Da angústia à felicidade: caminhos tecnológicos de professores na pandemia

Heloisa Paes de Barros Arruda, Ana Maria Di Grado Hessel

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar os sentimentos e suas situações indutoras a partir da experiência de cinco professores do ensino fundamental da Rede Municipal de São Paulo com as aulas remotas. A pesquisa qualitativa discute as situações pedagógicas de que mais gostaram e aquelas de que menos gostaram no contexto da pandemia (Covid-19) de aulas mediadas pelas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC). Os dados foram coletados em agosto de 2020 com questionário formado por perguntas abertas e discutidos à luz da teoria de Henri Wallon por meio da análise de conteúdo, que mostraram a amplitude de sentimentos positivos e negativos relacionados à situação inusitada das aulas remotas. Sentimentos variados foram identificados: ansiedade e angústia pela situação nova e imediata das aulas mediadas pelas TDIC, a felicidade e satisfação de docentes pela participação dos alunos na aula síncrona, a alegria de alunos, que compreenderam o conteúdo. Alunos e professores, pessoas que devem ser observadas em sua integralidade, manifestam suas necessidades afetivas, cognitivas e motoras durante o processo de ensino-aprendizagem. Compreendendo essas necessidades, poderemos atendê-las e proporcionar um melhor aproveitamento nas situações pedagógicas.


Palavras-chave


Ensino-aprendizagem. Tecnologias. Afetividade. Pandemia. COVID-19.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria E. B. de; SILVA, M. da G. M. da. Currículo, tecnologia e cultura digital: espaços e tempos de web currículo. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 7 n. 1, abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2021.

ALMEIDA, Fernando J.; FRANCO, Mônica G. Tecnologias para a educação e políticas curriculares de Estado. In: CETIC.BR. TIC – educação 2013. São Paulo: 2014, p. 41-52.

ALMEIDA, Laurinda R.; MAHONEY, Abigail (Orgs.). Afetividade e aprendizagem - Contribuições de Henri Wallon. São Paulo: Loyola, 2007.

ALMEIDA, M.; ELIZABETH, B.; VALENTE, J. A. Políticas de tecnologia na Educação Brasileira: histórico, lições aprendidas e recomendações. In: Centro de Inovação para a educação brasileira, 2016. Disponível em: Acesso em: 10 mar. de 2021.

Autor. Percepção de sentimentos e emoções na videoconferência: um estudo com alunas do PEC- Municípios. Dissertação (Mestrado em Educação: Psicologia da Educação). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2005.

Autor. VIDEOCONFERÊNCIA E AFETIVIDADE: CAMINHOS POSSÍVEIS. Seminário em pesquisa da região sul, IX ANPED SUL, 2012. Disponível em: Acesso em: 10 abr. 2021.

BARCELOS, Gilmara T.; BATISTA, Silvia C. F. Ensino Híbrido: aspectos teóricos e análise de duas experiências pedagógicas com Sala de Aula Invertida. Renote, V. 17 Nº 2, agosto, 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2021.

CASTRO, Eder A.; QUEIROZ, Eliziane R. Educação à Distância e Ensino Remoto: Distinções Necessárias. Rev. Nova Paideia Revista Interdisciplinar em Educação e Pesquisa. Brasília/DF, v. 2, n. 3. Número Especial, p. 3-17, ANO 2020. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2021.

COLL, César. MONEREO, Carles (org.) Psicologia da educação virtual: Aprender e ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CETIC.BR. Pesquisa TIC Educação - 2019. [S.l.], 2020. Disponível em: Acesso em: 15 abr. 2021.

FRANCO, Maria Laura P. B. Análise de conteúdos. Brasília: Plano, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

INSTITUTO PENÍNSULA. Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no Brasil: estágio intermediário, 2020. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2021.

KENSKI, Vani M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus, 2003

LITTO, Frederic M.; FORMIGA, Manuel M. M. (orgs.) Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

MAHONEY, Abigail A.; ALMEIDA, Laurinda R. (Org.). Henri Wallon. São Paulo: Loyola, 2002.

MAHONEY, Abigail A.; ALMEIDA, Laurinda R. (Org.). A constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon. São Paulo: Loyola, 2004.

MAHONEY, Abigail A; ALMEIDA, Laurinda R. Afetividade e processo ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Revista Psicologia da Educação, São Paulo, n. 20, p. 11-30, 2005.

MENEZES, Suzy K.; FRANCISCO, Deise J. Educação em tempos de pandemia: aspectos afetivos e sociais no processo de ensino e aprendizagem. In: Revista Brasileira de Informática da Educação. V. 28, 2020. P.985 – 1021. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2021.

PRANDINI, Regina C. A. R. A Teoria de Henri Wallon e a Formação de Profissionais Dedicados à Educação. Relatório de pesquisa de Pós doutorado na Educação: Psicologia da Educação. São Paulo: PUC-SP, 2020.

SANTAELLA, Lucia. A educação e o estado da arte das tecnologias digitais. In: SALES, Mary V. S. (Org.) Tecnologias digitais, redes e educação: perspectivas contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2020.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019. E-book.

SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 64.864, de 16 de mar. de 2020 – Estado de São Paulo.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SEDUC 11, de 26 de jan. de 2021 – Diário Oficial do Estado de São Paulo.

SÃO PAULO (Município). Instrução Normativa SME nº 7, de 12 de março de 2021.

TASSONI, Elvira C. M. Afetividade na aprendizagem da leitura e da escrita: uma análise a partir da realidade escolar. In: Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro: UERJ V.13, n.2, 2013. Disponível em: Acesso em: 10 mar. De 2021.

WALLON, Henri. A la lumière du marxisme. Paris. Editions sociales Internacionales, 1936 apud PRANDINI, Regina C. A. R. A teoria de Henri Wallon e a formação de profissionais dedicados à educação. Relatório de pesquisa de Pós doutorado na Educação: Psicologia da Educação. São Paulo: PUC-SP, 2020.

WALLON, Henri. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Editorial Estampa, 1975.

WALLON, Henri. A evolução psicológica da criança. Tradução de Cristina Carvalho. Lisboa: Edições 70, 1981.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2021.60048

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.