TRAVESSIAS FILOSÓFICAS, TESSITURAS AMEFRICANAS: O CURRÍCULO DE FILOSOFIA AO RÉS-DO-CHÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.65886

Palavras-chave:

Decolonialidade, Ensino de filosofia, Lei 10.639/03, Currículo de filosofia, Educação das relações étnico-raciais.

Resumo

O ensaio tem por objetivo difundir o debate em torno da descolonização do ensino de filosofia e seu currículo, tendo como eixo a crítica ao exclusivismo de perspectivas filosóficas brancas, androcentradas, eurocêntricas e universalistas, hegemônicas nos espaços institucionais de formação e nas práticas pedagógicas. Pontua-se que a manutenção de uma matriz particular de conhecimento como a única válida e verdadeira, que passa a conferir valor a acervos, currículos e repertórios ensinados nas instituições, atravessa estruturalmente os itinerários formativos propostos pelas instituições educativas nacionais. Ressalta-se, nesse contexto, a importância das legislações antirracistas, como a Lei 10.639/03, e de práticas contracoloniais que interroguem não apenas os modelos filosóficos canônicos, mas também os processos de desumanização daqueles/as que foram tornadas/os subalternas/os pela lógica colonial, e que, desde seu chão, produzem conhecimentos filosóficos que desafiam o sistema-mundo colonial/capitalista/racista/patriarcal e seus arquivos. Trata-se, por fim, de indagar políticas curriculares, práticas pedagógicas e epistemologias, para enfrentar os lastros da colonialidade no ensino de filosofia.

Biografia do Autor

Diego dos Santos Reis, Universidade Federal da Paraíba/Professor Adjunto de Filosofia da Educação

Professor Adjunto de Filosofia da Educação da Universidade Federal da Paraíba. Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades (Diversitas/FFLCH) da Universidade de São Paulo. Realizou estágio pós-doutoral na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. É Doutor, Mestre e Licenciado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com estágio doutoral no Institut d'Études Politiques de Paris/SciencesPo. Especialista em Epistemologias do Sul pelo Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (CLACSO). Coordena o Travessias - Grupo de Pesquisa em Filosofia, Educação e Decolonialidade (UFPB/CNPq).

Gabriela da Nóbrega Carreiro, Universidade Federal da Paraíba/Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda na linha Processos de Ensino e Aprendizagem no Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestra em Educação pelo PPGE/UFPB, graduada em Licenciatura Plena em Filosofia pela UFPB e Bacharelado em Filosofia pela mesma instituição. Integra o Grupo de Pesquisa Ágora (Grupo de pesquisa em filosofia e psicologia da educação - UFPB/CNPq). Bolsista da CAPES. 

Referências

AGGIO, Juliana; FAUSTINO, Silvia; ARAÚJO, Carolina; SOMBRA, Laurenio (Orgs.). Filósofas. Curitiba: Kotter Editorial, 2021.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ARROYO, Miguel G. Currículo, território em disputa. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 10.639, de 19 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.639.htm>. Acesso em: 27 fev. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2009. Disponível em: <http://etnicoracial.mec.gov.br/images/pdf/diretrizes_curric_educ_etnicoraciais.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2022.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do Outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 9-24.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. Trad. Rane Souza. São Paulo: Editora Boitempo, 2021.

FANON, Frantz. Pele Negra, Máscaras Brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson; BOTELHO, Denise. Colonialidade e Educação: o currículo da filosofia brasileiro entre discursos coloniais. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 14, mai./out. 2010, p. 66-89. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/9671 Acesso em: 03 de mar. de 2022.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, nº 92/93, jan./jun. 1988, p. 69-82. Disponível em: https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-categoria-polc3adtico-cultural-de-amefricanidade-lelia-gonzales1.pdf Acesso em: 24 de fev. 2022.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, out. 2012, p. 115-147. Disponível em https://doi.org/10.4000/rccs.697 Acesso em: 03 março 2022.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2019.

HOOKS, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. Trad. Bhuvi Libanio. São Paulo: Editora Elefante, 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia africana: ética de cuidado e de pertencimento ou uma poética de encantamento. Problemata: R. Intern. Fil. v. 10. n. 2 (2019), p. 56-75.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da Modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), v. 32, n° 94, jun./2017. Disponível em: https://doi.org/10.17666/329402/2017. Acesso em: 24 de fev. 2022.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saber subalterno e pensamento liminar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NOGUERA, Renato. O ensino de filosofia e a Lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas/Biblioteca Nacional, 2014.

PALERMO, Zulma. Colonización del saber: una violencia invisible, Inmanencia. Revista del Hospital Interzonal General de Agudos (HIGA) Eva Perón, Buenos Aires, vol. 3, n. 2, p. 79-88, julho 2014. Disponível em: http://revista.fhycs.unju.edu.ar/revistacuadernos/index.php/cuadernos/article/view/427 Acesso em: 18 de fev. 2022.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: Colección Sur Sur, CLACSO, 2005, p. 117-142.

RAMOSE, Mogobe B. Sobre a legitimidade e o estudo da Filosofia Africana. Trad. Dirce Solis, Rafael Lopes e Roberta Cassiano. Ensaios Filosóficos, v. 4, out./2011, p. 6-23. Disponível em: http://www.ensaiosfilosoficos.com.br/Artigos/Artigo4/RAMOSE_MB.pdf Acesso em: 27 fev. 2022.

RUFINO, Luiz. Pé de tempo. In: SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz; HADDOCK-LOBO, Rafael. (Orgs.). Arruaças: uma filosofia popular brasileira. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 34-38.

SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização, quilombos: modos e significações. Brasília: INCT/CNPq, 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Downloads

Publicado

05-09-2022

Como Citar

REIS, Diego dos Santos; CARREIRO, Gabriela da Nóbrega. TRAVESSIAS FILOSÓFICAS, TESSITURAS AMEFRICANAS: O CURRÍCULO DE FILOSOFIA AO RÉS-DO-CHÃO. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 498–512, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.65886. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/65886. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ: OUTRAS EDUCAÇÕES: SABERES E CONHECIMENTOS DAS POPULAÇÕES RACIALIZADAS EM CONTEXTOS DE RE-EXISTÊNCIA