O NOVO ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL: REDUCIONISMO, PRIVATIZAÇÃO E MERCANTILIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA EM TEMPOS DE ULTRACONSERVADORISMO

Carlos Soares Barbosa, José Carlos Lima de Souza

Resumo


O presente artigo é resultado da pesquisa qualitativa e bibliográfica, e tem por objetivo contribuir com as discussões que vêm sendo realizadas nos diversos espaços sociais sobre o novo Ensino Médio de Tempo Integral (EMTI). Além de demonstrar sua dimensão reducionista e como atende aos interesses da classe empresarial no contexto do ultraconservadorismo brasileiro, argumenta que a privatização e a mercantilização da educação pública é um dos pilares de sustentação de nova reforma educacional. Por fim, destaca que o EMTI se orienta no sentido contrário da formação crítica, humana e integral, pois visa tão somente a formação dos trabalhadores demandados pelo atual padrão de acumulação flexível do capital.


Palavras-chave


Reforma do ensino médio; Ensino médio de tempo integral; Ultraconservadorismo; Acumulação flexível; Trabalhador de novo tipo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2019.46449


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: