REFLETINDO SOBRE EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM TEMPOS DE PANDEMIA - RABISCOS, RISCOS E DISCRETAS OUSADIAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.66426

Palavras-chave:

educação em saúde, educação popular em saúde, biopolítica, pandemia de covid-19

Resumo

Este ensaio tem o objetivo de problematizar os efeitos e movimentos produzidos pelas ações de educação em saúde quando massificadas, em especial, no contexto da pandemia de covid-19. Para tanto, incialmente, ele retoma o histórico do desenvolvimento das atividades de educação em saúde no Brasil, buscando entender os diferentes formatos que ela assumiu, e assume ainda hoje, nas políticas e nos serviços públicos de saúde. A educação popular em saúde, que tem como base teórica os trabalhos de Paulo Freire aparece, então, como um importante desdobramento destas atividades em nosso país, a partir dos anos de 1980. As análises que se seguem utilizam os trabalhos de Michel Foucault notadamente os conceitos de biopolítica e governamentalidade para pensar criticamente, este processo, aprofundando o debate sobre o tema no contexto atual, imerso na pandemia da covid-19. Mesmo diagnosticando o lugar paradoxal que ocupa a educação em saúde no interior da saúde pública e da governamentalidade neoliberal, procura-se estabelecer um diálogo a partir dela, no intuito de facultar a invenção de novos sentidos, a produção de novas realidades.

Biografia do Autor

Marcia Raposo Lopes, EPSJV/Fiocruz

Professora-pesquisadora da EPSJV/Fiocruz, doutora em Psicologia Social pela UERJ, pos doutora em Políticas Públicas e Formação Humana pela UERJ

Heliana de Barros Conde Rodrigues, UERJ

Professora Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), vinculada ao Instituto de Psicologia/Departamento de Psicologia Social e Institucional no Rio de Janeiro

Referências

AQUINO, J.G. La teorización foucaultiana y sus efectos sobre el campo educativo. In: Cortés, O.P.; Vaca, M.T.S.; Bernal, O.O.P. (comp.) Pensar de outro modo: herramientas filosóficas para investigar em educación. Tunja, Colombia, 2017, p. 17-27.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b

FOUCAULT, M. Crise da medicina ou crise da antimedicina? In: Motta M.B. (org.) Ditos e Escritos VII. Arte, epistemologia, filosofia e história da medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011, p. 374-393.

FURTADO, M.; SZAPIRO, A. Promoção da Saúde e seu Alcance Biopolítico: o discurso sanitário da sociedade contemporânea. In Saúde Soc. São Paulo, v.21, n.4, p.811-821, 2012

HESS, R. Do efeito Mühlmann ao princípio de falsificação: instituinte, instituído, institucionalização. Mnemosine Vol.3, nº2, p. 148-163, 2007

L’ABBATE, S. O analisador dinheiro em um trabalho de grupo realizado num hospital universitário em Campinas: revelando e desvelando as contradições institucionais. In: Rodrigues & Altoé (orgs) SaúdeLoucura nº 8. Análise Institucional, São Paulo: Hucitec, 2004, p. 79-99.

LAPASSADE, G. El analizador y el analista. Barcelona: Gedisa, 1979.

LAVAL, C. Foucault, Bourdieu e a questão neoliberal. São Paulo: Elefante, 2020.

LEMKE, T. Foucault, governamentalidade e crítica. São Paulo: Politeia, 2017.

LYPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companha das Letras, 2007.

LOURAU, R. Analyse institutionnelle et question politique, L’homme et la société n° 29-30, 1973.

LOURAU, R. Dos indicadores sociais aos analisadores sociais. Mnemosine. v. 16, n.1, 2020, p.232-246.

MACIEL, M. Educação em saúde: conceitos e propósitos. Cogitare Enferm. Curitiba, v. 14, n. 4, p. 773-776, 2009.

MACINKO, J.; MENDONÇA, C. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde debate, Rio de janeiro, v. 42, número especial 1, p. 18-37, setembro 2018.

MBEMBE, A. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2018.

MELO, L. Análise biopolítica do discurso oficial sobre educação em saúde para pacientes diabéticos no Brasil. Saúde Soc. São Paulo, v.22, n.4, p.1216-1225, 2013.

MEYER, D. el al. “Você aprende. A gente ensina?” Interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva da vulnerabilidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1335-1342, 2006.

MOREL, C.; PEREIRA, I.; LOPES, M. Educação em saúde: devemos insistir? In MOREL, C.; PEREIRA, I.; LOPES, M. (org.). Educação em saúde: material didático para formação técnica de agentes comunitários de saúde. Rio de Janeiro: EPSJV, 2020, p. 16-18.

MOREL, A. Da educação sanitária à educação popular em saúde: reflexões sobre a pandemia do coronavírus. In Revista Estudos Libertários (REL), UFRJ, Rio de Janeiro, vol. 2. n 3; ed especial n. 1, 2020.

RODRIGUES, H. B. C. Análise institucional francesa e transformação

social: o tempo (e contratempo) das intervenções. In: RODRIGUES, H.B.C.;

ALTOÉ, S. (Orgs.). SaúdeLoucura nº 8. Análise Institucional. São Paulo: Hucitec, 2004, p.115-164.

ROSE, N. Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 2011.

SANT'ANNA, D. B. Transformações do corpo: controle de si e uso dos prazeres. In: RAGO, M.; ORLANDI, L.B.L.; VEIGA-NETO, A. (orgs.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 99-110

SILVA, C. et al. Educação em saúde: uma reflexão histórica de suas práticas. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro, v.15, n.5, p. 2539-2550, 2010.

SILVA, L. Entre Conceito e Carne: os usos de Foucault para ler a pandemia do novo coronavírus. In Dossiê Gênero, memória e cultura Arquivos do CMD, vol 8, n.2. Jul/Dez 2019.

SOTIRIS, P. Coronavirus contra Agamben. Por una biopolítica popular. Uninómada Sur, 2020. Disponível em: https://uninomadasur.net/?p=2575. Acesso em 01 nov 2021.

STOTZ, E. A educação popular nos movimentos sociais da saúde: uma análise de experiências nas décadas de 1970 e 1980. Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 9-30, 2005.

VASCONCELOS, E. Educação Popular e atenção à saúde da família. São Paulo: Hucitec, 2001.

WEBER, C. Programa de Saúde da Família e o Governamento das Populações. Educ. Real., Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 867-882, set./dez. 2011.

Downloads

Publicado

05-09-2022

Como Citar

LOPES, Marcia Raposo; RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. REFLETINDO SOBRE EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM TEMPOS DE PANDEMIA - RABISCOS, RISCOS E DISCRETAS OUSADIAS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 577–594, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.66426. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/66426. Acesso em: 13 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)