Sentidos da/para a formação de professoras coordenadoras: lições da experiência

Renata Cristina Oliveira Barrichelo Cunha, Keila Santos Pinto

Resumo


promovido pela Secretaria Municipal da Educação de um município paulista. A pesquisa teve como objetivos compreender os sentidos atribuídos a essa formação e os modos de estar na escola como professoras coordenadoras. Os dados de análise são compostos de cartas endereçadas às formadoras apontando os sentimentos, expectativas e necessidades formativas. As análises, orientadas pelo paradigma indiciário, evidenciaram que a formação foi compreendida como um momento de interrupção da rotina e possibilidade de deslocamento do olhar e, consequentemente, atribuição de sentido para o trabalho. Estar entre os colegas compartilhando ideias e sentimentos contribuiu com o sentimento de pertencimento no grupo e valorização da função. 


Palavras-chave


Formação continuada; Formação de formadores; Professoras coordenadoras; Cotidiano escolar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2021.50940

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional