Experiências de/com uma "pessoa T" indígena entre-gêneros do/no cotidiano tocantinense

José Damião Trindade Rocha, Marcos Irondes Coelho, Alexandre Araripe Fernandes

Resumo


Ser anunciada como travesti no contexto do dia-a-dia é vigilância e punição para qualquer jovem. Em se tratando de uma jovem indígena entre-gêneros, as marcações de preconceito interseccionadas de etnia, gênero, sexualidade, travestilidade, identidade e cultura agem como governamentalidade do seu corpo e do seu ser/existir. Tensionar esses conceitos e (de)marcá-los na/com a narrativas da experiência de “pessoas T” é um desafio para estas pessoas, para a comunidade tradicional indígena e para nós da pesquisa/pesquisadores (as) “implicados” com/na educação. A investigação em andamento no PPPGE/UFT aborda questões no entorno das “relações homodesejantes” no Norte do Brasil na pesquisa-ação e participante de abordagem fenomenológica. Com Guacira Louro (2004), Berenice Bento (2008), Richard Miskolci (2016), Sandra Corazza (2001, 2002), nos implicamos da vivência/experiência de/com uma “pessoa T” indígena entre-gêneros, buscando construir aportes teóricos para descentrar práticas cis-heteronormativo na/da Amazônia oriental. Queremos ir além de uma formação impositiva de modelos de o como ser homem ou ser mulher, ser masculino e/ou ser feminino, hétero/homo/bi, para práticas igualitárias de gênero.


Palavras-chave


travestilidade indígena; pessoas T; práticas curriculares.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2020.49500

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional