A MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES DO PROGRAMA ESCOLA DA TERRA E DAS ÁGUAS, NA AMAZÔNIA PARAENSE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2023.70462

Palavras-chave:

Matemática, Formação de Educadores, Escola da Terra.

Resumo

O texto que ora se apresenta objetiva trazer, para análise e reflexão, o estudo sobre a formação continuada de educadores do Programa Escola da Terra, das Águas e da Floresta da Amazônia Paraense, o qual se desenvolveu no nordeste paraense, no município de Limoeiro do Ajurú. Para isso, empregou-se, como metodologia, observação participante da formação, análise das narrativas dos participantes; análise documental das cartas intituladas: “como me tornei educador(a) do campo”, das falas proferidas durante a formação, produção da cartografia social dos territórios e os registros fotográficos. Utilizamos como principais referências teóricas: Arroyo (2012), D’Ambrósio (2009), Freire (2019), Hage (2014), Pinheiro (2021), dentre outros importantes autores para o estudo. Os resultados apontaram para a necessidade de formação continuada para educadores que atuam em escolas do campo; formação específica para o ensino de matemática que leve em consideração os saberes e conhecimentos do cotidiano amazônico na relação com os conhecimentos matemáticos historicamente construídos, privilegiando as dimensões crítica e lúdica, quando em exercício em sala de aula na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental e da multissérie.

Biografia do Autor

Claudia Maria Rodrigues Barros, Instituto Federal do Pará (IFPA)

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós graduação em Educação da Universidade Federal do Pará PPGED/UFPA, linha Formação de Professores, Trabalho docente, Teoria e Práticas Educacionais. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação PPGED/UEPA, Linha Formação de Professores, tendo sido bolsista de produtividade Capes, possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (2007), graduação em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (2009),e especialização em Pedagogia do Movimento Humano pela Universidade do Estado do Pará (2008). Atualmente é Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico- EBTT do Instituto Federal do Pará, atuando principalmente com temas que se relacionam com a Educação, a Formação de Professores, trabalho docente, Corpo e Educação. É parecerista ad hoc na área de Ciências Humanas, fomentada pela Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (PROPPG/IFPA). Faz parte ainda do grupo de pesquisa CAÊ, Centro de Estudos Avançados em Educação e Educação Física (UFPA), Linha Corpo, Cultura corporal e Práticas corporais e Linha Diversidade e Educação. É membro associada ao Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE).

Cristian Rafael Silva Souza, Secretaria de Educação do Estado do Pará (SEDUC) e Secretaria Municipal de Educação de Ananindeua/PA (SEMED)

Graduação em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (UEPA); Especialização em Docência no Ensino Superior pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci (UNIASSELVI); Mestrado Acadêmico em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal do Pará (UFPA); Professor de Educação Física efetivo vinculado à Secretaria Municipal de Educação de de Ananindeua (SEMED); Professor de Educação Física efetivo vinculado à Secretaria Executiva de Educação do Estado do Pará (SEDUC); Membro do grupo de pesquisa CAÊ (Centro Avançado de Estudos em Educação e Educação Física), vinculado à UFPA.

Maria do Socorro Dias Pinheiro, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutora em Educação, linha formação de professores, trabalho docente, teorias e práticas educacionais, pela Universidade Federal do Pará (2021); Mestre em Educação pela Universidade Federal do Pará, especialista em Gestão Estratégica e Qualidade pela Universidade Cândido Mendes. É graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará. Participa de grupos de pesquisa: Centro Avançados em Educação e Educação Física. (CAÊ) e o Grupo de Pesquisa em Educação do Campo (GEPERUAZ). Atuou como docente na educação básica (educação infantil, anos iniciais e finais do ensino fundamental e ensino médio); esteve diretora de escola pública e na coordenação geral ensino fundamental da rede municipal do município de Cametá. Atualmente é docente do Curso de Licenciatura em Educação do Campo, da Faculdade de Educação do Campo, do Campus Universitário do Tocantins/Cametá-UFPA.

Referências

ARROYO, M. G. Formação de Educadores do Campo. In: CALDART, R. S. et al. (org.) Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

BENJAMIN, C.; CALDART, R. S. Projeto Popular e escolas do Campo. Brasília: Articulação Nacional por uma educação básica no campo, 2000. Coleção Por uma Educação Básica do campo.

BRASIL. Escola da Terra instituído pela Portaria nº 579 de 02/07/2013. Ministério da Educação.

Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/par/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/18725-escola-da-terra> Acesso em: 8 ago. 2022.

CORDEIRO, G. N. K.; REIS, N. da S.; HAGE, S. M. Pedagogia da Alternância e seus desafios para assegurar a formação humana dos sujeitos e a sustentabilidade do campo. Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 115-125, abr. 2011.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática e história da matemática. In: FANTINATO, M. C. de C. B. Etnomatemática: novos desafios teóricos e pedagógicos. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 52. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

GOHN, M. da G. Mídia, terceiro setor e MST: impactos sobre o futuro das cidades e do campo. Petrópolis: Vozes, 2000.

HAGE, S. A. M. Transgressão do paradigma da (multi)seriação como referência para a construção da escola pública do campo. Educação & Sociedade [online], 2014, v. 35, n. 129, p. 1165-1182. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014144531>Acesso em: 15 Jun. 2022.

JUSTINO, É. F. Escola da terra: um estudo sobre os desafios e possibilidades na formação de professores em classes multisseriadas. III Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas sobre Educação do campo. UFSCAR, 2015.

MOLINA, M. C. e JESUS, S. M. S. A. de. (Orgs). Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por Urna Educação do Campo, 2004.

MOREIRA, D. Etnomatemática e mediação de saberes matemáticos na sociedade global e multicultural. In: FANTINATO, M. C. de C. B. Etnomatemática: novos desafios teóricos e pedagógicos. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2009.

PASSADOR, C. S. A educação rural no Brasil: o caso da escola do campo do Paraná. São Paulo: Annablume, 2006.

PINHEIRO, M. do S. D. A concepção de educação do campo no cenário das políticas públicas da sociedade brasileira. 2021. Disponível em: <https://www.monografias.com/pt/trabalhos915/educacao-campo-politicas/educacao-campo-politicas.shtml> Acesso em: 31 ago. 2021.

RODRIGUES, A. C. L. Conhecendo a Pedagogia da Alternância. São Luís: IFMA, 2020.

TEIXEIRA, E. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. 9. Ed.

Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

31-03-2023

Como Citar

BARROS, Claudia Maria Rodrigues; SOUZA, Cristian Rafael Silva; PINHEIRO, Maria do Socorro Dias. A MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES DO PROGRAMA ESCOLA DA TERRA E DAS ÁGUAS, NA AMAZÔNIA PARAENSE. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 225–242, 2023. DOI: 10.12957/riae.2023.70462. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/70462. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ PROCESSOS FORMATIVOS NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES (AS) QUE ENSINAM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E/OU NOS ANOS IN