Saberes e interlocuções em redações de vestibular

Victória Wilson, Angélica Pereira da Silva Venturim

Resumo


A presente pesquisa tem como objetivo investigar de que modo é dado o processo argumentativo na redação de vestibular. Considerando-se a especificidade do seu contexto de atuação, a abordagem de tal gênero revela marcas de interação singulares, as quais envolvem variadas representações ideológicas dos escreventes associadas a concepções sobre a escrita e os conhecimentos que circulam nos contextos sociais e escolares. Foram analisados textos de um concurso vestibular (2011), sob a perspectiva enunciativo-discursiva, especialmente, as concepções de dialogismo, responsividade (Bakhtin, 1986 [1929]) e gênero discursivo (Bakhtin,       2003 [1952]); a designação das diferentes representações do escrevente (Corrêa, 2004); e a presença da palavra de autoridade (Bakhtin, 1993 [1934]) para a tomada de posição dos escreventes na elaboração de seus textos. Essas compreensões são perpassadas pelo entendimento da enunciação como um ato argumentativo (Goulart, 2007), fundamentando a identificação das fontes de referência do candidato (cotidianas e institucionalizadas) e das estratégias construídas para se alcançar a aceitação de um interlocutor carregado de rotulações presumidas socialmente.

Palavras-chave


Gênero discursivo; Escrita; Dialogismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2013.9349

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br