Da autonomia ao aprisionamento: a faceta conservadora e os ataques ao patrono da educação brasileira

Rafael de Farias Ferreira, Jorge Fernando Hermida Aveiro

Resumo


Nos últimos anos Paulo Freire passou de patrono da educação à “energúmeno”, “ídolo de esquerda”. Essa radical, mas processual, mudança de posicionamento, ocasionou repercussões de proporção internacional. O que gerou um encadeamento de opiniões em torno da legitimidade das obras e da importância de Freire para a educação. Para entender o alto teor subjetivista empregado nessa situação, o ensaio busca compreender por que motivos estão contestando e execrando desde o golpe jurídico-midiático-parlamentar de 2016 o legado do educador brasileiro. O estudo orientado pelo materialismo histórico-dialético busca a partir do que está aparente identificar a essência das ações. Nesse sentido, a conjuntura política e econômica são bases que desvelam os ataques como parte do conjunto de estratégias que procuram inserir as políticas educacionais na lógica do mercado. O momento histórico atual evidencia o aprofundamento de programas direcionadas ao uso de técnicas que flexibilizam o ensino, controlam os tempos pedagógicos e o ambiente escolar. Os ataques a Freire são formas de imobilizar os movimentos que resistem e lutam para impedir o projeto de desmonte da educação pública.


Palavras-chave


paulo freire; conservadorismo; neoliberalismo; fascismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2021.62056

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional