v. 25, n. 1 (2018)

COMUNICAÇÃO, TERRITÓRIOS E RE-EXISTÊNCIAS

Nos últimos anos observamos e participamos da emergência de ocupações e resistências nos espaços urbanos – dos movimentos internacionais que tomaram praças e ruas às micropolíticas de corpos dissidentes que ocupam casas e becos, as formas de comunicar, estar presente nos espaços físicos, transgredir e resistir se desdobraram em pluralidades intensas. As relações de poder, marcadas em verticalidades, as políticas públicas e os discursos conservadores, todas essas estratégias são invertidas e subvertidas, ameaçadas – a fragilidade do regime que demarca os lugares e/ou territórios é tornada visível e novas e outras articulações são propostas.

De acordo com Haesbaert, “a noção de multiterritorialidade (Haesbaert, 1997, 2001a, 2002a, 2004) aparece como resposta ao processo identificado por muitos como “desterritorialização”: mais do que a perda ou o desaparecimento dos territórios, propomos discutir a complexidade dos processos de (re)territorialização em que estamos envolvidos, construindo territórios muito mais múltiplos ou, de forma mais adequada, tornando muito mais complexa nossa multiterritorialidade.”[1]

A Logos, inspirada pela aula inaugural do PPGCOM da UERJ de 2018, realizada pelo professor Rogério Haesbaert, abre as chamadas para envio de artigos para o primeiro número de 2018 nessa chave: pensar as narrativas dos multiterritórios e dos lugares, os novos atores e sujeitos que surgem e figuram nas (des)organizações urbanas do capitalismo tardio; quais corpos podem transitar e quais são impedidos? Quais imagens são produzidas e quais são descartáveis? Como as mídias tradicionais e alternativas se posicionam sobre esses eventos?

A aula está disponível em

https://www.youtube.com/watch?v=KuwHwiFhZUo

 

As cidades, os territórios, os lugares, os corpos e as subjetividades encontram-se, no final da segunda década do século XXI, tomados por outras tensões que, não raramente, espelham ou duplicam – e expandem – questões já observadas por pensadores do início do século XX, como Benjamin, Simmel, Kracauer e Bergson. Reativadas por outras sensibilidades políticas e urgências do espaço, observamos como a arquitetura dialoga com os corpos, acolhendo ou expulsando; pichações, mensagens, lambes e cartazes constituem outros cenários e ambientes para e nas cidades. Nesses registros múltiplos e interdisciplinares, a Logos convida ao envio de artigos, ensaios, entrevistas e resenhas cujos temas estejam em sintonia com essas questões.


[1] Trecho do artigo ‘Dos múltiplos territórios á multiterritorialidade’, de Rogério Haesbeart, disponível em http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf

Edição completa

Ver ou baixar a edição completa PDF

Sumário

Editorial

COMUNICAÇÃO, TERRITÓRIOS E RE-EXISTÊNCIAS
Patricia Rebello
PDF

Dossiê

Adelaide Rocha de la Torre CHAO, João Luis de Araújo MAIA
PDF
Maria Iannotti
PDF
Victor de Almeida Nobre Pires
PDF
Micael Herschmann
PDF
Maurício de Bragança
PDF
Cláudio Rodrigues Coração, Filipe Davison Barboza Carneiro
PDF
Fernanda Elouise Budag, José Augusto Mendes Lobato
PDF
Matheus Araujo dos Santos
PDF
Fábio Fonseca de Castro, Raoni Lourenço Arraes, Marina Ramos Neves de Castro
PDF
Francine Altheman, Angela Cristina Salgueiro Marques
PDF

Perspectivas

Mariana Souto
PDF
Melina Aparecida dos Santos Silva
PDF
Felipe Tavares Paes Lopes
PDF
Francisco Secundo Silva Neto, Marcio Acselrad
PDF