“O que eu vejo é o beco”: Manuel Bandeira, a poética do entrelugar

Maria Cristina Cardoso Ribas

Resumo


O trabalho é uma breve releitura de Estrela da vida inteira, de Manuel Bandeira,que considero um livro de livros. Com um enfoque topográfico do pensamento, via Foucault(1979), a análise favorece a valorização dos espaços estreitos do Beco como ponto de vistaprivilegiado e a este observatório espacial, constituído no discurso poético, chamo entrelugar(SANTIAGO, 1978), topos que inclui o caráter paradoxal e multifacetado do esteláriobandeiriano e, portanto, desliza dos enquadres periodísticos e da biografia como explicaçãooriginal. O procedimento leva a uma leitura de fragmentos, poemas em feixe numa escolhaaparentemente aleatória, mas que provém de uma longa imersão anterior na obra em foco,buscando ressaltar o modus operandi do poeta. Espera-se que as sinalizações aqui oferecidasestimulem os leitores a empreenderem novas leituras da obra poética de Bandeira. DOI 10.12957/soletras.2013.7317

Palavras-chave


Manuel Bandeira. Entrelugar. Poesia. Releitura. Enfoque topográfico.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2013.7317

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br