VÍDEOETNOPOESIAS COMO NARRATIVAS DE SENTIRPENSAR E PRODUZIR MEMÓRIAS: O CACICADO DE ERONILDES FIRMIN KAMBEBA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.77363

Palavras-chave:

Vídeoetnopoesia, Audiovisual, Memória, Colonialidade.

Resumo

Esse artigo tem como objetivo apresentar a jornada heroica da indígena Kambeba Eronildes Firmin, a Eroka Omagua/Kambeba, em tornar-se cacica de seu povo. A videoetnopoesia, proposta metodológica e epistemológica, desse artigo, se fundamenta na Antropologia poética de Hübert Fitche e seu conceito de etnopoesia, que significa, no campo do vídeo-pesquisa, uma possibilidade de aproximação entre a linguagem científica e a linguagem ancestral. A cacica Eroka, protagonista desse artigo, nos narra sua história em torno de seu cacicado, a partir de suas vivências e experiências de luta em torno do reconhecimento de seu povo, suas histórias e seus direitos. O artigo não é apenas uma transcrição de sua narrativa, mas é, fundamentalmente, uma tradução de sons, imagens, sonhos, e desejos de potências de reexistir, reiventar e de rearfirmação de si, do outro e da vida.

Biografia do Autor

Eglê Betânia Wanzeler, Universidade do Estado do Amazonas

Graduada em História. Mestre em Sociedade e Cultura na Universidade Federal do Amazonas. Doutora em Ciências Sociais pela PUC/SP. Professora da Escola Normal Superior da Universidade do Estado do Amazonas.

Brener Neves Silva, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal Fluminense (PPGCINE/UFF), Mestre em Cinema e Audiovisual pela UFF e graduado em Produção Audiovisual pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Eronilde Firmin Omágua kambeba, Não é o caso

Membro do Povo Omagua/ Kambeba. Possui graduação em Pedagogia Intercultural Indígena pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Mestranda em Linguística e Línguas Indígenas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É professora do Ensino Fundamental na Escola Municipal Indígena Kambeba Waynambi.

Referências

ALBÁN, Adolfo. Pedagogías de la re-existencia, artistas indígenas y afrocolombianos. In: ANDRADE, C. A. O.; ALVES, A. R. J. B. O cinema como cosmopoética do pensamento decolonial. Revista Logos, v. 27, n. 3, p. 80-96, 2020.

ELLSWORTH, Elizabeth. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. IN: SILVA, Tomaz Tadeu da. Nunca Fomos Humanos: nos rastros do sujeitos. Tradução Tomaz Tadeu da Silva. Autêntica: 2021

FITCHE, Hubert. Etnopoesia. Antropologia Poética das Religiões Afro-americanas. Tradução de Cristina Alberts e Reny Hernandes. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: essays in Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

KAMBEBA, Eronilde Fermin. Mulheres Cientistas na Amazônia. Documentário. UEA. Manaus, TV LEPETE, 2023. Disponível em www.youtube.com/tvlepete.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, Universidad Central, IESCO, Universidad Javeriana, Instituto Pensar Siglo del Hombre, 2007. p. 285-327.

RAMOS, W. M.; ROSSATO, M. Democratização do acesso ao conhecimento e os desafios da reconfiguração social para estudantes e docentes. Revista Eletrônica de Educação, v. 11, n. 3, p. 1034-1048, 2017.

WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo 1. Quito: Abya Yala, 2013.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

WANZELER, Eglê Betânia; SILVA, Brener Neves; OMÁGUA KAMBEBA, Eronilde Firmin. VÍDEOETNOPOESIAS COMO NARRATIVAS DE SENTIRPENSAR E PRODUZIR MEMÓRIAS: O CACICADO DE ERONILDES FIRMIN KAMBEBA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 233–244, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.77363. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/77363. Acesso em: 21 fev. 2024.