SÁBIAS MÃOS QUE PRODUZEM CONHECIMENTO

“TUDO ISSO É CIÊNCIA!”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2024.77602

Resumo

A partir de falas negras brasileiras sobre ciência o artigo traz a oralidade e a memória como valores civilizatórios afro-brasileiros (Trindade, 2009) para fazer pensar saberes através de outros modos e usos de produção de conhecimento no cotidiano de populações negras e/ou indígenas. Tal sapiência é aqui demonstrada em diálogo com a produção do curta-metragem Sábias Mãos (2023). Com efeito adverso, esse diálogo trata de enaltecer o cinema negro, além de valorizar outros saberes ao trazer para cena uma mulher negra como protagonista partilhando sua sabedoria e ancestralidade através da palavra falada. Seus longos áudios são podcasts cujos sons narram parte de sua trajetória.

Biografia do Autor

Aline Regina Cardozo de Brito, UERJ

Doutoranda e mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd-UERJ), licenciada em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), especialista em Linguística Aplicada pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e especialista em Orientação Educacional pelo Instituto Multidisciplinar de Formação Humana com Tecnologias (IFHT-UERJ). Professora e Orientadora Educacional na Educação Básica da rede pública de ensino. Membro do Grupo de Pesquisas Culturas e Identidades no Cotidiano (ProPEd-UERJ), Grupo de Estudos Cinema e Educação do Laboratório Kumã (IACS-UFF), da Casa Das Mulheres (CDM) da Maré e do Coletivo Mulheres do Ler.

Danielle Christina do Nascimento Oliveira, UERJ

Doutoranda e mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd-UERJ), licenciada em Pedagogia pela Faculdade de Educação (UERJ), especialista em Educação das Relações Étnico-Raciais no Ensino Básico pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura do Colégio Pedro II (EREREBÁ-PROPGPEC-CP2) e especialista em Docência com ênfase em Educação Inclusiva pelo Instituto Federal Minas Gerais (IFRJ). Professora na Educação Básica da rede pública de ensino. Membro do Grupo de Pesquisas Culturas e Identidades no Cotidiano (ProPEd-UERJ), do Grupo de Estudos e Extensão Currículo em Movimento na Educação Infantil (CEIMOV-UFRJ) e do Coletivo Mulheres do Ler da Baixada Fluminense.

Marco Aurélio da Conceição   Correa, UERJ

Doutorando e mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd-UERJ), licenciado em Pedagogia pela Faculdade de Educação (UERJ), especialista em Ensino de História da África pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura do Colégio Pedro II (PROPGPEC-CP2). Professor na Educação Básica da rede pública de ensino.

Tatiana Gomes Rosa, UERJ

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd-UERJ), mestra em Relações Étnico-Raciais pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-Raciais do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (PPRER-CEFET/RJ), especialista em Política de Promoção da Igualdade Racial no Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto (ICHS-UFOP) e, licenciada em Artes Visuais na Universidade Federal de Espírito Santo (UFES). Professora na Educação Básica da rede pública de ensino. Membro do Grupo de Pesquisas Culturas e Identidades no Cotidiano (ProPEd-UERJ).

Mailsa Carla Pinto Passos, UERJ

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro  (PUC-RJ), mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd-UERJ), licenciada em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro  (UFRJ). Professora Titular do Ensino Superior da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Procientista, Coordenadora do Grupo de Pesquisa Culturas e Identidades no Cotidiano do Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd-UERJ). 

 

Referências

ALVES, Nilda. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. In: Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1195-1212, out.-dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n113/08.pdf. Acesso em: 02 jun. 2023.

ANDRADE, Nívea; CALDAS, Alessandra Nunes; ALVES, Nilda. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; SUSSUKIND, Maria Luiza; PEIXOTO, Leonardo (orgs). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente - questões metodológicas, políticas e epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019. p. 160-179.

ALVES, Nilda. Sobre as redes educativas que formamos e que nos formam. In: ALVES, Nilda. Práticas pedagógicas em imagens e narrativas – memórias de processos didáticos e curriculares para pensar as escolas hoje. São Paulo: Cortez, 2019.

B , Amadou Hampaté. A educação tradicional na África. Revista Thot, São Paulo, v. X, n. 64, p. 23-26, jan. 1987.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 jun. 2023.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 15 jun. 2023.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. 2008b Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 15 jun. 2023..

