BICHAS PRETAS E NEGÕES: SEUS FAZERES CURRICULARES EM ESCOLAS DAS PERIFERIAS

Marcio Rodrigo Vale Caetano, Tarciso Manfrenatti de Souza Teixeira, Paulo Melgaço da Silva Junior

Resumo


Neste artigo, debateremos os limites e possibilidades das masculinidades negras imersas em normas curriculares cisheteropatriarcaisde duas escolas públicas localizadas nas periferias das cidades de Duque de Caxias e Rio de Janeiro, RJ. Para tanto, asexperiências autoetnográficas de dois docentes serão as bases para narrar as tensões e acordos emergentes a partir dos deslocamentos produzidos a partir das normas escolares, nos denunciando que, obstante ao controle, emergem ricas polissêmicas performatividades que habitam os cotidianos das escolas e disputam seus currículos.


Palavras-chave


Masculinidades; Currículos; Cotidianos; Escolas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.44438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional