ASSOCIAÇÃO ENTRE OCORRÊNCIA E FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS E INSEGURANÇA ALIMENTAR PREGRESSA EM ADULTOS DO DISTRITO FEDERAL

Andressa Cristina Santos de Deus, Ana Lilian Bispo dos Santos, Muriel Bauermann Gubert

Resumo


O objetivo deste artigo é empreender uma aproximação inicial aos sentidos e significados do consumo de bebidas alcóolicas entre estudantes dos cursos de graduação em Educação Física e Nutrição de uma universidade no município do Rio de Janeiro. A estratégia metodológica adotada consistiu em articular observação participante e entrevistas com esses discentes. Segundo o pensamento biomédico, deveria haver abstinência ou, ao menos, moderação no consumo de bebidas alcóolicas por parte de alunos do campo da saúde. Estes deveriam, ademais, ser modelos de boas práticas alimentares e corporais, enfim, comportamentos considerados saudáveis, discurso que predomina entre eles nos espaços acadêmicos formais. Todavia, isto nem sempre ocorre no cotidiano desses jovens que organizam e/ou frequentam diversos eventos nos quais consomem bebidas alcoólicas, algumas vezes em grandes quantidades. Valores relativos a juventude, sexo e estética corporal são aí mobilizados e relacionados com a convivência social, posições de distinção na sociedade fortemente hierarquizada, reação às normas e regras sociais, entre outros aspectos na sociedade de consumo. Tais práticas de consumo de álcool trazem consigo um paradoxo para o campo biomédico e um elemento de distinção social para esses estudantes.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.13143

 

 


Palavras-chave


Insegurança alimentar Pregressa; Infância; Doenças Crônicas Não Transmissíveis;

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.13143

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.