CAZÉ, Bárbara Maia Cerqueira (org.). Mulheres negras na tela do cinema. Vitória: Pedregulho, 2020.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

EVARISTO, Conceição. Escrevivências da Afro-Brasilidade: história e memória. In: REVISTA RELEITURA – ISSN1980-3354, Belo Horizonte, Fundação Municipal de Cultura, novembro, nº 23, 2008, pp.1-17. Disponível em: <https://prefeitura.pbh.gov.br/sites/default/files/estrutura-de-governo/fundacao-municipal-de-cultura/2021/revista_releitura_v23.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2023.

FERREIRA, Geraldo. Aprenda mais sobre nossa história. Secretaria de Turismo 2023. Disponível em: https://pmspa.rj.gov.br/historia/. Acesso em: 20 jun. 2023.

OLIVEIRA, Janaína. Kbela e Cinzas: O cinema negro no feminino do 'Dogma Feijoada' aos dias de hoje. In: Avanca Cinema: Conferência Internacional, 2016.

FREITAS, Kênia. Cinema Negro Brasileiro: uma potência de expansão infinita. In: SIQUEIRA, Ana [et al]. Festival Internacional de curtas de Belo Horizonte (catálogo). Belo Horizonte: Fundação Clóvis Salgado. 2018.

GONZÁLEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília: ANPOCS, 1984.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo Martins Fontes, 2013.

MIGLIORIN, Cezar et al. Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos. Niterói: Editora da UFF, 2014.

MUNDURUKU, Daniel. “Os povos indígenas são a última reserva moral dentro desse sistema”. Entrevista concedida a Pedro Stropasolas. Brasil de fato: uma visão popular do Brasil e do mundo, São Paulo, np, outubro, 2021. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2021/10/17/daniel-munduruku-os-povos-indigenas-sao-a-ultima-reserva-moral-dentro-desse-sistema#:~:text=As%20popula%C3%A7%C3%B5es%20ind%C3%ADgenas%20sempre%20se,a%20gente%20faz%20nesse%20mundo. Acesso em: 29 jun. 2023.

NOLASCO-SILVA, Leonardo; REIS, Vinícius. Currículos fabulados, gênero encenado e a audiovisualização da ciência. Seminário Internacional Fazendo Gênero 12 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2021. Disponível em: https://www.fg2021.eventos.dype.com.br/resources/anais/8/fg2020/1613611175_ARQUIVO_d3748bf0e4889fcb1799a 5dd18b7dfb6.pdf. Acesso em: 02 jun. 2023.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 391-415. Tradução para uso didático de Wanderson Flor do Nascimento.

PASSOS, Mailsa Carla Pinto. Encontros cotidianos e a pesquisa em Educação: relações raciais, experiência dialógica e processos de identificação. In: Educar em Revista. Curitiba: Editora UFPR, n. 51, jan./mar. 2014, p. 227-242. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/33398/22082. Acesso em: 15 jun. 2023.

SANTOS, Milton. O retorno do território. In: OSAL : Observatorio Social de América Latina. Año 6 no. 16 (jun. 2005). Buenos Aires : CLACSO, 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal16/D16Santos.pdf. Acesso em: 20 jun. 2023.

SOUZA, Maria Adélia Aparecida de. Milton Santos, um revolucionário. In: O retorno do território. In: OSAL : Observatorio Social de América Latina. Año 6 no. 16 (jun. 2005). Buenos Aires : CLACSO, 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal16/D16Santos.pdf. Acesso em: 20 jun. 2023.

TRINDADE, Azoilda Loretto da. Valores civilizatórios afro-brasileiros e Educação Infantil: uma contribuição afro-brasileira. In: TRINDADE, Azoilda Loretto da; BRANDÃO, Ana Paula (org). Modos de brincar: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.

Downloads

Publicado

2024-04-09

Como Citar

BRITO, Aline Regina Cardozo de; OLIVEIRA, Danielle Christina do Nascimento; CORREA,MarcoAuréliodaConceição ; ROSA, Tatiana Gomes; PASSOS, Mailsa Carla Pinto. SÁBIAS MÃOS QUE PRODUZEM CONHECIMENTO : “TUDO ISSO É CIÊNCIA!”. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 01–19, 2024. DOI: 10.12957/redoc.2024.77602. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/77602. Acesso em: 27 maio. 2024.