PEDAGOGIA SURDA E VISUALIDADES: RASTROS CULTURAIS IMAGÉTICOS INDICADORES DE APRENDIZAGEM NA CIBERCULTURA

Rachel Capucho Colacique, Mirian Maia Amaral

Resumo


Este artigo, inspirado numa pesquisa de doutorado que procurou investigar o papel preponderante das visualidades para a aprendizagem das pessoas surdas, em diferentes “espaçostempos” educativos, tem como objetivo central identificas rastros culturais produzidos pelos praticantes surdos, indicadores de aprendizagem, na imbricação cibercultura/cidade. Para isso, buscamos amparo em posicionamentos que norteiam os estudos da visualidade e da pedagogia surda (Ströbel,  2008, 2009); Perlin, 2006; Skliar, 1997), ancorados nos princípios da multirreferencialidade, que exige a adoção de um olhar plural, a partir de sistemas de referências distintos (Ardoino,1998), e  nas pesquisas com os cotidianos (Alves, 2012; Certeau, 2013; Andrade, Caldas e Alves, 2019), que enfatizam as práticas pedagógicas, o que possibilitou-nos apreender   algumas produções que circulam pela Internet, cujas conversas e narrativas dos praticantes culturais nos forneceram indícios de aprendizagens, que podem auxiliar a prática didática a partir das imagens visuais.


Palavras-chave


Cibercultura; Educação de Surdos; Visualidades; Indicadores de Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, B. Literatura surda em performance: considerações sobre a arte visual vernacular. Literatura surda em performance: considerações sobre a arte visual vernacular. 2017. (Apresentação de Trabalho/Comunicação). Disponível em: http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2017_1522245161.pdf Acesso em: 13 abr. 2020.

ALVES, N. Políticas e cotidianos em redes educativas e em escolas. XVI Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino – ENDIPE/UNICAMP – Campinas, 2012.

AMARAL, L. Sobre crocodilos e avestruzes. São Paulo: Summus, 1998.

ANDRADE, N.; CALDAS, A.; ALVES, N. Os movimentos necessários às pesquisas com os cotidianos - 'após muitas conversas acerca deles'. In: Oliveira, I.; Peixoto, L.; Süssekind, M. L. (Orgs). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente: questões metodológicas, políticas e epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019, p. 1945.

ARDOINO, J. L’approche multiréférentielle (plurielle) des situations éducatives et formatives. Pratiques de Formation – Analyses. Saint-Denis, 1998.

BRASIL. Lei nº 7853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Brasília, DF, 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_ 03/leis/l7853.htm. Acesso em: 13 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 8.213, DE 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília, DF, 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm. Acesso em: 14 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a língua brasileira de sinais. Brasília, DF, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov. br/ccivil_ 03/leis/ 2002 /l10436 .htm. Acesso em: 13 abr. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF, 2005. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2005/decreto-5626-22-dezembro-2005-539842-publicacaooriginal-39399-pe.html. Acesso em: 13 abr. 2020.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

CAMPELLO, A. R.. Aspectos da visualidade na educação de surdos. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/91182. Acesso em: 13 abr. 2020.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 20ª ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

GESUELI, Z. M.; MOURA, L. Letramento e surdez: a visualização das palavras. Etd - Educação Temática Digital, 13 nov. 2008, [s.l.], v. 7, nº 2, p.110-122. Universidade Estadual de Campinas. DOI: http://dx.doi.org/10.20396/etd.v7i2.796. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/796. Acesso em: 13 abr. 2020.

IHA – Laboratório de LIBRAS. Cultura e pedagogia surda: recursos visuais na prática pedagógica. IHA – Laboratório de LIBRAS. Prefeitura do Rio de Janeiro. Publicado em 2013. Disponível em: http://jottaclub.com/wp-ontent/uploads/2015/06/ recursosvisuais na prticapedaggicaculturaepedagogiasurda-130225160121-phpapp02.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

JORGE, E. E. Sentidos das práticas avaliativas na sala de aula de espanhol como língua adicional no cotidiano escolar do aluno surdo. Pensares em Revista. Universidade de Estado do Rio de Janeiro, 2013, [s.l.], nº. 2, p. 109-135, DOI: http://dx.doi.org/10.12957/pr.2013.7606. Disponível em: http://www.e-publicacoes. uerj.br/index.php/pensaresemrevista/article/view/7606. Acesso em: 13 abr. 2020.

