O CONSUMO DA CARNE NO BRASIL: ENTRE VALORES SÓCIOS CULTURAIS E NUTRICIONAIS

Cilene da Silva Gomes Ribeiro, Mariana Corção

Resumo


O artigo pretende abordar as duas principais esferas de valorização do consumo de carne no Brasil: de um lado, aspectos sócio-históricos; de outro, aspectos nutricionais. Para tanto, as autoras entendem o alimento pelo viés simbólico e consideram a relevância da experiência histórica na consolidação dos hábitos alimentares. O artigo se inicia no contexto do Brasil colonial, quando se deu a inserção de valores discursivos relacionados ao consumo da carne. Apresentam-se características do consumo de carne no Brasil, intensificado com o processo de urbanização a partir do século XIX. Ressalta-se o discurso nutricionista, desenvolvido a partir da década de 1930 no Brasil, que garantiu a ideia da carne enquanto alimento por excelência, dividindo o Brasil entre aqueles que têm acesso a esse alimento e aqueles que não têm. Destaca-se a relevância da carne na cultura alimentar brasileira, representada sobretudo nas churrascarias que servem rodízio. Consideram-se também as manifestações contrárias ao consumo de carne, permeadas por diferentes esferas ideológicas, éticas, estéticas ou ecológicas. Pretende-se, assim, entrecruzar falas dessas diferentes abordagens, enfatizando os diferentes simbolismos que abarcam o crescente consumo de carne no Brasil.

DOI 10.12957/demetra.2013.6608


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2013.6608