DO MODELO PRESENCIAL AO HÍBRIDO: (AUTO) NARRATIVA E ALGUMAS QUESTÕES SOBRE O ATO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR

Autores

  • Ana Maria Ricci Molina Faculdade Anhanguera de Ribeirão Preto

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2023.75327

Palavras-chave:

Educação Superior, Metodologia de Ensino, Didática, Ensino Híbrido, Modelo de Aula Invertida.

Resumo

Este artigo apresenta as transformações na modalidade de ensino durante a trajetória docente da autora, que ocorreram como resultado da sociedade da informação e no contexto da rede privada de ensino superior. Tem na (auto) narrativa o apoio metodológico para a compreensão do papel de professores na perspectiva da metodologia ativa, com a descrição do modelo da sala de aula invertida aplicado ao modo híbrido, da aula presencial articulada ao ambiente virtual de aprendizagem. E, depois, com a virtualização em contexto pandêmico, quais questões emergiram da reflexão a respeito das apreensões neoliberais e da tecnologização do ensino sobre o ato pedagógico docente e seu impacto na formação inicial de profissionais. Tem-se no recorte dessa (auto)narrativa uma forma de instrumentalização do trabalho docente, o que sinaliza para o exercício crítico das condições de trabalho que modulam professores do ensino superior privado, com a necessária amplitude de investigação e debate dos seus efeitos na qualidade da formação inicial de profissionais.

Biografia do Autor

Ana Maria Ricci Molina, Faculdade Anhanguera de Ribeirão Preto

Doutora em Educação. Mestre em Psicologia. Especialista em Psicopedagogia e Políticas Públicas. Psicóloga. Pedagoga. Docente no Ensino Superior. Pesquisadora GRACIAS/USP.

Referências

ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação & Sociedade: Revista do Centro de Estudos Educação e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 74, p. 251-283, abr. 2001

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. (Orgs.) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

CANALES-RONDA, Pedro; HERNANDEZ-FERNANDEZ, Asunción. Metodología flipped classroom no ensino universitário. Rev. Iberoam. Educ. Super, México , v. 10, n. 28, p. 116-130, 2019. http://dx.doi.org/10.22201/iisue.20072872e.2019.28.432.

CHAQUIME, Luciane Penteado; MILL, Daniel. Metodologias ativas. In.: MILL, Daniel (org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação à distância. Campinas, SP: Papirus, 2018. p. 441-443.

CHRISTENSEN, Clayton M.; HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Ensino híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Lisboa: Ed. 52, 2013.

COLVARA, J.S; SANTO, E.E. Metodologias Ativas no Ensino Superior: o Hibridismo da Sala de Aula Invertida. Rev. Bras. Aprendizagem Aberta e a Distância, v. 18 n. 1: e325, 2019.

LIMA, Valéria Vernaschi. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 21, n. 61, p. 421-434, Junho, 2017. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0316.

LOPES, Janaína Maciel et al . Autoeficácia de Estudantes de Medicina em Duas Escolas com Metodologias de Ensino Diferentes (Aprendizado Baseado em Problemas versus Tradicional). Rev. Bras. Educ. Med., Brasília , v. 44, n. 2, e047, 2020.

LORENA, Suélem Barros de et al. Análise do Acesso à Informação Acadêmica entre Estudantes de Medicina Inseridos numa Metodologia Ativa de Aprendizagem. Rev. Bras. Educ. Med., Brasília, v. 43, n. 4, p. 176-186, Dec. 2019. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n4rb20190037.

MALLMANN, Elena Maria; FERREIRA NOBRE, Ana Maria. Um canal aberto no ensino superior? MOOC e REA no mundo digital. Apert. (Guadalaj., Jal.), Guadalajara, v. 9, n. 2, p. 24-41, 2017. http://dx.doi.org/10.18381/ap.v9n2.1026.

AUTORA. Notas sobre o nível de escolaridade entre profissionais do sexo. Instrumento: Rev. Est. E Pesq. Em Educação, Juiz de Fora, v. 23, n. 4, p. 940-958, set./dez. 2021.

AUTORA. Sobre a formação de professores de psicologia para o ensino básico. In: FELTRIN, T; RIGUE, Fernanda M.; BATISTA, Natalia L. (org). A formação de professores no Brasil: historicidade, subjetividade, gênero, professoralidade e docências tradicionais e contemporâneas. 1ed. Rio de Janeiro: Mares Editora, 2019, v. 2, p. 211-222.

AUTORA. Sobre práticas educativas em processos sociais: recortes de algumas incursões de alunos de pedagogia. Revista de Pedagogia, UFMT, v. 6, p. 1324, 2017.

AUTORA; SANTOS, W. B. Educação Sexual e currículo de ciências/biologia: desafios à prática docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 4, p. 1149–1163, 2018. DOI: 10.21723/riaee.v13.n3.2018.9530.

AUTORA; DINIS, Nilson Fernandes. Uma utilidade social da educação é formar sujeitos para o mundo do trabalho, o que pode silenciar esta verdade? Plures Humanidades. v. 15, p. 1-10, 2014.

MORÁN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In.: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (Org.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: UEPG, vol. 2, 2015, p. 15-33.

NÓVOA, António; FINGER, M. (Org.). O método (auto) biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010,

VALENTE, José Armando. Sala de Aula Invertida. In.: MILL, Daniel (org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação à distância. Campinas, SP: Papirus, 2018. p. 571-574.

WERTHEIN, Jorge. A sociedade da informação e seus desafios. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 71-77, maio/ago. 2000

Downloads

Publicado

30-12-2023

Como Citar

RICCI MOLINA, Ana Maria. DO MODELO PRESENCIAL AO HÍBRIDO: (AUTO) NARRATIVA E ALGUMAS QUESTÕES SOBRE O ATO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 92–107, 2023. DOI: 10.12957/riae.2023.75327. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/75327. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ: DIDÁTICA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENFRENTAMENTO DAS CONTRARREFORMAS NEOLIBERAIS