Cruz e Sousa e a poesia do século XX: por dentro do verso

Juan Marcello Capobianco

Resumo


O presente trabalho propõe uma análise que diferencia a poética em seu aspecto exterior – exógeno, e interior – endógeno, o que torna a poesia de Cruz e Sousa mais nítida àobservação no que tange a uma continuidade com os poetas do Modernismo. Isto porque oenfoque exógeno privilegia as matrizes filosófico-ideológicas, as rupturas libertadoras, aquebra da forma parnasiante, o ufanismo nacionalista de raiz, do regionalismo artesanal, da temática citadina, urbana e das experiências do espírito novo. Entretanto, no enfoque endógeno, o verso se abre para revelar a lírica dos símbolos, a tensão sugestiva das metáforas,as sinestesias de elementos díspares, a musicalidade das aliterações e assonâncias, do sencontros consonantais, a projeção imagético-sensível das impressões, a amplitude evocativadas expressões, dos versos e das estrofes entre si e em conjunto. Por este referencial teórico, éjustamente no enfoque endógeno que Cruz e Sousa demonstra o quanto inaugurou uma nova forma de conceber a poesia no Brasil, cujo uso virtuoso do símbolo foi tomado de préstimo,destruído e reconstruído, recomposto, transformado e recriado pelos modernistas. Entretanto,é sempre do símbolo que se está falando, o que, por si só, atesta sua relevância. Algumas poesias dos modernistas – ou neossimbolistas – Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Oswaldde Andrade e Vinícius de Moraes serão confrontadas com outras de Cruz e Sousa. Longe deesgotar o tema, este artigo pretende apontar as possibilidades de um novo e amplo campo depesquisa.


Palavras-chave


Cruz e Sousa. Poesia. Modernismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2013.6906

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br