A palavra é o limite : a fala e a escrita em práticas artísticas contemporâneas, Alexandre Sequeira e Marcílio Costa em perspectiva

Camila do Nascimento Fialho, Érika Azevedo

Resumo


O presente artigo apresenta resultados parciais de uma investigação acerca da inscrição da palavra na produção artística contemporânea, a partir do diálogo com dois artistas de Belém/PA, Alexandre Sequeira e Marcílio Costa. Em sua abrangência, a pesquisa busca tensionar os limites de uso da palavra escrita/falada, transportando-a a outros contextos de significação, considerando-a sob dois prismas: a palavra enquanto narrativa oral, leia-se o estudo da tensão que se estabelece na memória que é acionada para presentificar e recriar um tempo passado através da fala ou da escrita; e a palavra enquanto pulsão criativa que se materializa na própria obra física, abarcando o estudo das imbricações e tensões entre a criação textual-poética e a criação da obra em si. Em um primeiro momento, faz um breve apanhado histórico acerca da inscrição da palavra no campo das artes plásticas e visuais. A seguir debruça-se nos trabalhos dos referidos artistas. O referencial teórico cruza estudos de Jacques Rancière e de Didi-Huberman que analisam o embate texto-imagem na perspectiva do sensível que atua no mundo; de Katia Canton que reflete sobre narrativas enviesadas e memória no contemporâneo; e o conceito de Literatura Expandida proposto por Ana Pato.


Palavras-chave


Palavra; Arte Contemporânea; Poesia; Literatura Expandida; Memória

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/soletras.2016.25991

Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br