A CRÍTICA DE NIETZSCHE À EDUCAÇÃO HISTÓRICA

Robson Cordeiro

Resumo


O texto procura mostrar a crítica feita por Nietzsche à educação histórica no século XIX, destacando de que modo uma formação que promove uma consideração excessiva do passado é prejudicial para a vida. Para fundamentar a sua crítica, Nietzsche elabora uma precisa e articulada conexão entre diversos conceitos, que aparentemente se opõem e se excluem —, como por exemplo, memória e esquecimento, histórico e a-histórico, interior e exterior, conteúdo e forma — mas que em seu pensamento são mantidos em tensão e reunidos como o que configura o acontecer histórico (Geschichte). Esta articulação e conexão ele pensa profundamente ao analisar os três diferentes tipos de história(Historie) e as respectivas utilidades e desvantagens que cada uma proporciona para a vida. Além disso, o texto também procuramostrar a decisiva articulação entre as forças a-históricas e supra-históricas, pensadas por Nietzsche como antídotos contra a doença histórica.


Palavras-chave


Nietzsche; educação; história; vida

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.44383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional