Desenvolvimento profissional docente e a formação do homo creare experimentalis

Carlos Jose Trindade da Rocha

Resumo


Neste artigo, objetiva-se demonstrar um processo viável de formação do sujeito criativo investigativo, no ensino e aprendizagem de ciências, sob a égide do desenvolvimento profissional docente. Para isso, implementaram-se fases de criatividade com uso de Sequência de Ensino Investigativa (SEI) na experimentação investigativa. A metodologia foi norteada pela abordagem qualitativa, orientada por características que se mantêm ligadas a ideias e ações sociais de tendência emancipatória, ao mesmo tempo em que fundamenta e instrumentaliza a educação científica. As inferências de resultados apontam para demandas de formação ao homo creare experimentalis, ou seja, aquele sujeito que desenvolve processos de imaginação, com criatividade e autonomia, envolvendo a resolução de problemas propostos, em contornos de atividades investigativas. Além disso, nesta proposição formativa, possibilita-se exploração de ideias e previsões, elaborando planos de ações e experimentando o que se planeja, comunicando e socializando resultados com autonomia, permitindo, assim, atos criativos à ação de ensino e aprendizagem de professores e alunos.


Palavras-chave


Formação de professores; Ensino por investigação; Criatividade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2021.50913

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional