ACESSO À FRUTAS E HORTALIÇAS EM ÁREAS PERIFÉRICAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Mariana Tarricone Garcia, Jessica Vaz Franco, Christiane Gasparini Araújo Costa, Cláudia Maria Bógus

Resumo


A ausência de ambientes alimentares favoráveis constitui-se em um obstáculo à adoção de práticas alimentares saudáveis. Com o objetivo de descrever práticas de aquisição de frutas e hortaliças de moradores de áreas periféricas da região metropolitana de São Paulo e como percebem o acesso a estes alimentos, foi realizado um estudo descritivo no município de Embu das Artes, São Paulo. Foram conduzidas entrevistas com 47 indivíduos. Os principais locais de aquisição de frutas e hortaliças eram feiras-livres e sacolões. Da análise das entrevistas semiestruturadas identificou-se os seguintes temas principais: disponibilidade de frutas e hortaliças, distância entre o domicílio e os locais de compra, variedade dos alimentos, qualidade dos alimentos e preços dos alimentos. Essa análise revelou o abastecimento insuficiente de frutas e hortaliças. Os relatos que manifestaram percepções positivas em relação à disponibilidade e qualidade de frutas e hortaliças foram daqueles que moravam ou trabalhavam próximos a feiras-livres e sacolões. A alimentação adequada e saudável foi associada a preços altos, ainda que os preços praticados nas feiras-livres tivessem apresentado percepções positivas. Este estudo mostrou que a população que reside próxima a feiras-livres e sacolões utiliza-os com frequência para a compra de frutas e hortaliças. Assim, nota-se a importância destes estabelecimentos típicos de comercialização de alimentos saudáveis distribuídos nos territórios.

DOI: 10.12957/demetra.2018.33425

 


Palavras-chave


Segurança alimentar e nutricional; Abastecimento de alimentos; Política Nutricional; Hábitos Alimentares; Meio Ambiente e Saúde PúblicaSegurança Alimentar e Nutricional. Abastecimento de Alimentos. Política Nutricional. Hábitos Alimentares. Meio Ambiente.



DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2018.33425