ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO DE ALTA RESPONSÁVEL PARA IDOSOS COM DOENÇAS CRÔNICAS HOSPITALIZADOS E COM NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS

Rubia Daniela Thieme, Lauren Machado Pinto, Darla Silverio Macedo, Rosibeth del Carmen Muñoz Palm, Maria Eliana Madalozzo Schieferdecker

Resumo


Introdução: Idosos com doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) hospitalizados frequentemente são frágeis e apresentam desnutrição e/ou necessidade de terapia nutricional (TN). Objetivo: Relatar a experiência de elaboração e implantação de protocolo referente à linha de cuidado para idosos hospitalizados devido a complicações decorrentes de DCNT com necessidade de TN e organizar as atividades preconizadas nesse protocolo de acordo com o planejamento da alta responsável e estruturação da linha de cuidado. Metodologia: Relato de experiência de elaboração e implantação de protocolo multiprofissional referente à linha de cuidado para idosos hospitalizados com DCTNs e necessidade de TN, entre agosto de 2011 e janeiro de 2012. Resultados: A participação do idoso e familiares/cuidadores foi primordial na elaboração do protocolo. A alta hospitalar responsável e a comunicação em saúde, por meio de visitas domiciliares, foram sistematizadas no planejamento e inseridas na linha de cuidado. Discussão: O protocolo sistematizado permitiu a continuidade de atenção à saúde preconizada na linha de cuidado por meio de estratégias de comunicação em saúde. A alta prevalência de desnutrição na admissão em atenção especializada sugere que a vigilância nutricional, o início precoce de TN e o acompanhamento do estado nutricional na Atenção Básica apresentam falhas. Quando necessário, o cuidado nutricional iniciado no hospital deve ter sua continuidade garantida no domicílio do indivíduo. Conclusão: A elaboração e implantação de protocolo de linha de cuidado, com planejamento da alta responsável, favoreceram a contrarreferência, sobretudo para continuidade de TN em domicílio.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.10347


Palavras-chave


Doença Crônica; Idoso; Alta Hospitalar; Comunicação em Saúde; Terapia Nutricional

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Lebrão ML. O envelhecimento no Brasil: aspectos da transição demográfica e epidemiológica. Saúde Coletiva 2007;17(4):135-40.

Abegunde DO, Mathers CD, Adam T, Ortegon M, Strong K. The burden and costs of chronic diseases in low-income and middle-income countries. Lancet 2007;370(9603):1929-38.

Alwan A, MacLean DR, Riley LM, d'Espaignet ET, Mathers CD, Stevens GA, Bettcher D. Monitoring and surveillance of chronic noncommunicable diseases: progress and capacity in high-burden countries. The Lancet 2010;376(9755):1861-68.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. VIGITEL Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Lancet. 2011;377(9781):1949-61.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento da Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 160 p.

WHO 2011. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: World Health Organization, 2011.

Malta DC, Cezário AC, Moura Lde, Morais Neto OLde, Silva Junior JBda. A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. 2006;15(3):47-65.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Portaria nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Brasília: 2006. [Acesso em 2012 jun 25]. Disponível em URL:

Brasil. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana de Saúde. Atenção à Saúde do Idoso: Aspectos conceituais. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Szostak WB, Cybulska B, Kłosiewicz-Latoszek L, Szostak-Węgierek D. Primary prevention of cardiovascular disease and other chronic noncommunicable diseases in the centre of attention of the United Nations: special importance of a prudent diet. Kardiol Pol. 2013;71(4):321-4.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Informações, 1988.

Brasil. Lei nº 8.080 (Lei Orgânica da Saúde). Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, Poder Executivo, de19 de Setembro de 1990.

Brasil. Lei 11.346 (Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional). Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, Poder Executivo, de 15 de setembro de 2006. Disponível em URL: .

Burity V, et al. Direito Humano à Alimentação Adequada no Contexto da Segurança Alimentar e Nutricional. Ação Brasileira pela Nutrição e Direitos Humanos (ABRANDH), Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). 2010.

Brasil. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS. Brasília: 2007.

Fratini JRG, Saupe R, Massarolli A. Referência e contra-referência: contribuição para a integralidade em saúde. Ciências Cuid Saúde 2008; 7(1): 65-72.

Organização Panamericana de Saúde (OPAS). Atenção à Saúde do Idoso: Aspectos conceituais. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Waitzberg DL, Caiaffa WT, Correia MITD. Hospital malnutrition: the Brazilian national survey (IBRANUTRI): a study of 4000 patients. Nutrition 2001; 17(7): 573-80.

Correia MITD, Campos ACL. Prevalence of Hospital Malnutrition in Latin America: The Multicenter ELAN Study. Nutrition 2003; 19(10): 823-5.

Leandro-Merhi VA, Aquino JLB, Chagas JFS. Risco nutricional no período pré-operatório. Arq Bras Cir Dig 2009; 22(3): 143-6.

Schiesser M, Müller S, Kirchhoff P, Breitenstein S, Schäfer M, Clavien PA. Assessment of a novel screening score for nutritional risk in predicting complications in gastro-intestinal surgery. Clin Nutr. 2008; 27(4):565-70.

