PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR: AVALIANDO O CONHECIMENTO POR PARTE DOS GESTORES ADMINISTRATIVOS E TÉCNICOS

Lúcia Chaise Borjes, Janaína Santos de Lima

Resumo


O Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) tem por objetivo melhorar as condições nutricionais dos trabalhadores. Este estudo buscou avaliar o conhecimento dos gestores administrativos e técnicos do PAT sobre promoção de alimentação saudável e saúde, e a interface deste tema com o programa. O estudo foi composto por oito empresas cadastradas no PAT, localizadas em Chapecó-SC, com mais de 150 funcionários, que possuíam refeitório e contavam com nutricionista. Aplicou-se um questionário, e as gravações foram transcritas e analisadas por meio da técnica de análise do conteúdo. Sobre o motivo de a empresa ter sido cadastrada no PAT, entre as expressões-chave, os gestores administrativos referem-se ao benefício fiscal concedido à empresa. Já os gestores técnicos com maior frequência enfatizaram os benefícios para o trabalhador. Perguntados sobre o que é o PAT, os gestores administrativos comentaram com maior frequência a respeito do bem-estar para o funcionário. Sobre a mesma questão, os gestores técnicos citam mais características sobre o programa. Verificou-se que grande parte dos gestores técnicos e administrativos responsáveis pelo PAT apresenta conhecimento vago sobre o programa. Nas falas, observou-se que muitos gestores deixam mais explícitos os objetivos fiscais para a empresa, não ressaltando os objetivos principais relativos ao trabalhador; no entanto, os gestores técnicos demonstram maior esclarecimento sobre o papel do PAT com a saúde do trabalhador do que os gestores administrativos.

DOI 10.12957/demetra.2014.6643


Palavras-chave


Trabalhadores; Programas e Políticas de Nutrição e Alimentação; Avaliação de Programas e Projetos de Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Decreto nº 5, Regulamenta a Lei nº 6.321, de 14 de abril de 1976, que trata do Programa de Alimentação do Trabalhador. 1991 jan14. Diário Oficial da União. 14 jan. 1991; 1(1058).

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Relatórios e gráficos do PAT a partir de 2008. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2008. Disponível em: http://www.mte.gov.br/pat/default.asp.

Geraldo APG, Bandoni DH, Jaime PC. Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil. Rev. Panam. Salud Publica. 2008; 23(1):19-25.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria n° 193, de 05 dez. 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Diário Oficial da União. 07 dez. 2006.

Jaime PC, Bandoni DH, Geraldo APG, Rocha RV. Adequação das refeições oferecidas por empresas cadastradas no Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo. O Mundo da Saúde. 2005; 29(2):186-191.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Orientação da educação alimentar. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 1999. Disponível em: http://www.mte.gov.br/pat/oea.pdf.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Programa de Alimentação do Trabalhador. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2004. Disponível em: http://www.mte.gov.br/Empregador/pat/

Chu C, Breucker G, Harris N, Stitzel A, Gan X, Gu X, Dwyer S. Health promoting workplaces: international settings development. Health Promot. Int. 2000; 15(2):157-167.

World Health Organization. Global strategy on diet, physical activity and health, 2004. Food Nutr Bull. 2004; 25(3):292-302.

Rocha D, Deusdara B. Análise de conteúdo e análise do discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. Alea. 2005; 7(2):305-322.

Lima MADS. Análise de conteúdo: estudo e aplicação. Rev. Logos. 1993; (1):53-8.

Bandoni DH, Brasil BG, Jaime PC. Programa de Alimentação do Trabalhador: representações sociais de gestores locais. Rev. Saúde Pública. 2006; 40(5):837-842.

Veloso IS, Santana VS. Impacto nutricional do programa de alimentação do trabalhador no Brasil. Rev. Panam. Salud Publica. 2002; 11(1):24-31.

Vanin M, Southier N, Novello D, Francischetti VA. Adequação nutricional do almoço de uma unidade de alimentação e nutrição de Guarapuava, PR. Rev. Salus. 2007; 1(1):31-38.

Moura JB. Avaliação do programa de alimentação do trabalhador, no Estado de Pernambuco, Brasil. Rev. Saúde Pública. 1986; 20(2):115-128.

Bandoni DH, Jaime PC. A qualidade das refeições de empresas cadastradas no Programa de Alimentação do Trabalhador na cidade de São Paulo. Rev. Nutr. 2008; 21(2):177-184.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 2003. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/pnan2011.pdf.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia Global em Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde. 57ª Assembléia Mundial de Saúde; 22 maio 2004. Disponível em: http://www.prosaude.org/publica coes/diversos/Estrategia_Global_portugues.pdf.

Savio KEO, Costa THM, Miazaki E, Schmitz BAS. Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador. Rev. Saúde Pública. 2005; 39(2):148-155.

Brasil. Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução CFN n° 380, 09 dez. 2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, estabelece parâmetros numéricos de referência por área de atuação e dá outras providências. Diário Oficial da União. 10 jan. 2005; Seção 1.

Burlandy L, Anjos LA. Acesso a vale-refeição e estado nutricional de adultos beneficiários do Programa de Alimentação do Trabalhador no Nordeste e Sudeste do Brasil, 1997. Cad. Saúde Pública. 2001; 17(6):1457-1464.

Santos LMP, Santos SMC, Santana LAA, Henrique FCS, Mazza, RPD, Santos LAS, Santos LS. Avaliação de políticas públicas de segurança alimentar e combate à fome no período 1995-2002: 4 - Programa Nacional de Alimentação Escolar. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(11):2681-2693.

Sousa AA, Proença RPC. Tecnologias de gestão dos cuidados nutricionais: recomendações para qualificação do atendimento nas unidades de alimentação e nutrição hospitalares. Rev. Nutr. 2004; 17(4):425-436.

Manço AM, Costa FNA. Educação nutricional: caminhos possíveis. Alim. Nutr. 2004; 15(2):145-153.

Amorim STSP, Moreira H, Carraro TE. A formação de pediatras e nutricionistas: a dimensão humana. Rev. Nutr. 2001; 14(2):111-118.

Bosi MLM. A face oculta da nutrição: ciência e ideologia. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo; 1988. 220p.

Fávero ML. A Universidade e estágio curricular: subsídios para discussão. In: Alves N, organizador. Formação de professores: pensar e fazer. 2. ed. São Paulo: Cortez; 1993. 103 p.

Barreto SM, Pinheiro ARO, Sichieri R, Monteiro CA, Batista Filho M, Schimidt MI, Lotufo P, Assis AM, Guimarães V, Recine EGIG, Victora CG, Coitinho D, Passos VMA. Análise da estratégia global para alimentação, atividade física e saúde, da Organização Mundial da Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. 2005; 14(1):41-68.

Jannuzzi PM. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Rev. Serviço Público. 2005; 56(2):137-160.

Brasil. Ministério da Saúde. Humaniza-SUS: Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.6643

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.