SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: INTERFACES E DIMINUIÇÃO DE DESIGUALDADES SOCIAIS

Cilene da Silva Gomes Ribeiro, Maria Cecilia Barreto Amorim Pilla

Resumo


Muitas mudanças têm ocorrido na forma da sociedade se alimentar ao longo da história. Com crescimento do processo de urbanização, o cotidiano das grandes cidades têm se caracterizado por práticas alimentares que priorizam a rapidez, economia e praticidade, muitas vezes em detrimento da qualidade, quantidade, do aspecto nutricional, social e ético que o alimento representa. Ao mesmo tempo em que muitos ainda não têm acesso ao alimento, situação particularmente resultado de desigualdades sociais, emerge um perfil alimentar caracterizado pelo consumo em excesso de alimentos industrializados, ricos em açúcares e gorduras, acarretando mudanças no perfil epidemiológico mundial e da população brasileira. O contraste das doenças causadas pelos excessos alimentares e a fome resulta em situações de insegurança alimentar e nutricional, gerando desumanização e aumento das desigualdades. Deve-se estudar todos os focos e enfoques que se relacionam, pois essa temática é fundamental no que tange a humanização, respeito e conduta ética do ser humano, dos governos e das comunidades.

DOI 10.12957/demetra.2014.6642


Palavras-chave


segurança alimentar e nutricional, consumo, desigualdades

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Burke P. A escola dos Annales. São Paulo: Unesp; 1991.

Braudel F. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII. As estruturas do cotidiano. São Paulo: Martins Fontes; 2005.

Santos CRA. O império McDonald e a McDonalização da sociedade: alimentação, cultura e poder. Seminário facetas do império na história. 6-10 nov. 2006; Curitiba, Brasil. Curitiba: UFPR; 2006. Disponível em: http://people.ufpr.br/~andreadore/antunes.pdf.

Pipitone MAP. Educação para o consumo de alimentos. Hig. Aliment. 2005; 19(132):18-23.

Garcia RWD. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev. Nutr. 2003; 16(4):483-492.

Almeida SS, Nascimento PCBD, Quaioti TCB. Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira. Rev. Saúde Pública. 2002; 36(3):353-355.

Levy-Costa RB. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev. Saúde Pública. 2005; 39(4):530-540.

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação adequada no Brasil. Brasília: CONSEA; 2010. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/consea/biblioteca/publicacoes/a-seguranca-alimentar-e-nutricional-e-o-direito-humano-a-alimentacao-adequada-no-brasil

Belik W. Perspectivas para segurança alimentar e nutricional no Brasil. Saúde Soc. 2003; 12(1):12-20.

Pessanha LDR. Experiência brasileira em políticas públicas para a garantia do direito ao alimento. Rio de Janeiro: IBGE; 2002.

Sloan D. Gastronomia, restaurantes e comportamento do consumidor. Barueri: Manole; 2005.

Carneiro HS. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Elsevier; 2003.

Poulain JP. Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis: UFSC; 2004.

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. A segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação adequada no Brasil. Brasília: CONSEA; 2010. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/consea/biblioteca/publicacoes/a-seguranca-alimentar-e-nutricional-e-o-direito-humano-a-alimentacao-adequada-no-brasil

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Construção do sistema e da política nacional de segurança alimentar e nutricional: a experiência brasileira. Brasília: CONSEA; 2009. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/consea/biblioteca/publicacoes/copy_of_versao-em-portugues

Franco A. De caçador a gourmet: uma história da gastronomia. 4. ed. São Paulo: Senac; 2006.

Pineyrua DGF. Regionalismo alimentar: identificação de grupos de consumidores que valorizam o prazer e as tradições alimentares. Campo Grande: UNB; 2006.

Carneiro HS. Comida e sociedade: significados sociais na história da alimentação. História: Questões & Debates. 2005; 42:71-80.

Montanari M. Comida como cultura. São Paulo: SENAC; 2008.

Flandrin JL, Montanari M. História da alimentação. São Paulo: Estação Liberdade; 1998.

Cavalli SB. Segurança alimentar: a abordagem dos alimentos transgênicos. Rev. Nutr. 2001;14:41-46.

Guivant JS. Os supermercados na oferta de alimentos orgânicos: apelando ao estilo de vida ego-trip. Ambiente & Sociedade. 2003; 6(2):63-81.

Castelli G. Gestão hoteleira. São Paulo: Saraiva; 2006.

Miele M, Murdoch J. The practical aesthetics of traditional cuisines: slow food in Tuscany. Sociol. Rural. 2002; 42(4):312-328.

Oliveira SP. Estudo do consumo alimentar: em busca de uma abordagem multidisciplinar. Rev. Saúde Pública. 1997; 31(2):201-208.

Caballero B, Popkin BM. The nutrition transition: diet and disease in the developing world. Maryland: Johns Hopkins University; 2002.

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Princípios e diretrizes de uma política de segurança alimentar e nutricional. Brasília: CONSEA; 2004. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/consea/biblioteca/publicacoes/principios-e-diretrizes-de-uma-politica-de-san




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.6642

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.