Jensen GL, Mirtallo J, Compher C, Dhaliwal R, Forbes A, Grijalba RF, Hardy G, Kondrup J, Labadarios D, Nyulasi I, Castillo Pineda JC, Waitzberg D; International Consensus Guideline Committee. Adult starvation and disease-related malnutrition: A proposal for etiology – based diagnosis in the clinical practice setting from the International Consensus Guidelines Comité. JPEN 2010; 34(2):156-159.

Anker SD, John M, Pedersen PU, Raguso C, Cicoira M, Dardai E, Laviano A, Ponikowski P, Schols AM; DGEM (German Society for Nutritional Medicine), Becker HF, Böhm M, Brunkhorst FM, Vogelmeier C; ESPEN (European Society for Parenteral and Enteral Nutrition). ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Cardiology and pulmonology. Clin Nutr 2006; 25(2): 311-8.

Arends J, Bodoky G, Bozzetti F, Fearon K, Muscaritoli M, Selga G, van Bokhorst-de van der Schueren MA, von Meyenfeldt M; DGEM (German Society for Nutritional Medicine), Zürcher G, Fietkau R, Aulbert E, Frick B, Holm M, Kneba M, Mestrom HJ, Zander A; ESPEN (European Society for Parenteral and Enteral Nutrition). ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Non-surgical oncology. Clin Nutr 2006; 25(2): 245-59.

Cano N, Fiaccadori E, Tesinsky P, Toigo G, Druml W; DGEM (German Society for Nutritional Medicine), Kuhlmann M, Mann H, Hörl WH; ESPEN (European Society for Parenteral and Enteral Nutrition). ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Adult renal failure. Clin Nutr. 2006; 25(2): 295-310.

Volkert D, Berner YN, Berry E, Cederholm T, Coti Bertrand P, Milne A, Palmblad J, Schneider S, Sobotka L, Stanga Z; DGEM (German Society for Nutritional Medicine), Lenzen-Grossimlinghaus R, Krys U, Pirlich M, Herbst B, Schütz T, Schröer W, Weinrebe W, Ockenga J, Lochs H; ESPEN (European Society for Parenteral and Enteral Nutrition). ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition: Geriatrics. Clin Nutr 2006; 25(2): 330-60.

Hutchinson E, Wilson N. Acute stroke, dysphagia and nutritional support. Br J Community Nurs. 2013;Suppl:S26-9.

Bazzan AJ, Newberg AB, Cho WC, Monti DA. Diet and nutrition in cancer survivorship and palliative care. Evid Based Complement Alternat Med. 2013; 2013:917647.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 63, de 06 de julho de 2000. Aprova o Regulamento Técnico para fixar os requisitos mínimos exigidos para a Terapia de Nutrição Enteral. D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 07 de julho de 2000.

Candela CG, Cos Blanco A, García Luna PP, de la Cruz AP, Luengo Pérez LM, Iglesias Rosado C, Vázquez C, Koning A, Planas M, Camarero E, Wanden-Berghe C, Chamorro J, Pereira JL, Mellado C, Morera M. Complicaciones de la nutrición enteral domiciliaria. Resultados de um estúdio multicêntrico. Nutrición Hospitalaria. 2003;18:167-73.

Liley AJ, Manthorpe J. The impact of home enteral tube feeding in everyday life: a qualitative study. Health and Social Care in the Community 2003;11(5):415-22.

Elia M, Stratton RJ. A cost-utility analysis in patients receiving enteral tube feeding at home and in nursing homes. Clinical Nutrition 2008; 27: 416-423.

Feuerwerker LCM, Merhy EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Rev Panam Salud Publica 2008; 24(3):180–8.

Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura (UNESCO). Estudos de Contratualização de Hospitais no âmbito do SUS. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas; 2007. [Acesso em 2013 fev 13]. Disponível em URL: .

Lopes WO, Saupe R, Massoroli A. Visita domiciliar: tecnologia para o cuidado, o ensino e a pesquisa. Cienc Cuid Saude [Internet]. 2008 [Acesso em 2012 nov 12]; 7(2): 241-7. Disponível em URL: .

Brasil. Ministério da Saúde. Fundo Nacional de Saúde. Gestão Financeira do Sistema Único de Saúde: manual básico. 3ªed. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e ao envelhecimento. Área Técnica Saúde do Idoso. Série Pactos pela Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual Instrutivo Melhor em Casa. Brasília: 2012. [Acesso em 2012 jul 25] Disponível em URL: .

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União 2006; 29 mar.

Chayamiti, EMPC. Manual do Serviço de Assistência Domiciliar da Secretaria Municipal de Saúde de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto; 2007. (Manual Eletrônico) [acesso em 2012 nov 12]. Disponível em URL: .

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Orientações para a implantação dos núcleos. Diário Oficial da União 2008; 25 jan.

Teixeira, CP. Visita domiciliar: um instrumento de intervenção. Sociedade em Debate [Internet]. 2009 [Acesso em 2012 ago 14]; 2009;15(1):165-178. Disponível em URL: .

Werneck MAF, Faria HP, Campos KFC. Protocolo de cuidados à saúde e de organização do serviço. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed. 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.527, de 27 de outubro de 2011. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União 2011; 28 out.

Contandriopoulos AP, et al. A avaliação na área da saúde: conceitos e métodos. In: Hartz ZMA. Avaliação em Saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1997. 132 p. Disponível em: SciELO Books .

Malta DC, Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface - Comunic., Saúde, Educ. (Botucatu) 2010; 14: 593-605.

Goulart, FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os Sistemas de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.10347

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.