LACERDA, C. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência de inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Caderno Cedes. Campinas, mai.-ago. 2006, v. 26, nº 69, p. 163-84. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ccedes/v26n69/a04v2669.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

MACEDO, R.. A pesquisa e o acontecimento: compreender situações, experiências e saberes acontecimentais. Salvador: EDUFBA, 2016.

MACHADO, P. C. Diferença cultural e educação bilíngüe: as narrativas dos professores surdos sobre questões curriculares. 2009. 164 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/92494/266573.pdf?sequence=1.Acesso em: 13 abr. 2020.

MARQUES, C. V. Visualidade e surdez: a revelação do pensamento plástico. Revista Espaço. Instituto Nacional De Educação De Surdos, Rio de Janeiro, 1999, p. 38-47.

MARTINS, V. R; MARTINS, L. Experiências de letramento visual na constituição da LIBRAS e do português por alunos surdos numa escola regular. I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Uberlândia. Anais. Uberlândia: Edufu, 2011. v. 1, p. 859 - 867. Disponível em: http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/wp-content/uploads/ 2014/06/ volume_1_artigo_093.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

NERY, C.; BATISTA, C. Imagens visuais como recursos pedagógicos na educação de uma adolescente surda: um estudo de caso. Paidéia. Ribeirão Preto, dez. 2004, [s.l.], v. 14, nº 29, p. 287-299. FapUNIFESP (SciELO). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-863x2004000300005. Disponível em: http://www.scielo. br/scielo. php? pid=S0103- 863X2004000300005&script=sci_abstract&tlng =pt. Acesso em: 13 abr. 2020.

PERLIN, G. Surdos: cultura e pedagogia. 2006. Disponível em: https://pt.scribd.com/ document/88378969/Surdos-Cultura-e-Pedagogia-Gladis-Perlin. Acesso em: 13 abr. 2020.

PERLIN, G.; STRÖBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis: UFSC, 2008. Disponível em: http://www.LIBRAS.ufsc.br/colecaoLetrasLIBRAS/eixo Formacao Especifica/fundamentosDaEducacaoDeSurdos/assets/279/TEXTO_BASE-fundamentos Educ _Surdos.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

RAMOS, D.; ABRAHAO, B. Literatura surda e contemporaneidade: contribuições para o estudo da Visual Vernacular. Pensares em Revista, 2018, v. 12, p. 56-72. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/pensaresemrevista/article/view/34059. Acesso em: 13 abr. 2020.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SANTOS, S. Educação ambiental: recursos imagéticos na produção de significação de um sujeito surdo. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental). Universidade Federal Rio Grande, 2013. Disponível em: http://repositorio.furg.br/handle/1/6002. Acesso em: 13 abr. 2020.

SANTOS, B; NUNES, J. Introdução: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. In: Santos, B. (Org.), Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003, p. 25-68.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

SILVA, E.; KANASHIRO, E. Avaliação visual da aprendizagem: uma alternativa para alunos surdos. Estudos em Avaliação Educacional, 2015, [s.l.], v. 26, nº 63, p. 688-714. Fundação Carlos Chagas. DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v0ix.3111. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3111/3115. Acesso em: 13 abr. 2020.

SKLIAR, C. Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. In: Skliar, C. (Org.). Educação e exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial. Porto Alegre: Mediação, 1997, p. 105-153. (Cadernos de autoria, 2).

STREIECHEN, E.; KRAUSE-LEMKE, C.; OLIVEIRA, J.; CRUZ, G. Pedagogia surda e bilinguismo: pontos e contrapontos na perspectiva de uma educação inclusiva. Acta Scientiarum. Education, 2016, [s.l.], v. 39, nº 1, p. 91-101. Universidade Estadual de Maringa. DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascieduc.v39i1.26066. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/26066. Acesso em: 13 abr. 2020.

STRÖBEL, K. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2008. Disponível em: file:///C:/Users/Miriam/Downloads/Surdos%20vest%C3%ADgios...%20(Strobel).pdf. Acesso em: 13 abr. 2018.

STRÖBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2ª ed. rev. Florianópolis: UFSC, 2009.

VILHALVA, S. Despertar do silêncio. Petrópolis: Arara Azul, 2004. (Coleção Cultura e Diversidade).




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.50152

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.