TECNOLOGIA COMO PREMISSA PARA INOVAÇÃO PEDAGÓGICA E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.69828

Palavras-chave:

deficiência, tecnologia, educação inclusiva, teoria histórico-cultural.

Resumo

O presente artigo apresenta resultados de uma investigação realizada no âmbito do Centro de Inovação Tecnológica e Educação Inclusiva (CITEI) com foco no pensamento computacional. Em termos metodológicos a pesquisa foi qualitativa e contou com a participação de 10 crianças entre 10 e 12 anos de idade com e sem deficiência. Os procedimentos de produção dos dados foram realizados durante as atividades desenvolvidas pelos participantes utilizando scratch por meio de registros em diário de campo, relatório de acompanhamento das atividades (roteiro de observação sistematizado) e análise de imagens de vídeo (filmagem), pautada na microgênese da teoria histórico-cultural.  As análises evidenciaram, entre outros aspectos, a importância da interação com a diversidade e o uso da tecnologia como um instrumento mediador que apoiou os participantes a se apropriarem de conceitos e processos psicológicos superiores como memória, imaginação e criatividade, assim como favoreceu a inclusão educacional.

Referências

Referências

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, janeiro de 2008.

BRASIL. Lei 13.146/2015 (LEI ORDINÁRIA). 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

BAIRRAL, M. A. Dimensões a considerar na pesquisa com dispositivos móveis. Estudos avançados, 32 (94), p. 81-95, 2018.

BIANCHETTI, L. Da chave de fenda ao Laptop. Tecnologia digital e novas qualificações: desafios à educação. Petrópolis: Vozes, 2001.

BÖCK, G. L. K. O Desenho Universal para Aprendizagem (DUA) e as contribuições na educação a distância. 391f. Tese (Doutorado em Psicologia), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

CAVALCANTE, H. F. Pensamento computacional e programação introdutória: um estudo de caso sobre competências desenvolvidas na programação em blocos com o code.org. 88 f. Monografia (Graduação) – UFPB/CCAE. Rio Tinto: 2016.

GÓES, M. C. R. de. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Caderno Cedes, v.20, n.50, 2000.

FACCI, M. G. D.; BRANDÃO, S. H. A. A importância da mediação para o desenvolvimento das funções psicológicas superiores de alunos da educação especial: contribuições da psicologia histórico-cultural. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação do Paraná, 2008 (produção didático-pedagógica PDE/UEM).

FREITAS, S. N.; RECH, A. J. Atividades de enriquecimento escolar como estratégia para contribuir com a inclusão escolar dos alunos com altas habilidades/superdotação. Archivos Analíticos de Políticas Educativas / Education Policy Analysis Archives, v. 23, p. 1-17, 2015.

LÉVY, P. A máquina universo: criação, cognição e cultura informática. Trad. Bruno Charles Magne. Porto Alegre:ArtMed, 1998.

NUNES, L. R.; PELOSI, M. B.; WALTER, C. C. F. (Org). Compartilhando experiências: ampliando a comunicação alternativa. Marília: ABPEE, 2011.

OLIVEIRA, M. C. P. de. Imaginar e criar: o uso da linguagem de computação numa perspectiva inclusiva. 150f. Tese. PPGEduc (Doutorado em Educação). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 2020.

OLIVEIRA, M. C. P. de.; PLETSCH, M. D.. Por uma ciência do humano: a Linguagem de computação em uma perspectiva inclusiva, 2022. (no prelo)

PLETSCH, M. D. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. 2ª edição. Rio de Janeiro: NAU, p. 249-261, 2014.

PLETSCH, M. D.; SOUZA, I. M. da S. de. Diálogos entre acessibilidade e Desenho Universal na Aprendizagem. In: PLETSCH, M. D.; SOUZA, I. M. da S. de.; RABELO, L. C. C.; MOREIRA, S. C. C.; ASSIS, A. R. de. Acessibilidade e Desenho Universal na Aprendizagem. Editora Encontrografia/ANPER, 2021.

SCHOEFFEL, P. et al. Uma Experiência no Ensino de Pensamento Computacional e Fomento à Participação na Olimpíada Brasileira de Informática com Alunos do Ensino Fundamental. IV Congresso Brasileiro de Informática na Educação, p. 1474–1484, 2015. Disponível em: <http://br-ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/6333>.

SENNA, L. A. G. Fundamentos da linguagem na educação. Curitiba: Appris, 2019.

SOUZA, I. M. S.; PLETSCH, M. D.; SOUZA, F. F. Livro Didático Digital Acessível no processo de ensino e aprendizagem de alunos com deficiência intelectual. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 17, p. 216-236, 2020.

SMOLKA, A. L. B. Comentários do livro (obra comentada). In: Imaginação e criação na infância (Org. SMOLKA, A. L. B.). São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas V: fundamentos de defectologia (1997). Madrid: Machado, 2012.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância (Org. SMOLKA, A. L. B.). São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. MICHAEL COLE et al. (orgs); NETO, J. C.; BARRETO, L. S. M.; AFECHE, S. C. (Trad). 7º ed. - São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em psicologia. Claudia Berliner (tradução) - 3ªed. – São Paulo: Martins Fontes, 2004

Downloads

Publicado

07-12-2022

Como Citar

OLIVEIRA, Mariana Corrêa Pitanga de; PLETSCH, Márcia Denise. TECNOLOGIA COMO PREMISSA PARA INOVAÇÃO PEDAGÓGICA E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 611–629, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.69828. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/69828. Acesso em: 14 jul. 2024.