O CONFINAMENTO JOVEM NO FILME “MAZE RUNNER”: CULTURA E PEDAGOGIA TECNOCAPITALÍSTICA

Greice Rosane Gomes, Cynthia Farina

Resumo


Resumo: Este artigo trata de alguns processos de subjetivação na contemporaneidade que se dão na inter-relação entre juventude e cinema. Voltado à leitura do filme “Maze Runner”, a pesquisa coloca em conversa os conceitos de sociedades disciplinares (Foucault) e sociedades de controle (Deleuze). O artigo foi construído com base no método cartográfico, e o referencial teórico utilizado é norteado prioritariamente pelos autores já mencionados, além de Sibilia e Rolnik. As principais temáticas envolvidas são processos de formação, capitalismo mundial integrado, cartografia, juventude e cinema.

Palavras-chave: Cinema. Juventude. Subjetivação.


Palavras-chave


Educação; Cinema; Subjetivação; Juventude

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2018.34520

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - B1 - Educação
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional