Diálogos interculturais e as potencialidades da lei 11.645-08: outros espaços de aprendizagens, outras leituras de mundo

Maria de Fátima Barbosa da Silva

Resumo


Este artigo objetiva externar alguns horizontes da lei 11.645-08, compreendendo-a por meio de princípios interculturais. Intenciona refletir sobre as bases conceituais da interculturalidade, as quais sugerem novos paradigmas para o ensino. Isto proporcionou a elaboração de metodologias para efetivação desta lei, experimentadas em turmas de oitavo e nono ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Altivo César, em Niterói (RJ), com caráter replicável. Defende-se que a perspectiva da pedagogia intercultural, é a de intervir na AÇÃO, em nossas práticas cotidianas em favor de diálogos entre as culturas, deslocando concepções etnocêntricas para narrativas plurais. Uma proposta democrática, em sentido amplo.


Palavras-chave


Ensino de História, Interculturalidade e Currículo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.33073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional