A expressão escrita como tentativa de assimilação e representação de uma nova cultura nos romances Nove noites, de Bernardo Carvalho e O enteado, de Juan José Saer

Kelly Viana dos Santos, Sylvia Helena Cyntrão

Resumo


A busca de elucidação sobre acontecimentos ligados ao choque cultural vivido por quem decidiu deixar seu ambiente familiar e se aventurar em nova cultura totalmente desconhecida, torna-se objeto de investigação nos romances Nove noites (2002), do brasileiro Bernardo Carvalho e O Enteado (1983), do argentino Juan Jose Saer. Seja por meio da investigação jornalística (Carvalho) ou por meio da restauração de dados da memória (Saer), a expressão escrita se destaca como elemento de arrefecimento do choque cultural vivido, bem como de articulação de uma forma mais adequada de assimilação e de representação de uma nova cultura. Em ambos os casos, o decorrer do tempo e a distância espacial entre os acontecimentos e aqueles que se dispõem a narrá-los se demonstra como fator complicador. Em Bernardo Carvalho, há  reivindicação da expressão escrita como fonte de dados para a investigação dos acontecimentos e como auxílio à representação do personagem. Já no romance de Saer, a expressão escrita é ausente no momento dos acontecimentos, porém se faz necessária para completar a sua assimilação, no decorrer do tempo. Essas e outras questões serão analisadas mais detidamente neste estudo comparado, à luz dos conceitos de identidade narrativa e da tríplice mimese de Paul Ricoeur.


Palavras-chave


Choque Cultural; Identidade narrativa; Mimese; Bernardo Carvalho; Juan Jose Saer.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2019.43069

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br