História de mulheres negras, professoras, ex-cotistas e suas memórias de infância e de adolescência na escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.63425

Palavras-chave:

mulheres negras, professoras, memórias, infâncias, adolescências

Resumo

De uma pesquisa mais abrangente com mulheres negras nos seus processos de formação docente, como cotistas de uma universidade pública estadual, selecionamos dois pontos para analisar: suas histórias de vida e trajetórias escolares na infância e na adolescência. Nossa pretensão é pensar que a constituição dessas mulheres negras professoras antecede a formação inicial. Nesse sentido, queremos explorar a discussão interseccional entre gênero, raça a partir da perspectiva pós-estruturalista que considera que somos sujeitos resultados de discursos. Vamos trabalhar com cinco mulheres negras professoras e ex-cotistas da primeira turma de Pedagogia, a partir da política de cotas, assumindo a entrevista narrativa como procedimento metodológico que aciona memórias e conhecimentos sobre si.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ANDRADE, Sandra dos Santos. A entrevista narrativa ressignificada nas pesquisas educacionais pós-estruturalistas. In: MEYER, Dagmar E.; PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisa pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 173-194.

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Pólen Livros, 2019.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2010.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca

Nacional, 2016.

FERRARI, Anderson. Bullying – O desafio do combate à discriminação na escola. Instrumento - Revista Estudos e Pesquisas Educacionais, Juiz de Fora, n.7, 2010.

FONTANA, Roseli A. Cação. Mediação pedagógica na sala se aula. Campinas/SP: Autores Associados, 2005.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FRASER, Nancy. Feminismo, capitalismo e a astúcia da história. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

GOMES, Nilma Lino. A mulher negra que vi de perto - o processo de construção da identidade racial de professoras negras. 2. ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003. 128p.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019. Edição do Kindle.

HALBAWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

hooks, bell. Olhares negros, raça e representação. São Paulo: Editora Elefante, 2019. 356p.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós- estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes. 1997.

MEYER, Dagmar Estermann. “Das (im)possibilidades de se ver como anjo”. In: GOMES, Nilma Lino; SILVA, Petronilha B. Gonçalves. Experiências étnico-culturais para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo: PUC-SP, n° 10, 1993.

OLIVEIRA, Maria Luisa Pereira de; MENEGHEL, Stela Nazareth; BERNARDES, Jefferson de Souza. Modos de subjetivação de mulheres negras: efeitos da discriminação racial. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 266-274, 2009.

RIBEIRO, Matilde. O feminismo em novas rotas e visões. Estudos Feministas, vol. 14, nº 3, p. 801-811, 2006.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação, Porto Alegre/RS, ano XXX, vol. 63, nº 3, p. 489-506, set./dez. 2007.

SKLIAR, C. É o outro que retorna ou é um eu que hospeda?: notas sobre a pergunta obstinada pelas diferenças em educação (Expositor da sessão especial A questão da diferença na Educação). In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 25., 2002, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPED, 2002.

TEIXEIRA, Moema de Poli. A Presença negra no magistério: Aspectos quantitativos. In: OLIVEIRA, Iolanda de (Org). Cor e Magistério. Rio de Janeiro: Quartet; Niterói: EdUUF, 2006.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna. Análises culturais – um modo de lidar com histórias que interessam à educação. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

DA SILVA, Kelly; FERRARI, Anderson. História de mulheres negras, professoras, ex-cotistas e suas memórias de infância e de adolescência na escola. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 716–737, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.63425. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/63425. Acesso em: 20 abr. 2024.