O GÊNERO PRATICADO COM AS CRIANÇAS: PERSPECTIVAS PARA UMA EDUCAÇÃO DO PORVIR.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.58568

Palavras-chave:

Infância. Educação do porvir. Processos Miméticos. Gênero

Resumo

Esse texto surge na urgência de pensarmos em perspectivas para uma educação do porvir e, emerge, a partir das memórias de alguns achados numa pesquisa de Mestrado que teve, como proposta, pensar o gênero praticado na/com a Educação Infantil. O propósito do artigo é enaltecer a produção performativa do gênero na infância, considerando que as prescrições e normas têm que ser praticadas pelas crianças, em suas articulações às aprendizagens que se forjam em meio aos rituais, gestos e processos miméticos, os quais têm como modelos e referências as tradições culturais, assim como o múltiplo repertório de imagens, inclusive as midiáticas, que compõem o imaginário infantil. Nesse sentido, é imperativo darmos visibilidade a essas memórias, no meio de uma pandemia, devido a capacidade das crianças em constituir-se como produtoras de subjetividades, em processos de criação permanente. Tais processos, que se realizam principalmente nos/com os corpos, expressam e criam relações com o mundo que se modificam permanentemente, produzindo diferença. Como pressuposto, esse texto pensa as crianças, e seus trânsitos escolares, como algo que, embora seja forjada na contingência das normas estabelecidas, atravessa e transborda as fronteiras do instituído, produzindo subjetividades que rompem às expectativas sociais. Algo primordial para vislumbrarmos uma educação do porvir.

Biografia do Autor

Bruno Costa Lima Rossato, PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO e FUNDAÇÃO CECIERJ.

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Gama Filho (2009), especialização em Administração e Planejamento da Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2013), e, aperfeiçoamento em Gênero e Diversidade na Escola pela Universidade Federal Fluminense (2014). Atualmente é Professor de Educação Infantil na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Mediador à Distância, no curso de graduação em pedagogia, pela Fundação CECIERJ. É bolsista FAPERJ (doutorado) no Grupo de Pesquisa CNPq/CUNADI, Currículos Narrativas Audiovisuais e Diferença, coordenado pela Prof. Dra. Conceição Soares. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil, interessando-se pelos temas: Cotidianos e Currículos; Docência; Narrativas Audiovisuais; Gênero e Sexualidade.

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008, p.13-38.

GUATTARI, Felix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. Porto Alegre, RS: Brasiliense, 1981.

KOHAN, Walter Omar. Infância: entre a Educação e a Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica Ed., 2003.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falava Zaratustra. Trad. José Mendes Souza. Rio de Janeiro: Ebooks Brasil. 2002.

PRECIADO, Beatriz/Paul. Quem defende a criança queer? 2013. Disponível em: <http://revistageni.org/10/ quem-defende-a-crianca-queer/>. Acesso em: 10 fev. 2021.

WULF, Christoph. Homo Pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. São Paulo: Hedra Ed., 2013.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

ROSSATO, Bruno Costa Lima. O GÊNERO PRATICADO COM AS CRIANÇAS: PERSPECTIVAS PARA UMA EDUCAÇÃO DO PORVIR. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 163–179, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.58568. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/58568. Acesso em: 24 abr. 2024.