O despertar para a docência como profissão: o que revelam as narrativas autobiográficas digitais

Késsia Mileny de Paulo Moura, Sérgio Roberto Kieling Franco, Herli de Sousa Carvalho

Resumo


Este texto tem como objetivo investigar a escolha da profissão docente por dois estudantes de pedagogia de uma universidade pública do nordeste brasileiro, utilizando a produção pelos participantes de narrativa autobiográfica em formato digital como instrumento de geração e análise de dados, adentra-se nas trajetórias de vida relatadas por esses sujeitos que contam seus encontros com a docência. Para fundamentar este estudo discute-se a narrativa autobiográfica em Delory-Momberger (2004, 2016) e Dominicé (2006); a narrativa digital em Maddalena (2018); e o narrar como um instrumento formativo, ancorando nossa discussão em Josso (2007) e Nóvoa (1992). Como resultado, os sujeitos despertaram para a profissão docente nos interstícios da vida, nas situações, lugares e, principalmente, pessoas (professores) que passaram e marcaram suas trajetórias. Também o narrar pelo atributo do digital foi uma experiência que os colocou em diálogo metacognitivo para situar a questão disparadora lançada, produzida na mistura das substâncias das linguagens digitais que incrementaram o relato.    


Palavras-chave


narrativa autobiográfica; narrativa digital; profissão docente

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2022.70247

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional