A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA NO CONTEXTO DA SUSTENTABILIDADE

Camilla Ceylão, Elisabetta Recine

Resumo


O conceito de sustentabilidade pode ser definido como um equilíbrio que busca satisfazer as necessidades presentes, sem comprometer as das gerações futuras. O conceito está fundamentado em três dimensões: econômica, ambiental e social, que também fundamentam o conceito de segurança alimentar e nutricional. Diversos autores apontam as dificuldades de garantir tanto a segurança alimentar e nutricional como a sustentabilidade, mas consideram ambas como desafios possíveis. As dificuldades se relacionam ao modelo de sistema agroalimentar vigente e de desenvolvimento econômico e produtivo hegemônico. Tendo isso em vista, esclarecer as atribuições e contribuições do nutricionista para o alcance da sustentabilidade, investigando as concepções, valoração, aplicabilidade e dificuldades percebidas acerca do tema, permite fomentar o papel desse profissional na promoção de um futuro de qualidade social, ambiental e econômica. Portanto, o objetivo deste estudo é caracterizar a atuação profissional do nutricionista segundo aspectos relativos ao sistema agroalimentar e à sustentabilidade. O estudo tem natureza descritiva e transversal, com abordagem quantitativa, e foi realizado no período de março de 2011 a junho de 2012, quando 192 nutricionistas de todo o Brasil responderam ao questionário online. Os resultados apontam que a atuação profissional do nutricionista voltada para a sustentabilidade, ainda que considerada importante, é pouco desenvolvida, indicando a necessidade de mudanças na formação e atuação profissional, a fim de que este possa exercer papel-chave no alcance da sustentabilidade.

DOI 10.12957/demetra.2014.6246

 


Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Nascimento EP. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Rev. Estudos Avançados. 2012; 26(74):51-64.

Haines A, Alleyne G, Kickbusch I, Dora C. From the earth summit to Rio+20: integration of health and sustainable development. Lancet. 2012; 379(9832):2189-97.

The Lancet. Sustainable development for health: Rio and beyond. Lancet. 2012; 379(9832):2117.

Brundtland G. Our common future. Oxford: Oxford Press; 1987.

Pereira AC, Silva GZ, Carbonari MEE. Sustentabilidade, responsabilidade social e meio ambiente. São Paulo: Saraiva; 2011.

Maluf R, Belik W. Abastecimento e segurança alimentar: os limites da liberalização. Campinas: Unicamp; 2000.

Brasil. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – Sisan com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 18 set 2006.

University of Michigan. Center For Sustainable Systems. U.S. food system. U.S. Food System Factsheet. Oct. 2010. Pub. No. CSS01-06.

Kaufman J, Kameshwari P. The food system: a stranger to the planning field. APA Journal. 2000; 66(2):113-124.

Preuss, K. Impacto do sistema de produção de alimentos no meio ambiente. Webartigo. 03 nov. 2009. [acesso em 28 abr. 2011]. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/impacto-do-sistema-de-producao-de-alimentos-no-meio-ambiente/27435/

Wilkins JL. Civic dietetics: opportunities for integrating civic agriculture concepts into dietetic practice. Agric. Hum. Values. 2009; 26:57-66.

Sachs I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Gramond; 2009.

Badue AFB. Inserção de hortaliças e frutas orgânicas na merenda escolar: as potencialidades da participação e as representações sociais de agricultores de Parelheiros. [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2007.

Silva JG. Says fight against hunger must be linked to other global challenges. Roma: Food and Agriculture Organization of the United Nations; 1 jan. 2012. [acesso em 15 jun. 2013]. Disponível em: http://www.fao.org/news/story/en/item/117486/icode/

Parry M, Evans A, Rosegrant MW, Wheeler T. Climate change and hunger: responding to the challenge. Itália: World Food Programme; 2009.

Bailey R. Crescendo para um futuro melhor. Justiça alimentar em um mundo de recursos limitados. Oxfam Internacional; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. 1ª parte. Rio de Janeiro: Abrasco; 2012.

Castro Neto N, Denuzi VSS, Rinaldi RN, Staduto JAR. Produção orgânica: uma potencialidade estratégica para a agricultura familiar. Revista Percurso- Nemo. 2010; 2(2): 73-95.

Siqueira SL, Kruse MHL. Agrotóxicos e saúde humana: contribuição dos profissionais do campo da saúde. Rev. Esc. Enferm. 2008; 43(3):584-90.

Toassa EC, Machado EH, Szarfarc SC,Philippe S, Leal GVS. Alimentos orgânicos e o meio ambiente. Nutrire: Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. 2009; 34(1):175-84.

Poubel RO. Hábitos alimentares, nutrição e sustentabilidade: Agroflorestas sucessionais como estratégia na agricultura familiar. [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável; 2006.

Preuss K. Integrando nutrição e desenvolvimento sustentável: atribuições e ações do nutricionista. Netsaber. [acesso em: 5 mar. 2011]. Disponível em: http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_19289/artigo_sobre_integrando_nutricao_e_desenvolvimento_sustentavel:_atribuicoes_e_acoes_do_nutricionista.

Maluf R. Recursos naturais e soberania alimentar. In: Congresso Virtual Internacional- Economia verde e Inclusão Socioprodutiva: o papel da agricultura familiar. 13-22 jun. 2012; Rio de Janeiro; Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; 2012. [acesso em 16 abr. 2012]. Disponível em: http://www.congressorio20.org.br/sitio/seguridad-alimentaria.html.

Portilho F, Castañeda M, Castro IRR. Alimentação no contexto contemporâneo: consumo, ação política e sustentabilidade. Cien. Saúde Coletiva. 2011; 16(1):99-106, 2011.

Akutsu RCCA. Valores e bem-estar dos nutricionistas brasileiros [tese]. Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde; 2008.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. Mudanças na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública. 2004; 20(5):1400-1410.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.6246

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.