Bras. Nutr. Clin. 2007; 22(4):286-289.

Dumas LVL. Aceitabilidade da redução de sódio em um restaurante de Taguatinga Norte. [Especialização]. Brasília: Universidade de Brasília; 2008.

Yabuta CY, Cardoso E, Isosaki M. Dieta hipossódica: aceitação por pacientes internados em hospital especializado em cardiologia. Rev. Bras. Nutr. Clin. 2006; 21(1):33-37.

Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Chapecó. Restaurantes e pizzarias. Chapecó: SIHRBASC. Disponível em: .

Philippi ST. Pirâmide dos alimentos: fundamentos básicos da nutrição. São Paulo: Manole; 2008.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria Interministerial n. 66, de 25 de agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2006.

Molina MCB, Cunha RS, Herkenhoff LF, Mill JG. Hipertensão arterial e consumo de sal em população urbana. Rev. Saúde Pública. 2003; 37(6):743-50.

Sarno F, Jaime PC, Ferreira SRG, Monteiro CA. Consumo de sódio e síndrome metabólica: uma revisão sistemática. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. 2009; 53(16):608-616.

United Kingdom. Research reveals hidden salt content of popular restaurant meals. Consensus Action on Salt and Health. 2009. Disponível em: http://www.publicanalyst.com/CASH_SALT_media_release.pdf.

Center for Science in the Public Interest. Salt Assault: brand-name comparisons of processed foods. 2a ed. Washington, DC: CSPI; 2008. Disponível em: http://cspinet.org/new/pdf/saltupdatedec08.pdf.

Jacobson MF. Salt: the forgotten killer... and FDA’s failure in protect the public’s health. Washington, DC: Center for Science in the Public Interest; 2005. Disponível em: http://www.cspinet.org/salt/saltreport.pdf.

Salas CKTS, Spinelli MGN, Kawashima LM, Ueda AM. Teores de sódio e lipídios em refeições almoço consumidas por trabalhadores de uma empresa do município de Suzano, SP. Rev. Nutr. 2009; 22(3):331-339.

Capalonga R, Toniolo L, Soltys AA, Oliveira ABA. Avaliação da quantidade de sal oferecido no almoço dos funcionários de um hospital público de Porto Alegre. Rev. HCPA. 2010; 30(3):204-208.

Spinelli MGN, Koga TT. Avaliação do consumo de sal em uma unidade de alimentação e nutrição. Nutrire. 2007; 32(2):15-27.

Sichieri R, Coitinho DC, Monteiro JB, Coutinho WF. Recomendações de alimentação e nutrição saudável para a população brasileira. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. 2000; 44(3):227-232.

Costa FP, Machado SH. O consumo de sal e alimentos ricos em sódio pode influenciar na pressão arterial das crianças? Cien. Saúde Coletiva 2010; 15(supl. 1):1383-1389.

Brasil. Departamento de Alimentação Básica. Ministério da Saúde e indústria assinam acordo para reduzir teor de sódio em alimentos. 2011b. Disponível em: .

Yonamine GH, Von Atzingen MC, Emigdio MS, Pinto e Silva MEM. Desenvolvimento e análise química de preparações com reduzido teor de sódio, lipídios e colesterol. Alim. Nutr. 2005; 16(2):137-143.

Silva LO, Dias LP, Carvalho LMS, Silva MJM, Lima A. Quantificação de sódio e glutamato monossódico em tabletes de carne. Teresina: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí; 2010.

Bernardi DE, Roman JA. Caracterização sensorial de linguiça toscana com baixo teor de sódio e análise do consumo de carne suína e derivados na região oeste do Paraná. Bol. CEPPA. 2011; 29(1):33-42.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.7249