A Linguística Sistêmico-Funcional: algumas considerações

Záira Bomfante Santos

Resumo


Este trabalho tem o propósito de apresentar um breve panorama da LinguísticaSistêmico-Funcional baseado nas concepções de Halliday (1994) e Halliday e Matthiessen(2004) por caracterizarem a teoria numa perspectiva social, rompendo com os paradigmas doformalismo linguístico. Halliday e Matthiessen (2004) estudam a linguagem como umaatividade social – parte da sociedade e dos usos da linguagem, uma situação de interativa –propondo um enfoque na concentração da atenção nos usuários e nos usos da língua. Assim,os autores propõem a Gramática Sistêmico-Funcional (GSF), situando a língua em seucontexto social, ultrapassando o limite da sentença e avançando para análise de textos. Apartir de algumas considerações de conceitos-chave da teoria, buscamos explicitar como se dáo funcionamento da linguagem em contextos comunicativos. Ancorada na abordagemfuncionalista, destacamos a noção de gramática, língua e sistema, a linguagem na interaçãosocial, a visão estratificada de língua para a realização de significados, bem como a noção demetafunção que assenta os significados realizados pela linguagem via interrelação texto econtexto. O que se busca com essa breve introdução da Linguística Sistêmico-Funcional émostrar como sua teoria fornece ferramentas úteis para se analisar qualquer instância deinteração linguística em um contexto de comunicação, identificando elementos linguísticos esintáticos que são funcionais para fins específicos nesse uso da língua. Para tanto, situamosexemplos de pesquisas no contexto nacional que têm utilizado esse arcabouço teórico.


Palavras-chave


língua; gramática; texto; contexto

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2014.12994

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br