Caminhos históricos da coeducação: reflexões sobre misturas e separações durante o isolamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.63426

Palavras-chave:

relações de gênero, coeducação, escola mista, distanciamento social

Resumo

O artigo focaliza a questão da escola mista no Brasil da segunda metade do século XIX até o século XX. Mistura ou separação de meninas e meninos no ambiente escolar gerou – e ainda gera – debates entre diversos atores da cena educacional e variados setores da sociedade, que em diferentes momentos históricos se ocuparam – e ainda se ocupam – do que sempre esteve no interior das escolas: as relações de gênero. Variadas pesquisas, jornais pedagógicos, decretos da Coleção de Leis do Império, além de ofícios e correspondências entre professores, são fontes que retratam esta temática tanto histórica como atual e necessária. As pesquisas e documentos evidenciam a partir dos diferentes ideais de escolarização, modelos de sociedade em disputa.

Referências

AUAD, Daniela. Relações de Gênero nas práticas escolares: da escola mista ao ideal de co-educação. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), 2004.

AUAD, Daniela; GUIMARÃES, Janaína; Roseno, Camila P. Gênero na Educação Básica Brasileira: a inconstitucionalidade de projetos proibitivos. ETD - Educação Temática Digital, Unicamp, Campinas, v.21, n.3, p.568-586, jul./set. 2019.

______________. Educação para Democracia e Co-educação: apontamentos a partir da categoria gênero. Revista USP, número 56, Universidade de São Paulo, dezembro/janeiro/fevereiro 2002-2003. São Paulo, 2003.

AZEVEDO, Fernando de. Novos Caminhos e Novos Fins: a nova política de educação do Brasil. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1934.

BIDDULPH, Steve. Criando Meninos. São Paulo, Fundamento, 2003.

CORSINO, Luciano Nascimento; AUAD, Daniela. O professor diante das relações de gênero na educação física escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

FORTINO, Sabine. Mixitè. In: HIRATA, Helena Sumiko; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle. (coordenation). Dictionnaire Critique du Féminisme. Paris, Presse Universitaire de France, 2000.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra LTDA, v. 199, 1967.

GIMENO, Amparo Blat. Informe sobre la igualdad de oportunidades educativas entre los sexos. Revista Iberoamericana de Educación, nº 6, p. 123-145, sept./dic. 1994.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, v. 5, p. 07-41, 1995. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2016.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. WMF, São Paulo, 2018.

LEAL, Hyrla Aparecida Tucci. Amélias de Ontem: a educação feminina na concepção de intelectuais da década de vinte. Doutorado em História e Filosofia da Educação, São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1997.

MATE, Cecília Hanna. Dimensões de Educação Paulista nos Anos 20: inquirindo, reformando, legitimando uma nova escola. São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Mestrado em História e Filosofia da Educação, 1991.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

PREUSCHOFF, Gisela. Criando Meninas. São Paulo, Fundamento, 2003.

SCOTT, Joan W.Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, v.20, n.º 2, p. 71-99, 1995.

SOUSA, Eustáquia Salvadora de. Relações de gênero no ensino da educação física. Caderno Espaço Feminino, n.º 3, p. 79-96, 1996.

ZAIDMAN, Claude. La mixité à l’école primaire. Paris, L’Harmattan, 1996.

_______________. La mixité, objet d’étude scientifique ou enjeu politique. Cahiers du GEDISST, Paris, IRESCO, CNRS, nº 14, 1995.

_______________. Mixité et Démocratie. In: MARIE-FRANCE e VALARIÉ-BOY (org.). Faites de Femmes: processus identificatoires et contextes sociaux. França, Éditions les Pluriels de Psyché, 1998.

_______________. La mixité en questions: des résistances religieuses à la critique féministe, ou l’actualité de la question de la mixité scolaire. Raison Présente. Paris, Nouvelles Éditions Rationalistes, nº 140, 2002.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

AUAD, Daniela. Caminhos históricos da coeducação: reflexões sobre misturas e separações durante o isolamento. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 738–753, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.63426. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/63426. Acesso em: 20 abr. 2024.